sexta-feira, 10 de agosto de 2012

A Corrente, passe adiante

Perturbador e desesperador. Foi assim que defini “Poltergeist – O Fenômeno”, filme escrito e produzido pelo gênio Steven Spielberg e dirigido por Tobe Hooper, outro gênio criador do clássico “O Massacre da Serra Elétrica”.
Na época que assisti ao filme, estava com os meus belos e saudosos 21 anos e a cena daquela menina lourinha conversando com a TV fora do ar, durante a madrugada, me provocou calafrios. A coisa ficou pior quando a garota jurou para os seus pais que tinha alguém dentro do aparelho conversando com ela! O negócio degringola de vez quando aquela mão fantasmagórica sai da TV fora do ar!! Mas a tal da mão sai muito rápido do aparelho, quando ninguém espera; como uma cobra dando o bote. Cara, o coração do menino aqui – menino naquela época – quase parou. Se fosse hoje, a pressão subiria.
Ok, vamos lá... Em 2002, nos meus 41 anos, jornalista formado, trabalhando no meio há mais de duas décadas,  quando já havia ‘engolido’ e ‘vivido’ com vários sapos e pensava que nada surreal sem uma explicação lógica pudesse me influenciar; eis que... vem aquela Samara Morgan de “O Chamado” toda alquebrada, andando como uma múmia e rastejando como uma aranha para me quebrar joelho, clavícula, espinha e tudo mais.
Dez anos depois de Samara e três décadas depois da menina lourinha, eu já estava pronto para cantar de galo novamente. Nesse período já havia assistido, resistido e até mesmo dado risadas de muitas histórias arrepiantes, entre possessões, vodus, mortos-vivos, zumbis, etc e etc... Mas, logo, surge a tal Bruna, personagem do livro “A Corrente, passe adiante”, de Estevão Ribeiro. E pronto! Lá vem aquele terror que eu pensava que já havia dominado.
 Amigo, para que você tenha uma idéia dessa menina horrenda, basta dizer o seguinte: “Junte Samara mais a menina de Poltergeist - no momento em que ela conversa com os seres diabólicos da TV - que você terá Bruna. Outra “cosita” troque a TV de “Poltergeist” e de “O Chamado” pela tela do computador de “A Corrente, passe adiante” que você terá terror em dobro.
Estevão Ribeiro (escritor, roteirista e ilustrador)
O livro de Estevão Ribeiro fala de um hacker chamado Roberto Morate que, ao repassar um e-mail que recebeu de uma garota desconhecida, descobre que salvou a sua vida, mas por outro lado, condenou a sua alma e de todos que receberam a corrente. Explicando melhor: numa belo dia, Roberto que tem como profissão roubar senhas bancárias de incautos internautas, recebe um e-mail misterioso de uma garota que diz já ter morrido. Algo do tipo: “passe esse e-mail para outras sete pessoas e você terá muita sorte. Nem pense em mandar essa mensagem para lixeira. Se você apagá-la, em 48 horas eu irei atrás de você, onde estiver...”
Ok, se coloque no lugar de Roberto, o que você faria? Apagaria a mensagem? Tudo bem. Vamos supor que você excluísse a corrente para a lixeira, e imediatamente, ouvisse o sinal de seu computador lhe avisando da chegada de uma nova mensagem. Neste momento, você até já se esqueceu do suposto “trote virtual”, então a nova mensagem chega ‘rasgando’: “Eu não lhe avisei para não jogar a mensagem na lixeira!! Vou lhe dar uma nova chance de viver. Repasse, agora, essa corrente para outras sete pessoas se não irei atrás de você!! Vai querer contrariar a vontade de uma morta?”
Ehehehe.... Pergunto-lhe novamente: “O que faria? Mandaria a mensagem, mais uma vez, para a lixeira ou a enviaria para os endereços de sete amigos virtuais?”
Cara, esse foi o drama do Roberto. Mesmo pensando, ainda, se tratar de algum trote; aquele friozinho na base de sua espinha, o alertou que seria melhor ‘despachar’ a corrente. E foi o que fez.
Quer saber se o hacker se livrou do problema? A resposta é NÃO, e com todas as letras maísculas. A sua vida se transformou num verdadeiro inferno. Além disso, ele condenou outras sete pessoas a viverem um inferno pior do que o seu, já que a maioria optou por não repassar a corrente.
Aiii meus 21 anos!! Que medo essa lourinha me causou!!
Há passagens perturbadoras em “A Corrente, passe adiante”, todas elas envolvendo a personagem Bruna. Em uma delas, Jeremias, um pobre coitado que recebeu a corrente e decidiu apagá-la, percebe os breves momentos de sua vida passando na tela do computador numa seção de fotos que vai se abrindo, uma a uma, numa coluna de imagens. Uma imagem traz Jeremias olhando para o computador com uma expressão de espanto e horror; coisa que ele realmente fez há poucos segundos atrás. A outra imagem traz Jeremias esbarrando o cotovelo numa caneca que estava em cima da mesa do computador, derrubando-a no chão; algo, que de fato, aconteceu a pouco tempo atrás. E assim, o horrorizado internauta vai vendo as fotos na sequência até chegar na última; aquela que selará o seu destino. Cara, juro que fiquei incomodado com essa passagem do livro, tanto é que decidi parar a leitura, porque já era de madrugada, estava com a luz da sala queimada e blá, blá, blá, blá e mais blá, blá, blá e blá; enfim, tudo aquilo que já contei na introdução do post “A Tumba” de Lovecraft.
Bruna é o resultado da soma de Samara + a menina de Poltergeist
Outra passagem que me fez “tremer na rampa” foi a de uma colega do Roberto que estava namorando numa sala de bate-papo, quando de repente, todos os nicknames que estavam na referida sala vão saindo, deixando o espaço virtual completamente vazio, à exceção da menina que estava por lá namorando e conversando com as amigas. Quando ela percebe, um outro Nick entra na sala.... Adivinha quem? Será que eu preciso falar? A tal da diabinha Bruna!! E então começa o diálogo entre as duas que provoca calafrios.
Além dessas duas passagens, há muitas outras bem tensas e até mesmo chocantes, como a de uma bonequinha mais feia do que o c..... bem, esquece; que aparece, de uma hora para outra, na tela do computador, com um sorriso bizarro e induzindo um assustado policial a fazer gestos semelhantes ao seu, como se o internauta’ fosse a sua marionete. Brrrrrrrrrr....
Citei essas cenas para que os leitores entendam que todo aquele medo que os diretores dos filmes “O Chamado” e “Poltergeist” canalizaram para uma televisão; o autor de “A Corrente, passe adiante” canalizou para um computador. Se naquela época, muitos deixaram de assistir televisão sozinhos até altas horas da madrugada; hoje, com certeza, vários leitores que já tiveram a oportunidade de ler o livro de Estevão Ribeiro ficaram receosos de abrir aquelas correntes que entopem as nossas caixas de e-mails. E mais do que isso, ficaram receosos de zapear na net até de madrugada. Acredite, “A Corrente...” tem esse poder.
Enfim, um livro que impressiona e como já disse, incomoda e muito. Uma leitura obrigatória para os fãs do gênero terror. Se tivesse de encontrar uma definição para o tipo de terror criado pelo autor no contexto de sua obra, acho que o termo correto seria: visceral. Isso mesmo; o tipo de medo que vem do fundo das nossas entranhas; um medo desconhecido.
Ao ver os seus e-mails voce pode dar de cara com a Bruna!
Quanto aqueles que não botam fé que autores brasileiros tem capacidade para escrever histórias de terror; aconselho dar uma olhadinha na orelha de “A Corrente, passe adiante”, onde está a apresentação da obra e também do escritor feita por ninguém menos do que Aguinaldo Silva.
Considero Aguinaldo o cara mais “crica’ do meio artístico. Ele fala o que quer, critica quem lhe der na ‘teia’, dá declarações polêmicas sem se preocupar se fulano é grande ou pequeno... talvez por ser tão sincero, ele tenha conquistado a fama de chato. Mas, algo não podemos negar jamais: a capacidade, talento e profissionalismo desse fantástico autor de novelas, minisséries e escritor. E tenham certeza de que Aguinaldo Silva não faz nada obrigado ou por amizade. Portanto, para ganhar uma apresentação sua, de próprio punho, o sujeito tem que ser bom mesmo; e o Estevão Ribeiro conseguiu essa proeza.
Quanto ao Roberto Morate, fica aquela perguntinha no ar. Será que ele vai conseguir se salvar a si mesmo e também as outras sete pessoas que condenou com o envio da diabólica corrente? E quanto a Bruna? Qual a origem desse ser hediondo?.
Só lendo o livro.
Inté!


5 comentários:

  1. Oi José, tudo bom? Parabéns pelo blog e pela resenha. Eu também aprecio os livros, principalmente aqueles do gênero Fantástico. Li recentemente "A Corrente" e também fiz uma resenha. Passe lá no meu blog e veja sobre o que eu escrevi do livro. Um abraço e sucesso!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Angelo!
      Tbém visitei o seu blog e gostei muito. Não sabia que tinhamos uma editora especializada na publicação de antologias de jovens escritores brasileiros em início de carreia. Achei um projeto louvável; bom de fato.... Até me interessei pela antologia "Caminhos do Medo"... Os contos devem ser bem interessantes.
      Abcs!!

      Excluir
    2. Oi José, obrigado pela visita. Caso você tenha interesse em adquirir o livro "Caminhos do Medo - Vol. 2", estou vendendo-o por apenas R$19,00 com frete grátis para todo o Brasil. O anúncio está disponível no MercadoLivre: http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-432158705-livro-caminhos-do-medo-vol-2-so-r1900-frete-gratis-_JM?redirectedFromParent=MLB240747108. Se você não quiser comprar pelo MercadoLivre, entre em contato comigo e daí vemos outra forma. Um abraço e sucesso no seu blog, que é muito bom.

      Excluir
  2. Claro, esqueci de informar o endereço do meu blog: geopraticando.blogspot.com. Aguardo a sua visita lá!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já favoritei o seu blog.
      Farei novas visitas, é claro!
      Abcs!

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...