Incidente em Antares

Nenhum comentário

Há livros que podemos ler várias vezes e mesmo assim, queremos ler outras várias vezes. Os seus enredos nos prendem de uma tal maneira que seis meses ou um ano após termos lido, queremos lê-los novamente. Sei lá, é como se tivéssemos um vício, mas um vício salutar. Incidente em Antares escrito em 1971 por Érico Veríssimo é um deles.

Lí a obra, pela primeira vez, na década de 90, bem antes da minissérie global homônina, dirigida por Paulo José, que foi adaptada do texto de Veríssimo. Tanto livro quanto minissérie marcaram a minha fase dos trinta e poucos anos.

Como gostei muito da história, fiquei eufórico quando soube que as suas páginas seriam adaptadas para a telinha, tendo ainda a talentosa Fernanda Montenegro num dos papéis principais. Não perdi nenhum dos 12 capítulos de Incidente em Antares. Minissérie e livro são fantásticos!

O livro é um romance, portanto uma história de ficção, no estilo modernista, mas Veríssimo utilizou um truque de linguagem muito inteligente onde simula transcrições de falsos autores, entre os quais um padre e um jornalista gaúcho. Em determinado ponto do enredo, esses personagens se tornam narradores, jurando que viveram a experiência fantástica contada pelo autor que teria acontecido na fictícia cidade gaúcha de Antares.

A obra de Veríssimo é dividida em duas partes. Na primeira, o autor nos apresenta duas famílias gaúchas rivais: os Campolargo e os Vacariano. Mediante o surgimento de uma “ameaça comunista”, as duas famílias resolvem se unir. A tal da ameaça comunista nada mais é do que o crescimento da classe operária que se une e começa a exigir os seus direitos. Dentro desse clima o autor simula a transcrição de trechos de jornais dando a entender que os fatos fictícios realmente aconteceram.

Cena da minissérie global da década de 90 baseada no livro de Veríssimo
O “Incidente” do título da obra se refere a segunda parte do romance quando os coveiros de Antares decidem entrar em greve por melhores salários e condições de serviço. E no exato momento em que deflagram a greve o que é que acontece?? Simplesmente, morrem sete pessoas, incluindo a matriarca dos Campolargo. Os coveiros se negam a fazer o enterro e se aproveitam da situação para pressionar os seus patrões.

Os mortos, então, adquirem "vida" e saem das suas covas, passando a vasculhar a vida dos parentes e amigos, descobrindo, toda a podridão da sociedade. A grande sacada do autor foi deixar claro que por serem cadáveres, os ‘insepultos’ estão livres de sofrerem pressões, ameaças e chantagens por parte da sociedade que, por sua vez, tem a sua máscara derrubada. Se aproveitando disso, os cadáveres passam a criticar de maneira violenta os pseudo moralistas de Antares. É onde começam a aparecer as histórias “cabeludas”.

Comandados pela matriarca dos Campolargo, Dona Quitéria, os cadáveres arquitetam um plano para conseguir seus enterros.

O livro é repleto de informações históricas e culturais dos séculos XVIII, XIX e XX do Brasil. Enganam-se aqueles que pensam que a estrutura narrativa de Incidente em Antares se apoia unicamente na comicidade. Nada disso. Por trás de todo o seu humor, Veríssimo apresenta aos seus leitores um retrato da falta de liberdade, inclusive de expressão, no triste período da Ditadura Militar no Brasil.

Enfim, um livraço que certamente estarei relendo muitas outras vezes.

Nenhum comentário