O Cemitério dos Livros Esquecidos, uma saga com personagens que ficarão guardados para sempre na memória dos leitores.

2 comentários

Existem sagas que marcam as nossas vidas de leitores. Sagas que ficam guardadas para sempre em nossas memórias, por isso podem passar anos e até mesmo décadas que mesmo assim, não iremos esquecer determinados personagens. Você, por acaso, se esqueceu de Harry Potter, do professor Snape, de Edmond Dantes ou de Gollum e o seu “precioso”? Tenho certeza que não; da mesma forma que não me esqueci de Daniel Sempere, Julián Carax, Fermin e Alicia Gris.

A saga “O Cemitério dos Livros Esquecidos” mexeu com todos os meus sentimentos, provocando uma verdadeira revolução. Senti revolta, fiquei feliz, triste e me emocionei... muuuito. Torci desesperadamente por alguns personagens, odiei outros, embarquei no clima loucaço de aventura, enfim, a saga provou um verdadeiro rebuliço em meus sentimentos.

Hoje, estou aqui para indicar os quatro livros que formam a saga – A Sombra do Vento, O Jogodo Anjo, O Prisioneiro do Céu e O Labirinto dos Espíritos – magistralmente escrita pelo saudoso Carlos Ruiz Zafón que faleceu há aproximadamente cinco meses. Fiquei muito triste em saber que jamais teremos a oportunidade de ler, novamente, os enredos cheios de mistério e recheados de dramas amorosos que saiam da cabeça do autor espanhol. Realmente, uma pena.

Apesar de muitas pessoas disserem que os livros da saga podem ser lidos fora de ordem já que não são sequências diretas uns dos outros, o meu conselho é para que a galera interessada leia, sim, na sequência. Isto porque, vocês irão acompanhar a ordem cronológica dos acontecimentos, apesar dos quatro livros terem tramas independentes, com começo, meio e fim. Aliás, o próprio Zafon disse que cada livro da saga apresenta uma porta diferente de entrada para a trama, podendo ser lidos em qualquer ordem, mas repito, prefiro lê-los na sequência cronológica do enredo e não dos lançamentos dos livros.

É importante frisar que a trama de cada um dos romances acontece numa época diferente e sempre ganhando novos personagens que passam a interagir com os personagens do núcleo principal da trama, formado por Daniel, seu pai – o Sr. Sempere – Beatriz e Fermin Romero. A genialidade de Zafón fez com que até mesmo personagens secundários ganhassem uma importância enorme na trama, deixando os leitores com um gostinho de quero mais, hiper-curiosos para saber detalhes sobre as suas vidas. Acredito que esse foi um dos motivos que levou o autor a escrever os outros três livros, após o lançamento de A Sombra do Vento que foi publicado, inicialmente, sem a intenção de tornar-se o ponto inicial de uma trilogia ou quadrilogia. Por ter um grupo de personagens muito interessantes e que poderiam ser melhor desenvolvidos em outros livros, Zafón teve o insight de escrever O Jogo do Anjo, O Prisioneiro do Céu e O Labirinto dos Espíritos, nascendo assim, a famosa saga.

Em A Sombra do Vento, lançado em 2001 – chegou ao Brasil, pela editora Suma, somente em 2007 - e que transformou Zafón num escritor respeitado em todo o mundo, conhecemos um Daniel Sempere criança que foi criado pelo seu pai, um livreiro, após a morte de sua mãe Isabela. Daniel, aliás, nunca chegou a conhece-la e como o Sr. Sempere preferiu ficar calado sobre o passado da esposa, o jovem pouca coisa sabe. 

Quando completa 11 anos, Daniel é levado pelo seu pai para visitar uma biblioteca enorme chamada de o “Cemitério dos Livros Esquecidos”. Neste local há uma regra que deve ser cumprida à risca. Chegando lá, você tem o direito de escolher um livro e se comprometer a cuidar dele. O garoto escolhe, então, uma obra chamada “A Sombra do Vento” escrita por Julián Carax, um autor misterioso e que publicou apenas esse livro. Daniel gosta tanto da história que resolve investigar um pouco mais sobre a vida desse enigmático autor que viveu na Barcelona dos anos 20,  há quatro décadas da Barcelona dos 60, onde Daniel vive com seu pai. Para tentar decifrar o mistério envolvendo Carax, o jovem conta com o apoio de Fermin Romero que trabalha na livraria do Sr. Sempere. Os dois se envolvem numa intriga arriscada relacionada ao livro “A Sombra do Vento”.

Em O Jogo do Anjo (2008), conhecemos um novo personagem, David Martin, um escritor maldito que faz um pacto com o demônio para se tornar um escritor famoso. A ligação de Martin com a família Sempere diz respeito à Isabela, mãe de Daniel. A trama se passa muito tempo antes dos fatos narrados em A Sombra do Vento. Achei O Jogo do Anjo, o livro mais sombrio de toda a saga com uma história densa e tensa, além de muito sombria e com elementos sobrenaturais. Cara, me emocionei com a história de Isabela. Mas me emocionei mesmo. O livro mostra todo o seu passado e como ela veio conhecer o seu futuro esposo, o Sr. Sempere.

Carlos Ruiz Zafón
Já em O Prisioneiro do Céu (2011), avançamos várias décadas e encontramos Daniel no ano de 1957 saindo da adolescência e entrando na  vida adulta. Trata-se de uma trama reveladora, onde o personagem irá descobrir alguns fatos perturbadores envolvendo sua mãe. Neste volume, Zafón deu um grande destaque para Fermin Romero, fiel companheiro de Daniel que o ajudou a investigar o intrigado caso envolvendo Julian Carax. Ele tem o seu passado exposto e com isso, importantes segredos durante a sua passagem pela prisão do Castelo de Montjuic são revelados. A obra que conta, também, novamente, com o retorno do escritor maldito David Martin faz ligação direta com A Sombra do Vento e O Jogo do Anjo. Podemos dizer que funciona como uma ponte unindo esses dois livros, utilizando para isso um personagem muito sombrio chamado Maurício Valls, um agente do governo que administra a prisão onde Fermin se encontra.

E por fim, em O Labirinto dos Espíritos (2017), que se passa em 1959,  Zafon introduz uma nova personagem, a investigadora Alicia Gris, cuja missão é solucionar o desaparecimento do ministro Mauricio Valls. Esta investigação revelará muitos segredos escondidos e unirá as quatro narrativas.

Portanto, recomendo iniciar a leitura por ordem cronológica dos acontecimentos narrados e não pela ordem de lançamento dos livros. O ideal é começarmos pela base da pirâmide: O Jogo do Anjo; na sequência, A Sombra do Vento; depois, O Prisioneiro do Céu e por último, O Labirinto dos Espíritos.

Amei os quatro livros, daí não poderia deixar de recomendar a saga para todas as pessoas que seguem esse blog. São poucos os personagens de livros com o poder de permanecerem guardados em nossa memória para sempre; aqueles que fazem parte do contexto de “O Cemitério dos Livros Esquecidos” tem esse dom.

Leiam, vocês irão adorar.

 

 

2 comentários

  1. José, seu texto me ajudou a decidir a ordem de leitura dos livros. Estava na dúvida, mas não queria descobrir muito sobre a história, e teu texto revela o suficiente para entender e decidir. Decidi pela ordem de lançamento, aliás.

    ResponderExcluir
  2. Olá Fernanda,
    Eu li das duas maneiras: primeiramente pela ordem de lançamento e depois, de algum tempo, pela ordem cronológica do enredo. Posso garantir que as duas maneiras são muito prazerosas. Aconselho fazer o mesmo. Como você já decidiu ler respeitando a sequencia de lançamento, futuramente, quando bater aquela vontade de reler a saga de Zafon, faça pela ordem cronológica dos "fatos".
    Abraços!

    ResponderExcluir