Featured Slider

Contos Inacabados de Númenor e da Terra Média, de J.R.R. Tolkien, chega às livrarias brasileiras em 15 de julho


Os fãs de J.R.R. Tolkien estão em polvorosa. O motivo? Simples. O lançamento de mais um livro do autor; dessa vez Contos Inacabados de Númenor e da Terra Média. A obra chega com todo aquele esmero da Harper Collins que já se tornou uma marca registrada da editora: capa dura, páginas em papel de altíssima qualidade, além de um pôster.

Que vontade de reler "As Mil e Uma Noites"


Sabe quando bate, de repente, aquela vontade de reler determinado livro que você já teve em mãos e adorou? ‘Entonce’ essa tal vontade acabou de bater na porta da minha casa. Hoje, enquanto tomava o café da manhã, veio de uma hora para outra em minha cabeça os momentos especiais que o livro As Mil e Uma Noites me proporcionou há quase dez anos. Aliás, se pudesse existir mais de uma pedra fundamental, essa obra seria uma delas, já que foi uma das primeiras que adquiri tão logo comecei montar a minha estante. Prova disso é que As Mil e Uma Noites foi uma das primeiras resenhas que escrevi no blog em 2011.
Pois é, mas essa vontade chegou ‘rasgando’ e por isso, acho, que terei de atrasar ainda mais a minha lista de leitura que já está enorme. E diga-se de passagem, que ainda estou encarando o segundo Tomo de O Conde de Monte Cristo da editora Zahar com as suas mais de 1.300 páginas. Fazer o que, né?
Como já escrevi na resenha de As Mil e Uma Noites, desde criança, passando pela minha adolescência e agora na fase adulta, me encanto com essas histórias tão simples, mas ao mesmo tempo tão mágicas. Ainda me lembro que criança não perdia um filme sobre “Simbad – O Marujo”, “Ali Baba e os 40 Ladrões” ou então qualquer outro que tivesse tapetes voadores, califas, torres mágicas e marinheiros que navegassem por mares bravios.
Essa fissura não terminou quando me tornei – como diz um velho ditado – ‘um homem de calças compridas’, pelo contrário, continuei admirando esse tipo de literatura. Foi assim que há mais de dez anos, dei de cara na Net com uma edição luxuosa das As Mil e Uma Noites, publicada pela Ediouro, com direito a dois livros num box incrível, contando ainda com uma apresentação do grande Malba Tahan. Não pensei e tão pouco refleti... simplesmente, comprei e, correndo!
Hoje esses dois livros que formam um só, estão numa posição de destaque em minha humilde biblioteca. Esta edição é uma versão muito bem elaborada pelo orientalista Antoine Galland que ficou famoso por fazer a tradução para o francês dos famosos contos árabes e orientais em 1704.
Apesar de ter lido a obra há tanto tempo, não tem como esquecer das aventuras do califa Harun al-Rachid, Aladim, Ali Baba, do sultão Shahryar e tantos outros.
São contos de aventuras de cavalaria e guerra, histórias de amor e intriga de namorados, romances de viagens, lendas cheias de crueldades, cenas de zombaria, histórias de erudição e muito mais. Cara, me responda: como não se prender e consequentemente reler uma obra com todas essas características. E é, exatamente, o que irei fazer tão logo termine o calhamaço – que por sua vez, está maravilhoso – de O Conde de Monte Cristo.

10 livros que encontrei nas bibliotecas em minha adolescência e me fizeram viajar


Certo dia estava recordando minha época de leitor adolescente, quando eu era um verdadeiro rato de biblioteca. Foi uma recordação muito gostosa, tão gostosa que me prendi a ela e não queria mais soltá-la. Época em que saía da escola e me engolfava no meio daquele ‘mar’ de livros das bibliotecas municipal ou então da minha antiga escola ginasial. É claro que tinha os meus momentos para paquerar ou frequentar brincadeiras dançantes nos porões das casas dos meus amigos regadas ao som dos saudosos vitrolões; mas confesso que estar no meio daquele montão de ‘bebês’ era algo pra lá de especial.
Por isso, hoje resolvi compartilhar essa recordação com a galera, escrevendo um post com os dez livros que marcaram esse momento especial em minha vida. Dez livros que conheci nas biblioteca dos anos 70 em minha cidade e amei. Vamos a eles:

Juízo Final


Não gostei. Sinto dizer isso de um dos meus autores preferidos, mas achei o enredo de Juízo Final tosco, estranho, algo bem destoante daquele material de qualidade produzido por Sidney Sheldon, o qual que estou acostumado a ler. Juro que ao terminar o livro tive a impressão de que a obra havia sido escrita por um outro autor com características diferentes de Sheldon.
Juízo Final é uma mistureba danada de ficção científica, alienígenas, espionagem e para engrossar o caldo: um romance mal resolvido. Tudo isso somado a personagens centrais nada carismáticos.
Desculpem-me aqueles que leram o livro e gostaram, mas no meu caso, infelizmente não posso dizer o mesmo.
Juízo Final é dividido em duas partes. Na primeira, o personagem Robert Bellamy que trabalha para o serviço secreto americano tem como missão viajar para a Suíça e procurar por testemunhas da queda de um balão meteorológico que na realidade não é um balão, mas é algo completamente diferente e inusitado. 

George R.R. Martin pretende lançar novo livro da saga Games of Thrones em 2021

Um fã da saga criou uma provável capa da obra

Cara, êta dois livrinhos duros de sair! The Doors of Stone (Os Portões de Pedra) e “The Winds of Winter” (Os Ventos de Inverno) respectivamente de Patrick Rothfuss e George R.R. Martin. Sabem de uma coisa? Eles me lembram muito de uma novela da época em que os meus pais ainda eram vivos e na flor da juventude, chamada O Direito de Nascer. Neste folhetim, pelo que me contaram, tinha uma jovem grávida do noivo que não queria que o bebê nascesse, já que recusava o filho. Então, a pobre mulher acaba sendo obrigada a assumir a criança sozinha. O problema é o nascimento do bebê... demora horrores! Acho que mais da metade da novela. E toma capítulos, e toma capítulos e nada da criança vir ao mundo. Por isso mesmo, vocês não acham que os dois livros tem tudo a ver com essa novela?
Pois é galera, mas há poucos dias recebi uma notícia alentadora, não relacionada com as duas obras, mas apenas uma; tudo bem, mesmo assim não deixa de ser um fato a se comemorar. Parece que Martin saiu da hibernação e resolveu anunciar “Os Ventos do Inverno”, sexto livro da saga “As Crônicas de Gelo e Fogo” para 2021. Quanto a Rothfus, esqueça; o cara continua dormindo e tudo indica que pela falta de informações nas redes sociais brasileiras e estrangeiras, o sujeito ainda vai continuar dormindo por um bom tempo.