Lady Killers – Assassinas em Série


Falar do layout dos livros da Darkside é chover no molhado. Todos nós já sabemos do esmero com que a editora trata dos seus “bebês”. Prova disso é “Lady Killers – Assassinas em Série”, seu mais recente lançamento. Capa dura com detalhes em rosa, branco e preto; páginas com lombadas laterais e centrais em preto; trechos importantes do texto grifados em rosa, como se a autora Tori Telfer estivesse com uma caneta de ponta porosa nas mãos destacando as partes do enredo que ela julgasse fundamentais; ilustrações com detalhes artesanais e mais isso e aquilo que dão a obra um ar todo vintage. Um autêntico e imperdível lançamento de colecionador. Definitivamente, amei!
Mas chega. Não vou perder tempo escrevendo sobre algo que o leitor já tem certeza que irá encontrar nos lançamentos da caveirinha. Quero abordar o conteúdo de “Lady Killers – Assassinas em Série”. E o conteúdo, também segue as mesmas diretrizes do visual do livro, ou seja, perfeito.
Telfer caprichou. Acredito que ela gastou muito tempo em suas pesquisas para montar o seu enredo. Escrever sobre assassinas em série, de um modo geral, já é difícil devido a falta de material  sobre o assunto, o que não acontece quando tema diz respeito à assassinos. Por algum motivo, o material sobre homens que matam em série é muito mais amplo do que aqueles que se referem sobre o mesmo tema, mas tendo o sexo oposto sob os holofotes.
Pois é, a autora foi mais além, indo ‘buscar’ referencias de assassinas em série do passado, algumas de um passado bem distante, do tipo séculos XVII e até mesmo XVI ou XV. ‘Cê’ pensa que é fácil?! Ok, então, vamos lá. Tente encontrar alguma coisa sobre mulheres que se enquadrem no perfil de serial killers dessas épocas? Cara, é muito difícil. Telfer conseguiu traçar o perfil psicológico de 14 serial killers de diversas épocas distantes, quando o Brasil nem sequer ainda era Brasil. Numa escrita fluida e dinâmica – sem nenhuma enrolação – o leitor fica sabendo tudo sobre a infância, juventude e velhice dessas mulheres, além dos traumas responsáveis pela modificação dos seus caracteres. 
Apesar da maioria dos casos tratar de serial killers que utilizavam veneno em seus crimes, a leitura não cai na ‘mesmice’, pois cada criminosa tinha o seu modus operandi de agir.
Telfer narra os casos de uma maneira leve e até mesmo brincalhona, mas sempre centrada na realidade, de mulheres psicopatas que faziam coisas inacreditáveis em suas épocas. Uma frustração na cama com o amante ou então um fora do namorado já era motivo para a ‘vítima’ planejar a morte do infeliz. Um detalhe curioso abordado pela autora é como a aparência física dessas mulheres interferiram, algumas vezes, em seus julgamentos.
Os casos mais violentos e que chamaram a minha atenção foram aqueles envolvendo Elizabeth Bathory, a condessa sangrenta, que tinha o hábito de banhar-se, numa banheira, com o sangue de suas vítimas; Lizzie Halliday, considerada a pior mulher do mundo, leiam e vocês saberão o porquê desse apelido, arghhhhh; Mary Ann Cotton, que ganhou o apelido, diga-se merecido, de ‘mulher maldita’, que fez um festival de ‘maridos e amantes cadáveres’, matando-os de uma maneira torpe, cruel e sem piedade; e por fim, Darya Nikolayevna Saltykova, a ‘atormentadora’,vichiii, arrepiei-me com as maldades dessa russa; Deus me livre. Além dessas ‘beldades’ que prenderam a minha atenção, as outras ‘meninas’ descritas por Telfer, de fato, provocam calafrios; calafrios do tipo: jamais quero ficar um segundo, sequer, ao lado dessa ‘diaba’.
O livro traz ainda, resumidamente, uma galeria de outras 14 assassinas em série contemporâneas, entre as quais: Aileen Wuornos que foi glamourizada no filme “Monster” (2003) com Charlize Theron e Christina Ricci. E por falar em filmes, “Lady Killers – Assassinas em Série” também tem um capítulo específico sobre filmes e series de TV famosos sobre a vida de várias serial killers abordadas na obra.
Enfim, um livraço que não pode faltar em sua biblioteca.


2 comentários

  1. Ótima Resenha, Pretendo adquirir em breve!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Luis,
      Feliz que tenha gostado da resenha. Evitei, ao máximo, revelar spoilers (rss).
      Com certeza irá gostar do livro
      Abraços!

      Excluir