The Eyes of Darkness e Astérix e a Transitálica: duas falsas previsões sobre a chegada do coronavírus


Este negócio de prever o futuro é uma loucura só! Você já parou pra pensar nas vezes em que as pessoas previram o futuro – por brincadeira, gozação ou então para criar um roteiro ficcional para um livro ou filme – e por incrível que pareça, acabaram acertando ou então, chegando perto?
Pois é, hoje eu estava em minha casa, curtindo uma quarentena por causa do tal coronavírus, pensando nesse assunto e cheguei a conclusão que muitos cinéfilos e escritores tornaram-se visionários assim, meio que sem querer. Aliás, cheguei a publicar uma lista sobre alguns livros que previram o futuro e acertaram (ver aqui). Hoje, volto a abordar esse tema, mas direcionando-o para essa terrível pandemia de coronavírus que estamos enfrentando. Optei por fazer uma abordagem mais desmistificadora do que visionária, tentando desnudar algumas coisinhas relacionadas a duas obras literárias que estão causando o maior furor depois dessa pandemia.
Muitas notícias foram disseminadas pelas redes sociais afirmando que os autores de dois livros – na realidade um livro e uma história em quadrinhos – previram, há muitos anos, a chegada do coronavirus em nossos tempos. Estou me referindo ao livro The Eyes of Darkness (Olhos das Trevas) e também a história em quadrinhos Astérix e a Transitálica, escritos respectivamente por Dean Koontz e pela dupla Jean Yves Ferri (texto) e Didier Conrad (ilustrações).
Estas duas publicações continuam sendo os assuntos de destaque nas redes sociais, causando um verdadeiro alvoroço e ganhando milhares de curtidas e comentários, sem contar a corrida dos leitores às livrarias na esperança de encontra-las. Tudo porque, elas ganharam o status de visionárias, ou seja, prenunciaram a chegada do coronavirus nos tempos atuais. Mas a realidade é bem diferente, e tanto os quadrinhos quanto livro não tem, nada de visionários e os seus autores não anteviram absolutamente nada. Vamos aos fatos.
Na HQs Astérix e a Transitálica, a famosa dupla Asterix e Obelix enfrentam o vilão Coronavírus na Itália, país que coincidentemente foi um dos mais afetado pela doença na Europa, com mais de 172.434 mil casos e  22.745 mortes, anunciadas até sábado (18). Na história que "antecipa" o coronavírus, os gauleses Asterix e Obelix estão em Roma quando é descoberto um escândalo de corrupção. Para desviar a atenção da opinião pública, um senador cria uma corrida de bigas da qual um dos competidores se chama Coronavírus.  Asterix e Obelix também participam da competição.
No fim das contas, os gauleses vencem a prova e Coronavírus mostra ser ninguém menos que o imperador Julius César tentando provar seu poder sem revelar a identidade.
Publicado em 2017 na França, o livro voltou à mídia em fevereiro, após o surto mundial do novo coronavírus, o COVID-19. Nas redes sociais, internautas espalharam a falsa informação de que o livro era de 1981 - e que, por isso, teria previsto a pandemia que atingiu o planeta. Afinal, até máscara o personagem usa.
Acontece que o coronavírus não é uma doença nova. Vale lembrar que o Ministério da Saúde já cansou de informar através dos meios de comunicação de massa que o COVID-19 (versão do coronavírus que teve os primeiros casos registrados na China no final de 2019) faz parte de uma família de vírus conhecida desde a década de 1960. Em 2012, uma epidemia de uma versão desse vírus fez com que o nome coronavírus ficasse conhecido novamente. Este fato, provavelmente deve ter inspirado os autores dessa história do Astérix de 2017.
É importante frisar, também, que as imagens de trechos da história só começaram a ser compartilhadas em fevereiro de 2020, quando a Itália passou a divulgar estatísticas depacientes com a doença no país.
Dessa forma chegamos à conclusão de que as imagens mostrando um vilão chamado Coronavírus nessa HQs de Asterix é real, mas só que... a edição foi publicada em 2017.
Quanto a The Eyes of Darkness (Olhos das Trevas), circulam pelas redes sociais imagens da capa do livro de Koontz, e alguns trechos atribuídos à obra. Uma legenda diz que o autor previu a ocorrência do novo coronavírus em Wuhan, na China. Gente, nada a ver.
O enredo criado pelo autor americano descreve uma arma biológica chamada Wuhan-400, desenvolvida em laboratórios localizados perto da cidade chinesa de Wuhan que foi considerada até há pouco tempo o epicentro original da atual pandemia.
OK, vamos explicar essa “teoria da conspiração”; e como meu saudoso e velho pai sempre dizia: “Vamos começar do começo”. O livro foi publicado pela primeira vez em 1981 e nesta edição do romance, o nome original da “arma perfeita” desenvolvida em laboratório era “Gorki-400”, referência a uma cidade russa, hoje chamada Níjni Novgorod. O nome mudou para Wuhan-400 no final dos anos 80, no contexto do fim da Guerra Fria (1947-1991)
Esta mudança de nome teria acontecido após a entrada de Mikhail Gorbachev no governo russo, em 1985, o que fez com que as relações daquele país com os Estados Unidos começassem a melhorar. Por isso, foi criada na obra The Eyes of Darkness um novo vilão. Tudo para não atrapalhar a política da boa vizinhança que começa a surgir entre Estados Unidos e União Soviética.
Tem mais galera. Ainda, de acordo com publicações que rolam em abundância pelas redes sociais, o livro traria a informação de que uma doença grave, que ataca os pulmões e resiste a qualquer tratamento, se espalhará pelo mundo por volta do ano 2020. Para aqueles que acreditam  piamente nesse argumento, sinto dizer que tal afirmação é uma baita mentira. Na realidade, o trecho sobre 2020 não aparece em nenhuma das versões da obra de Koontz.
Outra diferença latente entre a história de Koontz e a realidade é que na obra de ficção o Wuhan-400 é uma arma biológica, enquanto, pelo menos por enquanto, não há qualquer indício de que o novo coronavírus tenha surgido como tal.
Mas apesar dessas diferenças, com certeza, um grande número de pessoas ainda continuará acreditando nas falsas premonições desses destes autores.
Inté!

Nenhum comentário