Angústia na cidade do caos – Crônicas de uma era indecente


Pretendia abordar este assunto já há algum tempo, mas agora após ter lido “Angústia na Cidade do Caos – Crônicas de uma era indecente” de Lennon Lima, o tal assunto veio a calhar. Aliás, ele já estava ‘calhando’ desde outras leituras como “As Crônicas de Miramar - O Segredo do Camafeu de Prata” e “A Liga dos Corações Puros – A Chama”.
O negócio é o seguinte, aqueles que respiram, vivem, dormem e acordam literatura brasileira, sabem da dificuldade dos novos autores no momento de lançar o seu primeiro livro.
O cara, mesmo sendo bom e encaçapando outros escritores conhecidos, peleja demais para lançar a sua obra inicial. Muitas vezes, ele acaba sendo obrigado a pagar pela tiragem da obra. Dói no coração porque os caras são competentes e suas histórias incrivelmente boas, mas muitos editores FDP que mal sabem interpretar um texto, preferem ignorar essa galera e continuar cedendo espaço para uma cambada de gringos e seus enredos água com açúcar que quase sempre vendem  milhares de exemplares por causa do alto investimento em marketing.
Onde quero chegar? Ok, vou pular algumas etapas e sem enrolação já digo: “Apesar do mercado literário brasileiro protecionista que vivemos, a maioria dos jovens escritores insistem em lançar, logo de cara, uma trilogia”. Mas o pior ainda está por vir; ‘sente’ só: “Após o primeiro volume dessa trilogia ter sido lançado com muita luta, ele acaba fisgando um grande número de leitores. Culpa do seu enredo excelente e dos personagens muito bem construídos. Tudo isso, faz com que a história seja devorada com avidez, mas então, começam chegar as perguntas dos leitores: “Cadê o segundo volume?”, “Caraca, como está demorando!”, “Não vejo a hora de ler a sequência do livro ‘tal’ para saber o que aconteceu com Beltrano ou Ciclano”, e por aí vão as indagações.
Enquanto isto, o heróico escritor está com o texto de sua trilogia complrta guardadinho no HD de seu computador ou notebook, mas não consegue publicá-lo porque o editor que lançou o seu primeiro livro só pensa em ganhar dinheiro e já avisa que para dar continuidade a trilogia, ‘só pagando’. Existe ainda os grandes editores - verdadeiros tubarões -  que tem receio de colocar no mercado, logo de cara, uma trilogia de um escritor novato. Ah! Detalhe: não importa se essa trilogia é uma verdadeira joia rara porque o tal grande editor – como já disse – mal sabe interpretar um texto.
Lennon Lima
Entenderam? Foi por tudo isso que que odiei o final de “Angustia na Cidade do Caos – Crônicas de uma era indencente”. O livro de Lennon é fantástico, mas... PQP!!!! É uma trilogia!!!!! Além do mais, o autor castigou os leitores no “The End”, dando um verdadeiro golpe baixo. Tipo: “Tô passando essa trufa na sua cara, mas é apenas para você cheirá-la e não prova-la.”
Devorei o livro em menos de dois dias, então chega aquele final que estou desconjurando até agora. Juro que tive vontade de tacar o livro na parede ao mesmo tempo que cuspia e vomitava os mais pesados impropérios.
Cara, estou rezando pra todos os santos para que o editor ou editores da Multifoco não se enquadrem no perfil dos ‘profissionais’ que descrevi no início dessa postagem. Que eles ou elas, tanto faz, sejam pessoas ponderadas e inteligentes e sintam o verdadeiro filão que tem em mãos.
Continuo ainda rezando para todos os santos e santas, para que Flávio St. Jayme, Wemerson Damasio e César Dabus consigam publicar a sequência de suas sagas.
Com relação a “Angústia na Cidade do Caos – Crônicas de uma era indecente”, o autor trabalha com dois plots. Primeiro: Um homem que acorda em um lugar que não conhece, rodeado por pessoas que também não conhece e... quer mais? O pobre coitado sequer tem noção de quem seja. Resumindo: está completamente perdido e desorientado, pois ele mesmo ignora a própria identidade, a sua origem, quem o colocou ali e com qual propósito. E pra variar percebe ser portador de um estranho poder. O personagem passa, então, a dedicar o seu tempo atrás dessas respostas. Segundo: Dois irmãos que lutam pelo controle do tráfico de drogas na favela Coronel Rodrigues localizada na tal “Cidade do Caos” do título do livro. Zumbi e JB lideravam a mesma facção criminosa, mas após as crueldades insanas praticadas pelo segundo, o seu irmão decidiu cair fora e formar o seu próprio grupo. A partir daí os dois viraram inimigos mortais.
Lennon apresenta aos leitores, os dramas e angustias dos vários personagens que vivem na cidade sob o jugo cruel de JB, entre eles: Sebastião, Rosa, Juliana, dona Glória – mãe dos dois irmãos desafetos – e principalmente de Igor que escreve uma carta antológica narrando todo o seu drama, ou seja, como perdeu tudo o que tinha, até o seu amor próprio, após enveredar-se pelo mundo das drogas.
O protagonista, sem memória, de “Angústia na Cidade do Caos” acaba sendo inserido nesse ambiente violento e com regras próprias, onde tenta desesperadamente descobrir quem é, além da origem do seu insólito poder.
Agora, só resta torcer para a chegada do segundo e terceiro volumes dessa trilogia.
Vamos ver... vamos aguardar.
Detalhes Técnicos:
Autor: Lennon Lima
Editora: Multifoco
Tipo: Brochura
Páginas: 348

Um comentário

  1. Oi José. Realmente é uma tristeza para nós, autores, conseguir publicar. É exatamente isso que você falou: temos que bancar a publicação e para continuar, só pagando, e muitas vezes, um valor menor. Sobre a questão da trilogia, ainda adicionaria mais um ponto: é mais fácil para o leitor que nunca ouviu falar na gente comprar um livro mais fino (e portanto mais barato) mesmo que ele seja somente uma primeira parte, do que desembolsar mais e comprar um livrão grosso que conte a história completa de uma vez só. Mais uma vez parabéns pelo site e pelos excelentes comentários. Esperamos poder, em breve, publicar a segunda parte de nosso As Crônicas de Miramar. E sim, continuamos sendo ignorados pelas editoras brasileiras :(

    ResponderExcluir