Jantar Secreto


Pelas obras desses dois autores que eu já tive oportunidade de ler, posso dizer que o Brasil já possui as suas referências em dois gêneros literários. No terror, cito César Bravo que começou publicando suas histórias na internet e hoje está numa das maiores editoras do País, a Darkside, após ter o seu talento merecidamente reconhecido. No gênero Suspense/Policial, Raphael Montes domina com toda a tranquilidade, tanto é que apesar de ainda jovem (29 anos), seu nome é citado com frequência por grandes escritores consagrados no exterior.
Resolvi ler Jantar Secreto, após ter tomado conhecimento de um grande número de críticas favoráveis à obra nas redes sociais. Adorei. Livraço. Montes mescla com maestria cenas tensas e algumas vezes violentas com humor, mas não um humor chinfrim ou comum; o humor de Jantar Secreto é ácido, mas muito engraçado. E é esse tipo de humor que contrabalança os trechos ‘trucões’ do romance; e bota ‘trucões’ nisso.
Para ‘digerir’ algumas passagens – como por exemplo a do matadouro, da motosserra, da preparação dos jantares macabros, além de outras, mas principalmente as cenas envolvendo o matadouro – é preciso ter estômago forte, e por isso, se não houvesse um certo equilíbrio, a história se tornaria por demais violenta e de difícil digestão.
Personagens como Cora Coralina, Leitão e mais para o final do livro, Soninha Klein, Albertina, Kiki e o político corrupto Ataíde – no impagável trecho envolvendo o último jantar de ‘carne de gaivota’ – funcionam como temperos atenuantes para os momentos mais violentos e tensos do enredo.
Por exemplo, o último jantar secreto do livro, já nos capítulos finais, é uma digna cena do cineasta Quentin Tarantino em seus melhores dias. Achei fantástico. Neste capítulo, o leitor é surpreendido com cenas pesadas – como já disse para aqueles que tem estômago forte – mas na sequência, temos trechos deliciosamente hilários, transformando a receita violência + tensão + humor, num delicioso bolo de humor negro.
Me encolhi com os momentos em que uma terrível motosserra entrava em ação fazendo coisas... Brrrrrr..... Mas logo depois, vinham os impropérios desferidos por uma Soninha Klein, loucaça e completamente fora de si, durante um strip-tease forçado; a crise diarreica da socialite Albertina que no ápice de seus quase 80 anos, apesar da situação tensa e perigosa pela qual passava, ainda conseguia mandar todo mundo tomar no... enquanto soltava o barro por toda a sala; Ataíde, o político, corrupto que... bem, deixe-me parar por aqui, se não vou ficar empolgado e acabar soltando spoilers. Na minha opinião, esse capítulo de Jantar Secreto pode ser classificado como antológico. Percebi até mesmo algumas referências para o clássico “A Noite dos Mortos Vivos” de George A. Romero.
Raphael Montes
Mas é evidente que a obra de Montes não se resume apenas nesse capítulo; o livro inteiro é excelente. Personagens carismáticos, em nada caricaturais, e enredo instigador são outros ingredientes que prendem a atenção do leitor. E claro, não poderia faltar a grande reviravolta final. Quando você pensa que o desfecho caminha para algo natural, já que não havia como fugir daquele parâmetro, eis que no final: Pimba!!! Chega rasgando um plot twist. Juro que não esperava por aquilo, meu palpite era outro, ou seja, aquele o qual o autor queria que acreditássemos ser o óbvio, mas entonce...
Em Jantar Secreto, o autor conta a história de quatro jovens que deixam uma pequena cidade do interior do Paraná, para estudar no Rio de Janeiro. Eles dividem um apartamento em Copacabana e fazem o possível para alcançar os seus sonhos na cidade grande.
Dante, o narrador, trabalha como vendedor numa livraria e cursa administração. Leitão, um hacker de humor escrachado, frequenta aulas de computação, mas prefere mesmo jogar vídeo game e comer pizza. Miguel, o certinho do grupo, estuda medicina. E Hugo é um aspirante a chef e dono de uma vaidade sem limites.
Em meio às dificuldades de pagar o aluguel e conseguir um bom emprego em um País em crise, os quatro amigos tem uma ideia para finalmente ganhar dinheiro: realizar jantares secretos para clientes ávidos por uma aventura gastronômica exótica: carne humana.
Mas o que começa como uma brincadeira, de repente, assume proporções inimagináveis que irão transformar profundamente a vida e o destino desses quatro amigos.
Ah! Antes que me esqueça: já está confirmada a adaptação para os cinemas de Jantar Secreto. O filme será dirigido por Fellipe Barbosa. Agora é só aguardar e torcer para que a estreia ocorra ainda em 2020.

2 comentários

  1. Rapaz! Assim você estoura minha conta bancária, he, he. Brincadeirinha! Mas seguinte, é o terceiro livro que você comenta aqui ultimamente que me deixa com a maior vontade de ler. Este que você comentou acima e “Contos Macabros”, os dois eu não conhecia. Outro é “O Vilarejo”, que já vi mais de uma vez em sites de venda e não tinha me interessado, mas seu comentário me deixou bem interessado. E isso tudo sem mencionar “VHS”, o qual eu já estava de olho, e quase comprei na semana passada. Esse com certeza está na minha lista de compras para o ano que vem.
    Por falar nisso - ano que vem, final de ano - desejo a você e a sua família um Feliz Natal cheio de alegrias, amor, paz e ..... boas leituras!
    Abração!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá amigo Atas! Estava sumido 'rapaiss'.
      Como sei que você é um devorador de livros, assim como eu, tenha certeza de que o seu dinheiro será muito bem aplicado nesses livros: "Jantar Secreto", "Contos Macabros" e "O Vilarejo". Todos eles muito bons. "Jantar Secreto", por exemplo, é instigante; mexe muito com o leitor. Quanto a VHS, vou começar a ler hoje, mas com certeza irei gostar, já que César Bravo é, na atualidade, o grande nome da literatura de terror no Brasil.
      Obrigado pelos votos de Feliz Natal e Ano Novo. Desejo o mesmo para voce e seus familiares.
      Fé, alegria, esperança, amor, Deus, amigos, saúde, paz. Feliz Natal!
      Abcs!!

      Excluir