DVD: Devoção Verdadeira a D

Nenhum comentário

Acabei de ler DVD: Devoção Verdadeira a D do escritor paulista César Bravo, considerado na atualidade um dos grandes nomes da literatura de terror nacional. Li os seus três livros lançados pela DarkSide –Ultra Carnem, VHS: Verdadeiras Histórias de Sangue e DVD: Devoção Verdadeira a D – mais do que isso, li quase todas as suas obras em PDF - acredita nisso! Logo eu que detesto ler textos em pdf; mas como naquela época, antes de ficar conhecido em todo País, Bravo tinha me enviado alguns contos nesse formato, resolvi lê-los. Logo de cara, os primeiros parágrafos conseguiram pender a minha atenção e assim, acabei lendo muitos de seus textos virtuais.

As primeiras histórias escritas pelo autor, antes da fama, na minha opinião, são as melhores – talvez porque eu aprecie mais o gênero de terror sobrenatural ao psicológico ou terreno. Calafrios da Noite e Além da Carne:Contos Insanos são fantásticos. Bravo, aliás, utilizou essas obras como base para escrever o seu primeiro grande sucesso lançado pela DarkSide: Ultra Carnem. Ouça o que eu Digo e NavioNegreiro também arrebentam.

Ao criar o “Universo Três Rios”, na duologia VHS e DVD ele optou por explorar muito mais o plano terreno deixando um pouco de lado as histórias sobrenaturais. Por isso, talvez, aqueles que leram os contos escritos nos ‘primórdios’ de sua carreira literária, possam estranhar um pouco a mudança. Vejam bem, eu disse “estranhar” que é completamente diferente de “não gostar”, mesmo porque a maioria dos contos da duologia são muito bons, inclusive, alguns provocam calafrios, mesmo não tendo aquela pitada de sobrenatural.

Nestas duas obras, Bravo explora a maldade humana perto do limite, ou seja, até onde um ser humano é capaz de chegar movido pela ganância. Depois de ler VHS: Verdadeiras Histórias de Sangue e DVD: Devoção Verdadeira a D, com certeza, você irá exclamar: “OOO cidadezinha mardita!!!”. O fictício município paulista de Três Rios onde se desenrola o contexto das histórias dos dois livros tem uma aura de malignidade que, por sua vez, acaba se impregnando nos seus moradores. Por isso, não é apenas a cidade que pode ser chamada de maldita, mas os seus moradores também, porque as suas ações extrapolam todos os limites da razoabilidade. São atitudes nefastas, onde a maldade chega perto do seu ápice. Portanto, os leitores que forem encarar VHS e DVD devem preparar o seu psicológico porque irão encontrar situações pesadas vividas pelos moradores de Três Rios. Aliás, eu sempre disse em minhas resenhas e comentários que para ler os livros de Bravo você tem que desarmar todos os seus gatilhos e se despir de alguns paradigmas, caso contrário vai ficar difícil.

Cesar Bravo

A linguagem sem meias palavras, somada às situações limites vividas pelos seus personagens mexem com o psicológico dos leitores. Os textos são trucões, de fato. Estas características podem ser constatadas em todas as suas obras, incluindo VHS e DVD por dar ênfase ao lado obscuro da psique humana, onde muitas vezes está arraigada toda a maldade das pessoas. Taí, creio, que já deu para você entender porque Três Rios e os seus moradores podem ser chamados de malditos.

Agora, falando da obra em sí, os contos que mais me agradaram em DVD: Verdadeira a D foram: “Macaquinhos”, “Ballet Royale”, “O Homem da Terra”, “Lar Doce Lar”, “Devorac”, “Burnout” e “Gaiolas Abertas”.

Em “Macaquinhos” um homem vai se surpreendendo com as mudanças físicas e psicológicas de sua mulher sem desconfiar que essa metamorfose está relacionada com uma substância tóxica encontrada em Três Rios e que provoca alterações grotescas em seus moradores. Um dos poucos contos do livro que explora o sobrenatural.

“Ballet Royal” é bem pesado. Sete mulheres são sequestradas e mantidas em cativeiro onde sofrem as piores torturas físicas e psicológicas. As sequestradoras – sim, elas também são mulheres – tratam as vítimas com muita violência. As criminosas contam com a ajuda de sete pequenas criaturas vestidas de macacos e com os rostos cobertos por máscaras. O final do conto é surpreendente. Pegou-me de surpresa.

Bravo explora muito o ‘lance’ de pactos em seus contos, pactos que acabam causando muitas dores de cabeça, transtornos e problemas para aqueles que concordam em fazê-lo. Também não poderia ser diferente, já que aquele que propõe o selamento do pacto é ‘coisa ruim’ ou como queiram, o encardido. “O Homem da Terra” se enquadra nesse tipo de conto. Um sujeito pobre aceita fazer um acordo com o diabo para ficar rico. Nem preciso dizer que ele vai se dar muito mal.

“Lar Doce Lar” traz um casal de assaltantes que após sofrerem um acidente automobilístico após um roubo vão parar numa estranha cidade onde ficam reféns de dois matutos também muito estranhos. O homem consegue fugir, mas a sua parceira e amante não; ficando assim à mercê dos dois esquisitões que, aliás, são irmãos. Mas a vingança dela será terrível e coloca terrível nisso.

“Devorac” foi outro conto que gostei. Nele, vários idosos são brutalmente assassinados tendo os seus corpos desmembrados por alguma coisa desconhecida. As vítimas são encontradas perto de uma caverna abandonada. Um adolescente que é rejeitado pelo seu grupo de amigos decide, então, descobrir a origem da matança.

Cara, se você aprecia um churrasquinho de picanha fique longe de “Burnout”. À exemplo de “Zona de Abate: Matadouro 7” de VHS: Verdadeiras Histórias de Sangue, o conto “Burnout” também se passa – pelo menos na maior parte de seu contexto – no interior de um matadouro. PQP! Depois que você ler, com certeza irá sentir ojeriza do seu churrasquinho. Na história, um rapaz que trabalha no abate de animais desconfia que está sendo traído pela mulher e resolve se vingar.

E finalmente “Gaiolas Abertas”, outro que gostei. A história tem um certo ar de nostalgia. Um ex-policial muito idoso, chamado Milton Costalarga, que vive num asilo decide fugir para completar sua última missão: matar um vilão que escapou de suas mãos no passado quando ainda era um policial jovem e forte. Cara, me identifiquei muito com Costalarga e também torci muito por ele. O final me surpreendeu.

DVD: Devoção Verdadeira a D tem 20 contos e como disse nesta postagem, a maioria deles muito bons. Bravo constrói a narrativa de seu novo romance de horror fragmentado com base em registros orais, casos sinistros e uma porção de detalhes que rodeiam a vida dos moradores de Três Rios.

Não poderia deixar, também, de elogiar o projeto gráfico da DarkSide: caprichado ao máximo dando a DVD o status de obra de colecionador. O livro conta com mapas da fictícia Três Rios, além de recortes de jornais e fotos simulando reportagens e fatos que aconteceram com os seus moradores. O trabalho gráfico da editora é tão perfeito que ao vermos as reportagens e os mapas fica a impressão de que Três Rios realmente existe.

Fica agora a expectativa se as histórias macabras de Três Rios se resumirão a uma duologia ou quem sabe a uma trilogia. Tem gente torcendo, mas... vai depender de Bravo.

Inté!

 


Nenhum comentário