O Diário de Suzana para Nicolas

3 comentários

Se você adorou os filmes “Uma janela para o céu” e “Love Story” e ainda teve tempo de amar o livro “Diário de uma paixão” com certeza irá endeusar O Diário de Suzana para Nicolas. O motivo é que essas histórias tem algo em comum e esse comum se resume a um lencinho molhado de lágrimas. Dependendo da sensibilidade do leitor, talvez apenas um lencinho não será suficiente para enxugar as lágrimas derramadas.

Ainda me lembro quando fui ao cinema para ver “Uma janela para o céu” com Beau Bridges e Marilyn Hassett. Eu tinha 14 anos, na época, e assisti ao filme com um grupo de amigos e confesso que chorei no final. Acho que o cinema inteiro chorou porque o “The End” foi muito trucão. Recordo ainda ter visto algumas mulheres saindo da sala de exibição, sem conseguir segurar as lágrimas. Cinco anos antes - no auge da minha infância - já tinha pingado algumas lágrimas com os personagens de Ryan O’Neal e Ali MacGraw em “Love Story”. Aliás, quem não se recorda da famosa frase “Amar é nunca precisar pedir perdão” dita por aquela atriz bem magrinha e com cara de menina sapeca que três anos após filme, em 1973, viria se tornar a Srª McQueen? Pois é, frase fodástica que partiu corações de muitas pessoas naquela época.

Quando o coração do menino chorão, aqui, dava indícios de ter sido domado, eis que cruza o seu caminho um casal ‘carga pesada’ chamado Noah e Allie de Diário de Uma Paixão. Neste caso, não chorei, mas dei uma baqueada. Achei o final do livro mais emocionante e mais poético do que o filme.

Portanto, como me tornei fã desses enredos há muitos anos atrás, não pensei duas vezes em comprar a obra de James Patterson que encontrei num sebo virtual. Sem contar que gosto muito de livros do gênero. Foi assim que O Diário de Suzana para Nicolas veio parar em minhas mãos.

Posso garantir que a história escrita por Patterson é muito legal, muito... fofa. Pronto falei: fofa; sei que esse é um termo marca registrada de blogueiras e não de blogueiros, mas acontece que não encontro uma definição melhor para um livro tão gostoso de se ler e também tão gostoso para se emocionar.

Li as 222 páginas num dia só. Comecei às 7 da manhã de um sábado e terminei por volta das 15 horas. Antes de ler, pensei que seria algo bem clichê, mas mesmo assim, pensei comigo: para quem assistiu “Love Story” e gostou, uma leitura clichê não seria problema algum. Mas o livro de Patterson é muito bem elaborado, com reviravoltas que chocam os leitores e outras que emocionam. Não tem nada de clichê. A linha narrativa consegue manter, sem enrolação, o suspense de um segredo incrível que só é revelado nas páginas finais.

Enquanto lia a história não parava de perguntar porque Matt havia traído Suzana com Katie. Cheguei a odiar o sujeito e acha-lo a pessoa mais sem caráter do mundo; então vem a reviravolta inteligentemente engendrada pelo autor e que derruba o nosso queixo. Putz! Não esperava aquilo não. Cara, que choque! Confesso que fiquei baqueado e com os olhos um pouquinho molhados. ÔOOO lágrimas bandidas!! PQP!!

Em “O Diário de Suzana para Nicolas”, Patterson conta a história do poeta Matt Harrison que acaba de romper o seu relacionamento com Katie Wilkinson, uma jovem editora que não tinha qualquer dúvida quanto ao amor que os unia. Por isso, ela não consegue entender como um relacionamento tão perfeito pôde acabar tão de repente.

No dia seguinte ao rompimento, Katie encontra um pacote deixado por Matt na porta de sua casa. Dentro dele, um pequeno volume encadernado traz na capa cinco palavras, escritas com uma caligrafia que ela não reconhece: “Diário de Suzana para Nicolas”

Ao folhear aquelas páginas, Katie logo descobre que Suzana é uma jovem médica que, depois de sofrer um enfarto, decidiu deixar para trás a correria da cidade grande e se mudar para um lugar tranquilo onde acaba conhecendo Matt e se apaixonando. É neste lugar tranquilo que nasce o filho deles, Nicolas.

Ao tomar conhecimento disso, várias dúvidas começam a povoar a mente de Katie, sendo a principal: ‘Por que Matt teria lhe deixado aquele diário?’

Confusa e sofrendo com o fim do relacionamento, é nas palavras de outra mulher que Katie encontrará as respostas para esse enigma.

Recomendo muito!

 

 

3 comentários

  1. Adorei a resenha! Adorei o "fofo"! hahaha
    A verdade é que não é fácil encontrar livros desse gênero que sejam realmente bons... pelo menos não atualmente. Faz muito tempo que não leio algo assim, que seja simplesmente tranquilo e sensível.
    Ultimamente o "fofo" tem dado lugar à "pouca vergonha" (como diria minha avó).
    E fiquei surpresa por ser desse autor!
    Enfim, vou procurar esse livro!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Samantha,
      O "fofo" foi o termo mais próximo que encontrei para definir esse livro. Acredita?! Hahahaha E realmente é uma graça de obra.
      Procure ler, sim. Acredito que irá gostar muito. Não sei se você já leu, mas mesmo assim, vou lhe outra dica de livro do gênero muuuuito bom: "O Diário de Uma Paixão" do Nicholas Sparks. Como disse na postagem, o final da enredo escrito é muito diferente do filme e... melhor, na minha opinião.
      Torço para que encontre "O Diário de Suzana para Nicholas".
      Abraços!

      Excluir
  2. Tentarei sim encontrar!
    E realmente nunca li o livro do Nicholas Sparks, só vi o filme... mas adoro essas diferenças entre o livro e o filme. A meu ver, fazem com que a experiência do livro seja sempre melhor!
    Como é o caso também de "O conde de Monte Cristo", de outra resenha! Um dos meus livros favoritos!
    Inté!!

    ResponderExcluir