Contos originais de Conan são lançados em três livros luxuosos pela editora Pipoca & Nanquim! E eu aqui, morgando, pode?!

Tenho um colega, o Nilton, vidrado no personagem Conan criado por Robert E. Howard. Vidrado não; acho que que expert seria o termo mais correto, o que não elimina o vidrado, porque o cara jamais admite que arranhem a imagem do famoso Cimério com meias verdades. Se, por acaso, isso acontecer, o Niltão deixa de ter um metro e meia de altura e cresce em cima do difamador.
Pois é, e eu fui um desses difamadores que inadvertidamente arrisquei uma opinião e quase fui ‘esmagado’ pelo valoroso “guerreiro” de Conan. Certo dia, o menino, aqui, juntamente com Lulu, estava na casa desse meu amigo quando vi em sua estante, a qual apelidei de “Estante Coniana” – já que a maioria dos seus ‘produtos’ tem a marca Conan – uma edição em capa dura de “A Espada Selvagem de Conan”, chic no urtimo e no urtimo grau, da editora Panini. O assunto começou rolar e de repente, o Nilton me perguntou se eu gostava de Conan.
– Gosto mais dos filmes; não sou muito fã dos quadrinhos – respondi, já vendo a fisionomia do Niltão ir se alterando. – Mas se Conan não fosse um personagem típico dos quadrinhos, com certeza, iria gostar demais de suas aventuras. – Com essas palavras, a expressão do Niltão sofreu uma transformação ainda mais violenta.
- Sabe, gostei muito de histórias em quadrinhos, na realidade amei, mas hoje, prefiro os livros. – disse, tentando contemporizar, sem mentir, já que fui uma ardoroso leitor de quadrinhos na minha infância e pré-adolescencia.
Entonce, paguei pela minha ignorância no ‘assunto Conan’. Naquele momento vi o Niltão se transformar no próprio Cimério envergando a sua espada na mão e pronto para me decapitar por causa da minha insolência. – Paaaaara com isso meeeeeuuuu!!!!! – berrou o “Cimério magrelo” de um metro e meio. – Conan não é um personagem de quadrinhos! Ele nasceu das pulps; os quadrinhos só vieram depois!
Então foi assim, que descobri – correndo um baita risco de vida – que Conan “O Bárbaro” ou “O Cimério”, tanto faz, não foi um personagem originário dos quadrinhos e por isso, certamente, deveriam existir livros ou textos sobre o personagem.
Gostaria de explicar que acabei ficando fã de Conan após assistir aos seus filmes durante as saudosas sessões de VHS na sala de casa. Achava as suas histórias tão incríveis que antes de começar os filmes fica de olho nos letreiros, ansioso para descobrir se as histórias de 1982 e 1984, vividas por Arnold Schwarzenegger no auge dos seus músculos, eram baseadas em algum livro. Quando descobri, erroneamente, que os filmes eram originários dos HQs, suspendi as minhas buscas, quero dizer... até o mês passado na casa do Niltão.
Desde então, as minhas buscas recomeçaram, foi assim que vi no Instagram, através do Ig literário Prometheus Pós Moderno (@prometheus_pos_moderno), informações importantes sobre uma coleção luxuosa de três livros do personagem lançada pela editora Pipoca & Nanquim. Entrei em contato com o responsável pelo Ig que me forneceu outros dados complementares. Então exclamei: “Achei o meu ouro!!”
Cara, que luxo!! Os editores da Pipoca e Nanquim capricharam no limite. São três livros, lançados em 2017, 2018 e 2019.
– PQP! A coleção nasceu em 2017 e eu, aqui, morgando!
A coleção contém na íntegra todas as aventuras de Conan, seguindo a ordem que foram publicadas, originalmente, na icônica revista pulp Weird Tales no período de 1932 a 1936.
Os três livros são todos em capa dura com acabamento de luxo, contendo ainda sobrecapa de acetato, ilustrações de artistas como Mark Schultz e Gary Gianni, acompanhando todas as aberturas e encerramentos de capítulos dos contos; artes de páginas inteiras ilustrando os momentos mais importantes da saga de Conan; abertura de todos os contos com um ‘espelho’ das clássicas capas da revista pulp Weird Tales, onde eles foram publicados originalmente; diversos extras e como já disse, pela primeira vez no Brasil, as capas originais de Frank Frazetta.
As obras incluem ainda, marcador de páginas no formato de espada e folha de guarda com o mapa original da Era Hiboriana onde Conan viveu.
Cara, depois dessa descoberta, adivinhe o que fiz?
Estabeleci a meta de comprar um volume por mês, juntamente com outros livros que fazem parte das minhas aquisições futuras. Se Deus quiser, até o fim de março estarei com os três luxuosos livros de Conan da editora Pipoca e Nanquim bombando na minha estante.
Inté!

2 comentários

  1. Parabéns pela matéria. Está ótima. Obrigado pela situação do meu ig também . Boa sorte nas compras dos livros.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Carlos!
      Me interessei pela compra quando vi a coleção em seu ig.
      Abcs!

      Excluir