Ouça O Que Eu Digo

Apesar de até agora, as suas histórias só terem sido publicadas no formato ebook, César Bravo pode ser considerado a principal referência do terror gore ou splatter no Brasil. Muitas pessoas, por falta de conhecimento, consideram o gore um subgênero da literatura ou dos filmes de terror e na realidade não é bem assim. Vários textos e imagens que usam e abusam da escatologia chegaram a ganhar o status de Cult, tanto pelos críticos como pelos leitores; caso contrário, “Crash” (1973) de J.G Ballard e “Zombie – O Despertar dos Mortos Vivos” (1978) de George Romero seriam verdadeiros fracassos nas livrarias e no cinema; mas não foram. Os dois se grandes divisores de água na literatura e no cinema.
Mas apesar de nos últimos anos ter ganhado o reconhecimento de uma parte da crítica literária, o terror gore não é para qualquer leitor. Com certeza, muitos ainda não aceitam ou não conseguem ler narrativas com sangue em excesso, órgãos expostos e membros decepados. Por esse motivo, escrever gore é muito difícil, cara. Colocar um festival de escatologia no papel e ainda conseguir transformar essa carnificina numa história interessante e, principalmente, inteligente é uma missão quase impossível. Bravo é um dos poucos (no Brasil, o único que conheço) que consegue fazer isso. Um ponto a mais para ele é dar realismo aos seus enredos, onde quase todos os personagens são marginalizados, vivendo num submundo de exploração em nosso País. Com isso, a linguagem desses personagens também deve corresponder a sua realidade de vida. O resultado é simples:“Que droga” passa a dar lugar para “Que merda”; “Caramba!” é “Porra!”; “Que se dane!” sai, e entra “Que se foda!” e por aí afora.
Agora analise bem: escrever textos escatológicos já é complicado, imagine unir escatologia  com uma linguagem vulgar? O problema é que se você começar a poluir a sua história com tripas expostas, sangue e ainda por cima palavrões, caraca, não há mártir que agüente ler! O segredo é dosar tudo isso. Não abusar, e Bravo conseguiu esse equilíbrio, pelo menos nas histórias que eu li.
Falando escrevendo agora sobre o seu novo ebook “Ouça O Que Eu Digo”, não é o melhor do autor, mas também não decepciona. Na minha opinião, os seus melhores livros continuam sendo “Calafrios da Noite” e “Além da Carne: Contos Insanos” (este um verdadeiro clássico do gênero), mas “Ouça O Que Eu Digo” cumpre bem o seu papel, prova disso é que um cara (neste caso, eu) que não morre de amores por ebook (áudio-livro ainda curto, gosto de ouvir principalmente quando viajo de carro) leu a história em duas madrugadas, conseguindo vencer, numa boa, o sono. O problema foi dormir depois (rs).
Neste romance, Bravo deu uma preferência maior aos diálogos do que a narrativa – aliás essa é uma de suas características – e o fêz muito bem. Sempre admirei os escritores que sabem escrever  diálogos competentes porque fazer isso é uma arte. Conheço bons autores que são ótimos em narrativa, mas quando chega a hora de ‘colocar palavras na boca de seus personagens’ o desastre é total. No caso de Bravo, ele faz isso com a maior naturalidade sem deixar que esses diálogos se tornem artificiais.
Em seu novo romance, o autor optou por trabalhar com um número bem maior de personagens o que fez com que alguns ganhassem capítulos específicos. No decorrer da história, o contexto desses personagens, tratados individualmente, acaba se cruzando com o contexto de outros.
Alguns trechos do romance lembram um pouco “Trocas Macabras” e “It” – de Stephen King - principalmente aqueles relacionados ao vilão (ou vilões).
O mote de “Ouça O Que Eu Digo”, é o assassinato da filha de um pequeno proprietário rural pelas mãos de seu namorado. Antes de matá-la, o rapaz se encontra, casualmente, com um ser misterioso envolto em sombra que o incentiva a cometer o crime com extrema brutalidade, prometendo dar algo em troca. Depois desse acontecimento, o tal ser envolto em sombras vai incutindo idéias malévolas na cabeça dos moradores de uma pequena cidade brasileira chamada Nova Enoque (creio eu que fictícia). Lançada essa semente do mal, a cidade vira um inferno, um verdadeiro barril de pólvora.
O final é apoteótico e a reviravolta na trama, perto de seu final, com certeza irá surpreender os leitores.

Enfim, vale a leitura.

3 comentários

  1. Ainda ão li nenhuma obra do César Bravo, mas todas resenhas que li até agora foram positivas. Achei muito interessante esta história.

    bomlivro1811.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maurilei, se você curte o gênero terror "gore", César Bravo pode ser considerado referência no Brasil. Suas histórias, de fato, prendem o leitor.

      Excluir
    2. Li ano passado Livros de Sangue 3 do Clive Barker e gostei muito. E como alguns dizem que o César Bravo é semelhante ao Clive, provavelmente irei gostar sim !

      bomlivro1811.blogspot.com.br

      Excluir