sexta-feira, 29 de abril de 2016

O Médico e o Monstro (O Estranho Caso de Dr. Jekyll e Mr. Hyde)

Fico imaginando a expressão de surpresa dos devoradores de livros europeus e americanos do século XIX ao concluírem a leitura de “O Estranho Caso de Dr. Jekyll e Mr. Hyde” que décadas depois seria lançado no Brasil com o título de “O Médico e o Monstro”. Temos que entender que na época da publicação do romance de Robert Louis Stevenson, o enredo envolvendo um médico distinto e educado que após beber uma poção acaba se transformando num ser bestial e violento era inédito, ou como queiram completamente virgem de spoilers. E a magia da obra do escritor escocês está justamente no mistério que envolve os dois personagens: Dr. Jekyll, o bonzinho, e Mr. Hyde, o sujeito mau.
O leitor só irá descobrir que os dois são um só perto do final do livro – antes que me excomunguem por ter revelado um spoiler fatal, lembrem-se que a essência da história de Stevenson, incluindo o seu final, já se tornou conhecida por milhares de pessoas em todo o mundo – através de duas epístolas escritas por Jekyll e seu amigo Dr. Lanyon; este último, inclusive, após presenciar ‘cara a cara’ a transformação de Mr. Hyde acaba perdendo a razão, mas antes disso, ainda consegue escrever uma carta.  
Enquanto essas cartas não são reveladas, os leitores acreditam piamente que Jekyll e Mr. Hyde são duas pessoas distintas que mantém um relacionamento misterioso e submisso. Quem não conhece o romance, com certeza, irá questionar os motivos que levam o Dr. Jekyll a ser tão subserviente com Mr. Hyde. E então, nas páginas derradeiras é revelado o ‘grand finale’ que deixa todos de queixo caído. Uma sacada e tanto de Stevenson.
Mas a obra-prima do autor não se resume apenas a esse ‘grand finale’. Longe disso. “O Médico e o Monstro” foi  uma obra pioneira no século XIX ao abordar o Transtorno Dissociativo de Identidade conhecido popularmente como “Dupla Personalidade”. Esta condição mental em que um único indivíduo demonstra características de duas ou mais personalidades ou identidades distintas, cada uma com sua maneira de perceber e interagir com o meio, só passou a ser abordada em livros, novelas e filmes ‘uma légua’ de anos depois. Podemos dizer que Stevenson foi o grande desbravador do tema. Ele teve coragem suficiente para adapta-lo numa história de ficção em uma época não muito propícia para esse tipo de abordagem.
Acredito que “O Médico e o Monstro”, mesmo discretamente, serviu de inspiração
para outros trabalhos no cinema, literatura e televisão, entre os quais: “Vestida para Matar” (Brian de Palma), “A Janela Secreta” (David Koepp), “Instinto Secreto” (Bruce A. Evans), “Irmãos Coragem” (novela da extinta TV Tupi), “Conte-me Seus Sonhos” (Sidney Sheldon), entre tantos outros.
Em 1886, o impacto do romance escrito por Stevenson foi tanto que se tornou parte do jargão inglês, com a expressão "Jekyll e Hyde" usada para indicar uma pessoa que agia de forma moralmente diferente dependendo da situação.
“O Estranho Caso do Dr. Jekyll e Mr. Hyde” foi um sucesso imediato e uma das obras mais vendidas do autor escocês. Adaptações teatrais começaram a ser encenadas em Londres um ano após o seu lançamento.
O aclamado autor de literatura de terror, Stephen King considerou a obra um dos três grandes clássicos do gênero, sendo os outros dois: “Frankenstein” (Mary Shelley) e “Drácula” (Bram Stoker).
Gostei muito do livro. O autor mescla investigação criminal com outros elementos como terror e suspense. Mesmo já sabendo o que aconteceria no final, as páginas de “O Médico e o Monstro” conseguiram prender a minha atenção.
A escrita de Stevenson é perfeita e o enredo transcorre de uma maneira tão natural que sem perceber, você já se vê envolvido – ou melhor, mergulhado até as profundezas – da trama. Cara, não sei como existem pessoas que ainda criticam o texto do sujeito, chamando-o de simplório. Mêo, menos né?!
A composição dos personagens também é perfeita, principalmente Mr. Hyde, muito diferente do monstrengo dentuço e peludo do filme de 1931 ou então daquela bizarrice em que John Malkovich se transformou no final de “O Segredo de Mary Reilly”, produção cinematográfica de Stephen Frears de 1996. Stevenson criou um Mr, Hyde que provoca calafrios, mas sem mudanças drásticas em sua aparência. Ele é a verdadeira essência do mal - tanto é que nenhuma pessoa consegue ficar muito tempo ao seu lado, pois já começa a se sentir mal e apavorada. Pois é, o Hyde idealizado pelo autor consegue transmitir essa aura de medo e mal estar sem, contudo, ser um monstro em sua aparência.
No romance, um respeitado médico, dr. Jekyll, faz pesquisas para entender os impulsos e os sentimentos humanos mais profundos e a acaba por criar uma droga que libera o seu lado mais primitivo e animal. Dessa maneira, ele assume a forma de Mr. Hyde. 
Se Jekyll é um médico educado e dedicado à pesquisas que visam o bem-estar geral através do conhecimento, a “monstruosidade” de Hyde está, essencialmente, em sua entrega aos prazeres e à luxúria como um fim em si, por quaisquer meios, incluindo a força física e até mesmo tortura e morte.
Devorei as 112 páginas do livro num piscar de olhos.

Inté!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...