Márcio ABC lança seu sexto livro: “Delação”


Márcio ABC - um jornalista e escritor que já conheço há um bom “par de anos”, pois estudamos juntos e também defendemos a nossa tese de graduação juntos - estará lançando no dia 16 de maio, em Bauru, o seu sexto livro: "Delação". Se eu tivesse uma lista, daquelas que eu pudesse rotular com a frase "Esse é o cara", Márcio ABC seria um deles. O camarada escreve muito.
Todos aqueles que acompanham a fanpage do "Livros e Opinião" sabem que eu, mais do que ninguém, perco o controle da alegria quando surge um escritor talentoso em nosso País.
Foi assim, por exemplo, com o César Bravo, quando o cara conseguiu lançar um livraço de terror (Ultra Carnem) pela Darkside, uma das editoras brasileiras mais respeitadas do momento. Foi assim com Flávio St James e Wemerson Damásio que publicaram, depois de muita luta, "As Crônicas de Miramar" - Uhauuu! Que livro!. Foi assim com Lennon Lima que me estonteou (no bom sentido) com "Angustia na Cidade do Caos". Foi assim... foi assim... e foi assim com tantos outros talentos. E há pouco tempo, voltou a ser assim com Márcio ABC. O cara é muito bom; bom, de fato. Seguindo o mesmo caminho do Bravo - um dos nomes mais respeitados do terror nacional, pelo menos para mim - mas optando por um gênero diferente, Márcio ABC "a cada dia" vem surpreendendo. Os seus enredos são fantásticos e exploram o cotidiano, hábitos, crenças e manias do povo brasileiro de várias regiões do nosso imenso Brasilzão. Pode ser metrópole, agreste ou sertão, qualquer cenário serve para render uma boa história, como também qualquer personagem – seja ele executivo, colono, mocinho ou bandido.
“Delação”, seu sexto romance, expõe uma das feridas humanas que mais latejam sem
Márcio Antonio Blanco Cava (Marcio ABC)
que possa ser efetivamente curada, pois está aberta em um núcleo muitas vezes impenetrável: a própria família. A narrativa é inspirada numa história real descoberta por acaso pelo autor num momento de intimidade com uma de suas protagonistas verdadeiras. Como ele mesmo diz: “Uma história que eu decidi, por muito tempo, apagar da minha mente”. Ao deixar transparecer essas poucas palavras, ABC para, reflete e com o olhar distante como se estivesse em dúvida se revela algo ou não, decide completar a frase anterior: “De fato, os acontecimentos que me foram narrados em cima da cama permaneceram adormecidos, mas, como se sabe, tudo que é falado vale para sempre. Não tem volta, não se pode simplesmente apagar”.
Ele complementa afirmando que três décadas depois, resolveu revisitar essa história dolorosa, situada em meio aos reflexos da escandalosa política nacional.
Entonce, é dessa forma que nasceu “Delação” que ABC lança pela editora Kazuá. A narração é conduzida por um jovem cineasta que refaz os passos da época em que foi asfixiado pelo obscuro cotidiano familiar, quando o abuso que vitimava os três irmãos vinha de onde não se podia imaginar. Já adulto, o narrador busca exorcizar os fantasmas que tanto assombraram a infância.
O autor nasceu em Cafelândia, interior de São Paulo, e estreou na literatura com "Parabala", em 2002. Na sequência, publicou "Desrumo" (2010), "Pater" (2012), "Na Pele dos Meninos" (2014) e "Estado Bruto" (2018).
“Delação” foi lançado em São Paulo no dia 11 de maio e agora, será a vez de Bauru acolher o lançamento da obra no dia 16 do corrente mês, as 20h00 no Templo Bar Ambiente.
Uma pena que não poderei ir, mas é evidente que não deixarei de ler a obra, como fiz com as anteriores.
Inté!

Nenhum comentário