sábado, 30 de abril de 2011

Brigitte Montfort, um ícone da cultura pop dos anos 70 que “caiu” no esquecimento



Hoje resolvi homenagear uma mulher que povoou os sonhos e desejos de muitos adolescentes dos anos 60 e 70; inclusive os meus. O que você faria se qualquer dia desses, num encontro casual, “topasse” com uma morena de olhos azuis, pele dourada, cabelos compridos, negros, corpo escultural e aparentando ter pouco mais de 27 anos? Já pensou? Pois é, eu cansei de me encontrar com essa beldade, quase todos os dias, nas páginas de um livro de bolso da coleção ZZ7, da Editora Monterrey. Estou me referindo a estonteante Brigitte Montford, codinome “Baby”, espiã da CIA e apesar da pouca idade, considerada a agente secreta mais perigosa do mundo. Ela é perita no manejo de vários tipos de armas, desde as mais simples, incluindo sua pequena pistola com cabo de madrepérola que traz amarrada na coxa com uma fita, até o mais bélico dos armamentos; fala fluentemente vários idiomas; é especialista no combate corpo a corpo dominando várias técnicas de luta, desde o karatê até a capoeira; além de pilotar qualquer tipo de aeronave.
A famosa personagem – carro chefe de vendas da Editora Monterrey – foi criada pelo escritor espanhol Antonio Vera Ramirez que optou por assinar as suas histórias com o pseudônimo de Lou Carrigan. Lembro-me que na minha adolescência, o meu irmão comprava uma batelada de livros de bolso da Monterrey (que estavam em moda naquela época), desde faroeste até espionagem. Mas o que mais me interessava era a criação de Lou Carrigan, ou seja, a sedutora Brigitte Montford.
Cara! Pode acreditar, eu era obrigado a ler alguns desses livros escondido ou então com a mão na frente da capa para que os meus pais não vissem. Naquela época comprar uma revista Playboy era uma “Missão Impossível”, por causa do preço e também pela dificuldade em encontrar o produto. Dessa maneira, nossos pais pensavam que estávamos “contrabandeando” uma versão genérica da Playboy por causa de algumas capas picantes onde “Baby” aparecia quase nua. Mas na realidade, não tinha nada a ver porque  não se tratavam de histórias pornográficas, mas sim da mais pura espionagem.
E já que toquei no assunto capa; ok, vou dar uma pincelada no tema. As capas das histórias de Brigitte Monfort eram produzidas por um dos maiores ilustradores brasileiros do século XX: José Luiz Benício.
Com certeza se não fossem os traços de Benício; o texto de Lou Carrigan não despertaria tanto interesse. As capas das edições eram mais viciantes do que Coca-Cola! A partir do momento que eu batia os olhos na figura  da espiã da CIA estampada na capa do livro de bolso, não tinha jeito! A cada página lida, imaginava aquele “ser estonteante” correndo, lutando, enfrentando perigos e... amando. Era engraçado porque tinha o hábito de ler três ou quatro páginas e depois dar uma olhadinha na capa, e assim ia repetindo esse ritual até o término da leitura. Por aí já dá para imaginar o poder que as ilustrações criadas por Benício tinha sobre nós, pequenos leitores daquela época.
A Editora Monterrey chegou a publicar 500 exemplares da série ZZ7 tendo à frente a espiã “Baby”. Os livros fizeram tanto sucesso nos anos 60 e 70 que tiveram uma reedição.
O nascimento de Baby
Uma pergunta comum feita pelos muitos fás de Brigitte Montfort é como nasceu a famosa espiã. Pois bem, a origem de “Baby” remonta o final dos anos 40, quando o jornalista e compositor brasileiro, David Nasser criou a personagem “Giselle – A Espiã Nua que Abalou Paris”. Nasser começou a escrever as histórias de Giselle para o jornal carioca Diário da Noite que vinha enfrentando uma séria crise financeira correndo o risco de encerrar as suas atividades. Giselle imediatamente caiu no gosto popular e devido ao sucesso de suas histórias, o Diário da Noite acabou afastando o fantasma do fechamento.
Reza a lenda que apesar da popularidade de “Giselle – A Espiã Nua que Abalou Paris”, Nasser ainda não tinha recebido nenhum dinheiro pela sua criação, estando com o seu salário atrasado há muito tempo. Foi então que ele teve uma idéia original para receber o lhe era de direito: assassinar a sua personagem, encerrando assim a história. Nasser teria feito essa ameaça ao dono do jornal, dizendo que se não recebesse, os nazistas iriam matar Giselle fuzilada. A ameaça surtiu o efeito esperado e o escritor recebeu na hora os seus vencimentos em atraso, mas com uma condição: a de que ele não ceifasse a vida da heroína. Depois do sucesso no jornal, as histórias da “Espiã Nua que Abalou Paris” passaram a ser publicadas em livros de bolso, no começo dos anos 50, repetindo o sucesso do jornal Diário da Noite.

Giselle - A espiã nua que abalou Paris
Ao contrário de Brigitte Montfort, Giselle não empunhava armas para conseguir o seu intento. Ela usava o seu belo corpo para roubar informações dos alemães que poderiam ser muito importantes para o chamado bloco da Resistência. Giselle ia para a cama com os mais perigosos líderes nazistas e, muitas vezes, tinha de suportar taras e perversões horríveis, colocando a sua vida em risco a cada capítulo, tudo com o objetivo de conseguir preciosas informações. Por várias vezes, ela esteve perto de ser descoberta e fuzilada, mas sempre acabava sendo salva, de última hora, por algum oficial da Gestapo que tinha sucumbido, no passado, aos seus dotes físicos.
A criação de David Nasser fez tanto sucesso que a Editora Monterrey acabou comprando os direitos da personagem e relançando os seus livros em 1964. E novamente, Giselle estouraria em vendagens, enchendo os cofres da Monterrey. Nesta época, o gênio brasileiro das ilustrações, José Luiz Benício, já emprestava o seu talento para as capas da “Espiã Nua que Abalou Paris”.
Percebendo o sucesso de vendas da espiã que tinha como “carma” ir para a cama com os nazistas e sofrer em suas mãos, os editores da Monterrey decidiram lançar uma nova série tendo como personagem principal nada mais nada menos do que a filha de Giselle. Para escrever o enredo das tramas foi convidado o desconhecido escritor espanhol, Antônio Vera Ramirez, que por sua vez, adotou o pseudônimo de Lou Carrigan. Nascia assim, Brigitte Montfort, a espiã que se tornaria um verdadeiro ícone da cultura pop dos anos 70. A “veia” central do enredo era bem simples: ao descobrir que a mãe era uma espiã à serviço do mundo livre, “Baby” passaria também a seguir o seu exemplo, ingressando na CIA e se tornando a sua agente mais famosa e letal.

José Luís Benício, o criador da imagem de Brigitte Montfort

Porquê o esquecimento?
Pelo o que eu pesquisei na net, a Editora Monterrey chegou a publicar cerca de 500 livros da série ZZ7 tendo Brigitte Montford como protagonista. E tudo indica que novamente encheu os bolsos com a grana oriunda das vendagens. Mas acredito que os homens da Monterrey não foram tão bons administradores, pois a editora simplesmente desapareceu do mapa.
Pêra aí pessoal! Calma! Não precisam ficar nervosos porque mesmo com a editora fora do mapa, vocês poderão encontrar os livros Pockets de “Baby” e também de sua mãe Giselle em vários sebos e por preços módicos.
Para encerrar esse post eu só queria entender algo. Como uma série de livros que tinham uma tiragem fenomenal e uma personagem que se tornou, na época, um ícone da nossa cultura pop, caiu quase que no esquecimento total? Fato mais estranho ainda diz respeito a grande massa de leitores de Brigitte Montfort que optaram por ficar na clandestinidade.
Ah! Em tempo! Só a título de registro, quero lembrar que a imagem da personagem Brigitte Montfort que ilustrou as capas de seus livros foi inspirada em uma modelo brasileira chamada Maria de Fátima Lins.
Até a próxima!


67 comentários:

  1. Deu saudades desta época.
    Compartilhei seu post, com os amigos do Facebook.
    Parabéns por trazer a tona, um dos ícones deste tipo de literatura, bem comum na época.
    Há poucos meses, em uma mesa de bar, eu e mais 2 amigos, falávamos exatamente sobre a nossa heroina Brigitte Montfort.
    Abs,
    Edinho Nunes

    ResponderExcluir
  2. eu tive uma banca de livros usados aqui na liberdade bairro oriental de sampa e durante muito tempo vendi destes livros de bolso inclusive não só pelas estórias mas pela capa pois havia aqui na minha rua uma editora e os desenhistas que ilustravam os livros compravam estes pocket books para serem inspirados pois tinha técnicas e o uso de aerografia onde se usa uma pequena pistola de tinta para deixar o desenho com uma textura macia. qtas lembranças vlw o post. abração em tempo o benicio grannnnnnnnnnnnnde desenhista.
    e com a internet tv à cabo pode ter certeza de que até as bancas de sebo e de revistas novas com o tempo desapareceram pois os tempos são outros e tb tem os jogos eletrônicos, é cara estamos virando peças de museu, meus filhos só conheceram o vínil a pic up as fitas cassetes e o gravador kt pois eu tenho algumas peças comigo o abração véio....

    ResponderExcluir
  3. OLA,Estava vendo os comentários, Eu tambem me fixei nessa série e consegui guardar desde 1967
    alguns exemplares.Ainda tenho umas reliquias
    dessas e em exelentes condições, todos da série
    vermelha , que foi a inicial, a revista numero
    1, eu tinha uma , depois comprei outra , assim
    possuia quase todos os 500 exemplares, mas como
    bem disse o colega acima, nas mudanças deixamos
    para trás muitas coisas ,algumas perdi, outras
    que emprestei não me devolveram, mas uma grande
    parte salvei,Abraço a todos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Salve...
      Me empresta essas revistas...
      SCANEIA e manda...

      Excluir
    2. http://www.4shared.com/office/cr0t-Aml/B117_secretissimo.html

      Excluir
  4. sera que consigo comprar?lembro q comprava pelo correio...

    ResponderExcluir
  5. Tereza, uma boa notícia para vc e também para todos que curtem a filha de Gisele. É muito fácil adquirir os exemplares com as suas aventuras. Basta acessar o Mercado Livre (http://lista.mercadolivre.com.br/ZZ7--BRIGITTE-MONTFORT-%C3%98)ou então a estante virtual
    (http://www.estantevirtual.com.br/q/brigitte-Montfort. Estes dois portais estão forrados delivros de bolso da Brigitte Montfort que marcaram época no passado.

    ResponderExcluir
  6. Amigo, sou cronista e decidi escrever também lembranças de quando comprávamos revistas dessa "espiã", nas bancas de revistas em Manaus, nos anos 70. Estou lendo seu fantástico trabalho de resgate! Parabéns! Já resgataram tantas outras coisas, por quê não fazer um filme, mesmo que em computação gráfica, resgatando a Brigitte Montefort?

    ResponderExcluir
  7. Visite meu blog se desejar carloscostajornalismo.blogspot.com
    Um abraço,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Carlos,
      Fui um leitor assíduo da famosa espiã "Baby" e concordo c/vc à respeito de um filme ou até mesmo uma série de TV com Brigite Montfort. Como sonhar nao é proibido, vamos continuar sonhando (rs). Muito legal a história do Nescau em seu blog.... recordei os tempos de minha infância....
      Abcs!

      Excluir
  8. Li muito as aventuras de Brigitte. Na minha juventude o que estava em alta entre as mocinhas eram aqueles romances tipo Sabrina e Júlia, mas eu não conseguia ler, só me interessava por esses de Brigitte Montfort que também eram românticos, diga-se os encontros dela com número um,ai já viu né? eu catava os exemplares que tinham a participação dele...muito bom...e a figura da espiã era qualquer coisa de fabuloso!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A espião "Baby", da CIA, tbém fêz parte da minha adolescencia... Tanto é que dediquei um post especial para ela...
      Abraços Tina!

      Excluir
  9. Poxa, muito bom seu texto. Também senti saudade de ZZ7 e da Baby, a espiã daqueles anos de guerra fria. Parabéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é... fico imaginando uma produção cinematográfca com a "Baby". Quem sabe, um dia...
      Abcs!!

      Excluir
  10. Eu amava as histórias de Brigitte, viajava em suas aventuras! Muito legal!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente, são histórias marcantes e inesquecíveis!
      Obrigado pela visita e por seguir o blog,
      Abcs!

      Excluir
  11. Parabéns.
    Ao ver as capas dos livros
    voltei no tempo...

    ResponderExcluir
  12. eu tenho 38 anos e minha mae ensinou-me a amar brigitte no decorrer de minha infancia. a partir dos 12 anos comecei a comprar nos sebos a coleçao da serie vermelha (original) e hje tenho 200 e poucos livros, q estao a 7 chaves no porao de minha mae. li todos e deliciei-me com essa beldade

    Alexandre
    xandocas@gmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Alexandre, no meu caso, fui um pouco relapso em minha infância/adolescencia quando acabei emprestando alguns exemplares com as histórias de "Baby" e não me devolveram... outros acabaram se perdendo durante uma mudança... Cara, como eu sinto isso hoje!! Portanto, guarde bem esses 200 e poucos livros porque eles já são considerados verdadeiras raridades e se tornarão mais raros ainda (peças de colecionador). Ah! Um conselho: verifique se o porão de sua casa não está umido e se os livros de "Baby" estão bem acondicionados... Caso contrário, troque-os de lugar já.. Quem sabe um armário ou estante?? (rsss)... Afinal, eles merecem.
      Grande abraço e fique com Deus!

      Excluir
  13. gente eu amava ler brigitte,mas eram sempre emprestados snif snif snif,será que tem algum site pra baixar?adorava a coragem,a esperteza e o bom humor dela kkkkkkkkkkkk,obrigada pelo persente que foi seu post,ha e se alguem souber se tem eles na net please please please me avisa?um feriado luminoso á todos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Regina!
      Os livros de Baby se tornaram bem raros, mas ainda é possível encontrá-los na Net. Segue um link do Mercado Livre onde vc localizará boa parte das obras de BM. Qto a download, dificilmente vc conseguirá encontrar um link legal, a maioria deles estão quebrados.
      Abcs e obrigado pela visita!

      http://lista.mercadolivre.com.br/zz7-brigitte-montfort-varios-titulos

      Excluir
    2. http://www.4shared.com/office/cr0t-Aml/B117_secretissimo.html

      Excluir
  14. Caros,

    estou montando uma coleção com as capas do Benicio para a serie Brigitte

    http://blibiomania.blogspot.com.br/2011/04/lou-carrigan-livros-sobre-espia.html

    Stanislaws

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Visitei o seu blog com as capas de Baby. Uhauuu!! Fantastic! Já linkei no Facebook do Livros e Opinião.
      Vlw!!

      Excluir
  15. Aqueles que leram essas histórias na adolescência, nunca esquecem. A geração de hoje simplesmente não a conhece.

    Eu lia vários livros de bolso, de vários gêneros: wsterns, guerra, policial, ficção científica e espionagem.

    Entre os de espionagem, lia o K. O. Durban, o 77Z, com o agente "Máscara Negra", Horace Young Kirkpatrick, e o meu preferido, o ZZ7. Tive mais de 400 livrinhos daqueles, mas acabei me desfazendo da maioria mais tarde, e hoje tenho apenas alguns poucos exemplares.

    Mas para mim vão ser sempre inesquecíveis as aventuras da Baby e do Número Um.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Delgado, vc ainda é feliz, pois conseguiu preservar algumas dessas relíquias. Meu mano, tinha praticamente todas as edições de Brigitte Montford, mas acabou emprestando, perdendo e no final doando!! E lá se foi a Baby. Alem da charmosa e estonteante espiã da CIA,eu também gostava muito do Coyote.
      Obrigado pela visita e participação!

      Excluir
  16. ola.mim chamo nara.eu so nova em conhecer o livro brigitte monteforte mais adorei ler este livro que mim viajar no mundo da espionagem,perigos,aventuras maravilhosas,e adoraria se fizese o filmer de brigitte,be anos 70.... seria um sonhor vere a mulher mais linda que ja vie se vista nos cinemas seria um sucesso,,,,a tenho opinião de quais atrizes que representaria brigitte monteforte,,,vc nao gostaria se este sonhor force realizado..... beijo;;;;

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já tenho cabeça algumas atrizes que teriam o perfil certo para viverem a espiã "Baby" nos cinemas..
      Abcs!!

      Excluir
  17. LEGAL,QUE TAL A ATRIZ MEGA FOX,ELA E BELA SESUAL ACHO QUE DARIA CERTO...BRIGITTE TEM NA FAIXA DE UMS 30 ANOS CERTO...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lindanara, aguarde um post sobre o assunto... brevemente...
      Abcs!

      Excluir
  18. ola,gostaria de coleciona os livros de Brigitte,teria como manda em email e anexo as historia de baby?
































    Brigitteonde eu posso achar tais livros,adorei as aventuras e gostaria de ler mais.....

    ResponderExcluir
  19. Olha, vai ser muito difícil vc encontrar downloads disponíveis dos livros de Brigitte Montford na Net. Eles se tornaram raridades e por isso, quem os tem, dificilmente disponibilizará o seu conteúdo nas redes sociais. Até mesmo, encontrá-los nos sebos se tornou uma verdadeira luta. Há pouco tempo o portal da estante virtual (que congrega centenas de sebos de todo o Brasil) tinha vários exemplares; agora, recentemente, quando visitei o site para dar uma espiada; pasme, os livros de bolso de Baby sumiram! Mas fique tranquila (não muito - rss)porque encontrei no Mercado Livre alguns exemplares. Dertalhe: Corra, porque com certeza, eles tbém se esgotarão.
    Anote aí:
    http://lista.mercadolivre.com.br/Cole%C3%A7%C3%A3o-Livros-De-Bolso-Zz7-brigitte-Montfort---Raridades-!

    ResponderExcluir
  20. Dos 500 eu devo ter uns 200. Da gisele acho que só uns 3. Gostava da Monterrey, as histórias eram mais realistas que as publicadas pela Cedibra.

    ResponderExcluir
  21. Foram exatamente 500 livros publicados, o último acho que em 1991. Pude ler o último na casa de um amigo: a história se passava 10 anos no futuro, com Brigitte e Número 1 casados e criando os filhos na Itália... recebendo a visita de vários personagens da série, Monsieur Nez, etc. Inclusive o Camarada Kovenko (que todo mundo sempre pensou que estava morto...)
    Bom, na verdade fica implícito no livro que a série iria acabar mesmo era devido ao fim da Guerra Fria.

    ResponderExcluir
  22. ae,tenho a coleçao praticamente completa para a venda

    rafaellessa18@hotmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. oi estou interesada em comprar a coleção? quanto quer?

      Excluir
  23. Na verdade Maria de Fatima Lins Priolli, casada com dono do Canecão e inspiração de Benicio para Baby, não era exatamente modelo, mas uma socialite figurinha facil nas colunas sociais de jornal. Talvez a mulher de rosto mais bonito que já se viu no Brasil, ela passou a inspirar Benicio apenas depois de varias capas daZZ7 com Brigitte, que no começo era inspirada nos traços de uma modelo americana da Playboy, revista adorada por Benicio que trazia desenhos de pin-ups de um dos maiores ilustradores do mundo, Vargas, de quem Benicio nunca deixou nada a desejar.

    As historias acabaram em 92 junto com a Guerra Fria. Não teriam como serem reeditadas hj, são extremamente datadas. Quem viveu, leu. Quem náo viveu, só em sebo

    Quanto à Gisele, a explosão de popularidade para a geração dos anos 60 veio mesmo depois que o fantastico Benicio assumiu os traços de Giselle, na edição de relançamento de 1967 (as capas dos livrinhos da primeira edição de 64 são bem devagar, parecem medievias em comparção com o que Benicio fez três anos depois) e atrairam a atenção e a testosterona de toda uma garotada que prestou muita homenagem a Onan na forma de Giselle e de Brigitte Montfort. Vale tbém lembrar que Brigitte, lançada em 1965, foi a primeira a ser retratada por Benicio (não ainda inspirado em Maria de Fatima Priolli) já que ele só pegou Giselle na reedição de 67, a que realmente estourou.

    ResponderExcluir
  24. Caiu-me às mãos uma edição bem velha do número 64. Como estava sem quase nada para fazer hoje, resolvi escaneá-la.

    Aí está, para quem quiser matar as saudades:

    http://www.4shared.com/zip/BnzUp1xD/Brigitte_Montfort_64-Rei_Morto.htm

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu pela lembrança Ricardo! É sempre bom recordar a nossa querida "Baby".
      Abcs.

      Excluir
  25. Caro José Antônio,

    Acabo de inaugurar meu blog que trata exclusivamente de Giselle e Brigitte Montfort. Os posts são resultados de pesquisa que estou desenvolvendo sobre o assunto e a ideia é manter o blog com o maior nível de confiabilidade das informações.

    Espero que goste.

    http://brigittemontfort.blogspot.com.br/

    Abraços,

    Startler

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Startler,
      Vi o seu blog. Muito bom. Várias informações interessantes sobre Baby e seus idealizadores (Lou Carrigan e Benício - autor das capas). Fico contente pelo surgimento de mais um espaço dedicado aos fãs de Brigitte Montfort.
      Parabéns pela iniciativa!

      Excluir
  26. Amigos:

    Acordei hoje com a imagem de 2 personagens de livros de bolso, na cabeça.Havia sonhado com eles que eram meus idolos nos anos 70. A Brigitte Montfort voces resgataram para mim, pelo que fico devedor, fã e visitante. Falta o herói masculino, espião freela ( modus operandi de ontem como os escritores do mundo de hoje) que trabalhava para a Cia,que naquela epoca era pró bem. Ele tinha uma ilha no Havai, 6 ou 7 noivas ( uma loira -gerda-) uma morena uma ruiva uma chinesa uma africana - Mabata - são as que me lembrouma para dia da semana, um avião a jato militar para se deslocar pelo mundo e sua arqui inimiga era a senhora do mundo, uma mulher deliciosa e semi nua que fumava cigarro turcos de fumo verde. Voce e seus apoiadores do BLOG, ajudem ai.

    Rac Avila - racavila@gmail.com

    ResponderExcluir
  27. Muito bom, viajei no tempo... li demais 007... tinha muitos exemplares, mas da mesmo maneira os perdi em mudanças e emprestando...

    ResponderExcluir
  28. Idem Crispim... Também perdi minha coleção de 'livrinhos' de Brigitte Montfort. Talvez, naquela época, eu não tinha consciência da importância dessas histórias que se transformariam num verdadeiro ícone da cultura pop dos anos 70 e 80.
    Pois é, já era... já foi... uma pena.
    Abcs!

    ResponderExcluir
  29. DESSES 500 LIVROS EU TIVE PELO MENOS UNS TREZENTOS, INCLUSIVE OS D GISELLE TAMBÉM, MAS UM DIA, PRECISANDO DE ESPAÇO, ME DESFIZ DE TODOS, VENDI-OS PARA UM SEBO. NÃO IMAGINAVA QUE TANTOS ANOS DEPOIS SENTIRIA TANTA FALTA DELES E DE COMO EU GOSTARIA DE LER NOVAMENTE.
    EU LI TANTOS LIVROS QEU SABIA PRATICAMENTE TUDO SOBRE ELA, COMO SE FOSSE ALGUPEM MUITO PRÓXIMA, NÃO SIMPLESMENTE UMA PERSONAGEM.
    SUA PEBIA PREFERIDA: DOM PERIGNON, SAFRA DE 1950, COM UMA CEREJA NO FUNDO.
    DATA DE ANIVERSÁRIO: 2 DE JULHO
    ANIMAL DE ESTIMAÇÃO: C´[ICERO, UM CHIUAUA
    ÚNICA JÓIA QUE NORMALMENTE USAVA: UM RELOGINHO DE PULSO CRAVEJADO DE PEQUENOS DIAMANTES, ELA NÃO PRECISAVA DE J´POIAS, SUA BELEZA AS OFUSCAVA.
    COR PREFERIDA: AZUL

    ResponderExcluir
  30. Eu também era fá da Brigitte, e pegava "emprestados" os livrinhos no "arquivo secreto" de um tio, que eu e meus primos havíamos descoberto. Muito legal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha só Carlos! Temos histórias quase que semelhantes. Será que esse arquivo secreto do seu tio seria um armário (rs)?
      Abcs;

      Excluir
  31. Olá, pessoal! Qual historia voces recomendariam para virar um filme hoje?! Obrigada!

    ResponderExcluir
  32. Veio a lembrança da Brigitte e me deu uma saudade! Li muito quando era adolescente porque meu pai não gostava que eu lesse os livros de faroeste que ele lia, então ele comprava pra mim os livros de espionagem porque tinha menos violência. rsrsrs
    Eu amava, li muitos e gostaria de relê-los.
    Achei alguns no Mercado Livre por R$19,00.

    ResponderExcluir
  33. Veio a lembrança da Brigitte e me deu uma saudade! Li muito quando era adolescente porque meu pai não gostava que eu lesse os livros de faroeste que ele lia, então ele comprava pra mim os livros de espionagem porque tinha menos violência. rsrsrs
    Eu amava, li muitos e gostaria de relê-los.
    Achei alguns no Mercado Livre por R$19,00.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você ainda pode encontrar Brigitte Montfort na 'estante virtual' (www.estantevirtual.com.br). Há vários exemplares por lá.
      Abcs!!

      Excluir
  34. MEU DEUS, QUANTAS SAUDADES. ESTAVA AQUI LENDO O LIVRO DO FREDERICK FORSYTH, O QUARTO PROTOCOLO E ME LEMBREI DA MINHA HEROÍNA BRIGITTE. MEU PAI COMPRAVA ESSES LIVROS SÓ PARA MIM E EU AMAVA. VOU PROCURAR NO ENDEREÇOS INDICADOS PRA VER SE CONSIGO ALGUMA COISA.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mirian, com certeza, você encontrará um 'arsenal' de livros de Brigitte Montfort no Portal Estante Vitual. Confira neste link:

      http://www.estantevirtual.com.br/busca?q=brigitte+montfort

      Excluir
  35. Meu Deus, quanta lembrança! As melhores estórias que li em minha vida, adorava ler enquanto Baby Montford transitava como em um filme em suas ações. Belo tempo esse! Parabéns pelo post.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, os jovens de hoje nem sabem o que é ler um bolsilivro como esse. Meu nome é Zé Mauro.

      Excluir
    2. Lembranças especiais, não é mesmo? Brigitte Montfort também fez parte da minha infância-adolescência e também de milhares de outros leitores.
      Abraços!

      Excluir
  36. tive um amigo que escrevia livros dessa série sem receber creditos, seu nome era Antonio, também escrevia recruta zero e fantasma, me chamou pra fazer os desenhos e não me senti seguro, pq apesar de trabalhar com desenho, me achava fraco. Hoje sequer vejo créditos ao trabalho do cara, que vivia com problemas mentais e com drogas. Chegou a ter um reconhecimento no JB, na dpecada de 80, quando na revista de domingo foi apresentado como o maior escritor em quantidade de livros escritos e publicados no país. Hoje sequer lembro do seu sobrenome, pois já se vão mais de 25 anos, mas ele era mais um talento brasileiro explorado e esquecido pelo capitalismo cruel e sem moral.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa, que história!
      Onde posso encontrar mais informações sobre o trabalho desse seu amigo. Daria uma matéria e tanto!

      Excluir
  37. Não é só em sebos que podemos encontrar as aventuras da deliciosa agente da CIA. No blog "savajo.blogspot.com" encontramos digitalizadas mais de 200 histórias da agente "Baby". Os arquivos em PDF são formatados de uma maneira bem legal para ler em dispositivos móveis. Vale a pena conferir.

    ResponderExcluir
  38. Li muito... aguardava ansiosamente por novas edições. Brigitte fez parte da minha adolescência e fazia meu imaginário viajar para terras e situações eletrizantes e apaixonantes. Lembro que chegaram a compilar algumas das melhores histórias em livros e comprei alguns. Fui e sou fâ de carteirinha.
    Parabéns pelo Blog e pelo post em especial. Faz bem à alma relembrar o passado com gente que curtiu as mesmas paixões. Abcs.

    ResponderExcluir
  39. Olá pessoal. Estou procurando um exemplar do episódio da Brigitte intitulado "As amendoeiras florescem na China". Já comprei 3, porém, em estado lamentável. Quero dar de presente para minha irmã que completará 60 anos em breve. Se algum de vocês possuir um desses em estado (quanto mais bem conservado, melhor). Agradeço.

    ResponderExcluir
  40. Alguém sabe me informar um dos livros da Brigitte que aparece o amor da vida dela, o Número 1?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A 208 "Um Espião no Cérebro" tem o Nunero 1!

      Excluir
  41. Muito feliz em ler tantos comentários sobre minha heroína predileta na adolescência. Li todos os livros da Brigitte. Fez com certeza minha adolescência mais feliz. Um primo que me emprestava os livros de vez em quando resolveu me presentear com a coleção. Depois fui comprando a medida que os livros iam sendo publicados. Muitas saudades!!!!

    ResponderExcluir
  42. Se alguém tiver a colecao completa ou incompleta ou so alguns livro eu compro! entra em contato... meu email para seuriusa@hotmail.com

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...