Por Trás de Seus Olhos


Já começo esse post ‘falando’ do final do livro. Calma! Calma aí gente, não vou liberar nenhum spoiler, podem ficar tranquilos, vou apenas dar a minha opinião sobre o ‘the end’ de Por Trás de Seus Olhos, da escritora Sara Pinborough. O que eu achei? Surreal demais, fantasioso demais, bizarro demais; enfim, um final completamente fora da casinha. Os elementos fantásticos utilizados pela autora para concluir a sua história foram muito loucos; como já disse acima, surreais demais. Talvez, se ela tivesse optado por estruturar o tão comentado plot twist de seu enredo dentro de um contexto real, deixando a fantasia de lado, acredito que o livro seria fantástico.
Tenho certeza de que muitos leitores discordarão da minha opinião, já que o final de Por Trás de Seus Olhos é considerado um dos cinco melhores plot twist, de todos os tempos, da literatura, com alguns chegando a colocá-lo no top desses plot twists. Tudo bem, só que para mim, não é. Achei as reviravoltas nos enredos de Eles Merecem a Morte, Até Você Ser Minha e A Verdade Sobre o Caso Harry Quebert bem mais impactantes porque os seus autores trabalharam com elementos reais, palpáveis.
Confesso que é uma pena porque o enredo criado por Pinborough é muito bom e consegue prender o leitor. A sua narrativa cria em nós expectativas dúbias com relação aos personagens. Você não sabe quem está mentindo, quem está falando a verdade, enfim, quem é o gato ou o rato. Então, quando os segredos desses personagens começam a ser desvendados, principalmente os segredos sinistros do estranho casal David e Adele, o leitor fica piradão porque a sua curiosidade cresce de tal maneira, ao ponto de você ir ‘engolindo’ as páginas para descobrir o que fulana ou sicrano estão tramando. Mas aí, no ápice do enredo vem aquele final louco da porr... O que foi aquilo cara?!! Acho que a autora estava ‘mutcho loka’ naquele momento.
Por Trás de Seus Olhos tem três narrativas paralelas, sendo duas em primeira pessoa e a outra em terceira. Louise, é uma das personagens narradoras, a outra se chama Adele. Os capítulos narrados por elas são intercalados com flashbacks do passado de Adele narrados em terceira pessoa.
Louise é mãe solteira, trabalha como secretária e está presa à rotina da vida moderna: ir para o escritório, cuidar da casa, do filho e tentar descansar em tempo livre. Em uma rara saída à noite, ela conhece David num bar e mesmo após ele ter ido embora, depois de trocarem um beijo, Louise fica muito animada por ter conhecido alguém.
Ela só não esperava por duas coisas: o homem que ela conheceu no bar e que despertou algo em seu coração é casado e como não bastasse essa pedrada na cabeça, ele também é o seu novo chefe, um promissor médico psiquiatra. Apesar de David fazer questão de explicar para Louise, agora, sua secretária, que aquele beijo no bar foi um equívoco, em pouco tempo, os dois passam a ter um caso.
Em uma terrível sequência de erros, Louise acaba ficando amiga de Adele, que é a esposa do seu amante. Aos poucos, Louise vai sendo arrastada para a sinistra história do casal e desconfia que algo naquele casamento está muito, mas muito errado. A curiosidade faz com que ela decida descobrir qual mistério envolve David – por quem acabou se apaixonando - e Adele – a qual, apesar das circunstâncias, tornou-se muito amiga.
Imaginava um final diferente para um enredo que vinha me agradando demais, com mudanças e revelações surpreendentes ao longo da trama, mas o final absurdo, bizarro e ilógico não me agradou.
Mas não fique triste por isso; se você gosta de reviravoltas surreais, com certeza irá aprovar.
Até a próxima!

Nenhum comentário