“Ascensão”, novo livro de Stephen King chega ao Brasil em novembro


Enquanto as traduções da saga ‘Crônicas Saxônicas’ chegam de carroça no Brasil, as obras de Stephen King – pelo menos nos últimos meses – estão desembarcando de avião. Vejam só, fiquei sabendo, através do Sérgio Mazzotti Neto, um leitor do blog, que o 12° livro das Crônicas chega nas livrarias inglesas no dia 03 de outubro e nas americanas, em 26 de novembro. Por outro lado, acabamos de sair, há poucos dias, de uma pré-venda do 11° livro da saga, aqui no Brasil. Cara, não sei qual o motivo, mas a verdade é que a Record está muito devagar na agilização da chegada das aventuras de Uhterd em território nacional. Enquanto isso, a Suma de Letras vem matando a pau, desembocando um lançamento de King atrás do outro no Brasil.
Para vocês terem uma ideia, mal a editora lançou “O Instituto”, e já está chegando por aí “Ascensão”, novo blockbuster literário do mestre do terror. Caráculas! “O Instituto” estava em pré-venda há poucos dias e entonce... de repente vem a inebriante informação de que em novembro teremos uma nova história de King. Galera, é isso mesmo, em novembro! Podem acreditar. Ah! Quer o dia exato da chegada do livro ‘Kingniano’ no Brasil? Ok, eu conto. Anote aí: 18 de novembro? Gostou? Então, conto mais. O livro já pode ser encontrado em pré-venda em algumas livrarias virtuais.
Nessa história sombria e macabra, um advogado é amaldiçoado com uma perda infinita de peso. Scott Carey está perdendo peso, mas não massa corporal. Do lado de fora, ele parece o mesmo de sempre - um homem atlético de 42 anos de idade com aproximadamente 90 quilos. Mas toda vez que ele se pesa, a balança diz que é mais leve. O que é mais estranho, não importa o que ele coma, ou esteja vestindo - ou mesmo o que ele está segurando. Seu peso continua caindo. Conforme seu peso se aproxima de zero, ele sabe que logo nada vai prendê-lo ao chão.
A história de Scott se passa na amaldiçoada e fictícia cidade de Castle Rock, no estado do Maine, onde já ocorreram fenômenos inexplicáveis, como caminhões assassinos, brincadeiras mortais e tantos outros acontecimentos macabros. Desta vez, porém, os problemas de perda de peso de Scott são o único mistério. Na abertura do romance, ele consulta um médico aposentado que sabiamente lhe diz: "Duvido muito que isso seja algo que possa ser investigado cientificamente". Isso confirma a decisão de Scott. Ele não quer participar de nenhum tratamento hospitalar agressivo ou de estudos do governo. Ele diminuirá com dignidade.
Após tomar conhecimento de sua situação, Scott não quer se preocupar com o que vem pela frente; ele quer apenas tempo para resolver todas as suas questões antes do Dia Zero, e por que não começar pelas mais difíceis? Por exemplo, encarando o preconceito que suas vizinhas têm sofrido da comunidade ― e dele ― e fazendo o possível para ajudar.
Amizades improváveis, a maratona anual da cidade e a misteriosa condição de Scott são a fórmula para grandes transformações. Incrivelmente alegre e profundamente triste, Ascensão é um verdadeiro antídoto para nossa cultura intolerante.




Nenhum comentário