“O garoto que seguiu o pai para Auschwitz” chega ao Brasil no dia 19 de gosto


Quem leu e gostou de histórias como “O Tatuador de Auschwitz”, “O Diário de Anne Frank” e “O Homem Que Venceu Auschwitz”, com certeza também gostará do lançamento da Objetiva que ‘aterrissa” nas prateleiras das livrarias em 19 de agosto próximo. “O Garoto Que Seguiu o Pai para Auschwitz” de Jeremy Dronfield é a mais recente aposta da editora. A obra que já está em pré-venda nas principais livrarias virtuais conta a saga dos judeus austríacos Gustav e Fritz Kleinmann que estiveram nos letais campos de concentração Auschwitz e Bergen-Belsen e conseguiram escapar para contar a história.
A família Kleinmann, judia, morava em Viena. Gustav Kleinmann era estofador e sua mulher, Tini, era dona de casa. O casal tinha quatro filhos: Fritz, Edith, Herta e Kurt. Viviam uma rotina tranquila até o momento em que Adolf Hitler decidiu invadir a Áustria e anexá-la aos domínios da Alemanha nazista. A partir desse momento, a família Kleinmann passou a ser perseguida e estigmatizada. Os amigos com os quais conviviam, se tornaram inimigos, da noite para o dia e o pequeno negócio de Gustav foi expropriado pelos nazistas.
Gustav e Fritz foram presos e levados para Buchenwald, na Alemanha e depois para Auschwitz. Lá, sem direito a nada, os dois foram espancados e passaram fome. Segundo o autor da obra que teve acesso irrestrito as cartas e anotações de Fritz e Gustav, pai e filho comeram o pão que o diabo amassou nesses campos de concentração. Gustav, inclusive, chegou a contrair disenteria e esteve a ponto de morrer, mas, tal como escreveu nas suas anotações secretas, seu ‘pequeno’ [Fritz] era o motivo pelo qual seguia levantando todos os dias. ‘O menino é minha maior alegria. Damos força um ao outro. Somos um, inseparáveis’.”
Com base no diário secreto de Gustav e em uma meticulosa pesquisa documental, Dronfield conta também como pai e filho conseguiram escapar do inferno.
De acordo com alguns críticos literários americanos que tiveram acesso a obra antes de seu lançamento nos States, há vários relatos pesados; horríveis, de fato, mas também existem trechos que retratam a mais pura amizade e o mais sólido amor.
Agora só resta aguardar a chegada de 19 de agosto para comprar correndo “O Garoto Que Seguiu o Pai para Auschwitz”, mas se você é o tipo de leitor desconfiado, garanta já o seu que está em pré-venda.
Valeu galera!   


Nenhum comentário