Maria, A Maior Educadora da História


Não tenho o livro, mas li. Peguei emprestado da biblioteca municipal de minha cidade. Como a biblioteca funciona num anexo da Prefeitura, fui até lá realizar uma entrevista com um secretário de Estado que estava visitando Pirajuí. Após a entrevista, resolvi dar uma “esticadinha” até a biblioteca para “zapear” as suas estantes. Foi quando a bibliotecária, sem mais nem menos, me perguntou se eu já havia lido “Maria, A Maior Educadora da História”, livro que por sinal, ela estava lendo naquele momento. Ao responder que não, a bibliotecária sugeriu que eu lesse, deixando um certo “que” no ar do tipo: “Pô, você tem um blog literário e ainda não leu essa obra?!”
Aceitei a sugestão, mesmo porque sou um grande fã de Augusto Cury, mesmo fugindo de livros de autoajuda. Quando ele escreve temas relacionados a psicologia, deixando de lado as muletas da autoajuda, Cury pode ser considerado um dos maiores autores do mundo. Como já havia lido e adorado a coleção “Análise da Inteligência de Cristo”, apanhei o livro proposto pela ‘Dona Ivone’: a bibliotecária  e... não me arrependi.

“Maria, A Maior Educadora da História” é uma obra fascinante. Cury descreve qual foi a psicologia adotada por Maria para educar a criança mais inteligente que pisou no planeta Terra: o Menino Jesus. Numa linguagem fluida e envolvente, o escritor que também é psicólogo e psiquiatra analisa a mente brilhante de uma mulher simples e doce, mas de uma grande personalidade que foi capaz de ensinar importantes lições de vida para um menino que um dia se tornaria o homem que mudaria a história da humanidade. Um dos métodos utilizados por Maria de Nazaré era o de instigar a dúvida, para que o Menino Jesus encontrasse em si mesmo a resposta para as adversidades que formariam seu caráter e personalidade.
O enredo de “Maria, A Maior Educadora da História” não tem nada de autoajuda, longe disso. O livro é uma análise psicológica sobre Maria. Cury utilizou a mesma metodologia aplicada em sua famosa coleção: “Análise da Inteligência de Cristo”. Partindo do ponto de vista da psicologia, psiquiatria e pedagogia; ele analisa a personalidade de Maria e em especial os dez princípios que ela utilizou na educação do menino Jesus. É importante esclarecer, ainda, que não se trata de uma análise católica ou protestante, mas cientificamente investigativa.
Neste livro, é esclarecido o quão importante Maria, mãe de Jesus, foi para a formação do homem que dividiu a história, Jesus Cristo.
Ela tornou-se a mulher mais famosa da História. A única exaltada em dois livros sagrados, a Bíblia e o Alcorão. Entretanto, sua personalidade continua sendo uma das mais desconhecidas.
Um livro incrível, o qual não poderia deixar de recomendar.

Nenhum comentário