quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Livro “Medo de palhaço: A enciclopédia definitiva sobre palhaços assustadores na cultura pop” busca explicações para a coulrofobia

Tenho um amigo – desde os tempos de infância – que filho ama os espetáculos circenses. Para o pequeno Tedy (nome fictício) não tem malabaristas, trapezistas ou animais adestrados. O seu lance é um só: os palhaços. Tudo seria normal se não fosse um pequeno detalhe: o seu pai sofre de coulrofobia, ou seja, tem medo de palhaços.
Man! Toda vez que chega um circo na cidade é um verdadeiro perereco, já que Tedy quer de qualquer jeito que o seu pai o acompanhe nos shows. A salvadora da Pátria, nesses momentos, é Simone (nome também fictício), mãe da criança que se transforma no anjo da guarda do sujeito que sofre da síndrome de coulrofobia. Quando os palhaços entram em cena, esse meu amigo dá as desculpas mais esfarrapadas para o filho: diz que vai dar uma saidinha para fumar, comprar um lanche, pipoca, ir ao toalete; enfim, vale qualquer coisa para escapar dos ‘malignos’ palhaços. Ele saí; ela, Simone – que já está familiarizada com a fobia do marido -  fica.
Alguns leitores podem achar que tudo isso não passa de frescura, mas na realidade, aqueles eu pensam dessa forma é o que são os frescos. Cara, essa fobia é fóda. Só quem tem para comensurar o tamanho do sofrimento. Ao deparar-se com algum indivíduo vestido de palhaço, os portadores dessa fobia têm ataques de pânico, perda de fôlego, arritmia cardíaca, suores e náusea.
Para que vocês entendam a gravidade da síndrome, se um coulrofóbico – por algum motivo – fosse obrigado a assistir ao filme ou ler o livro “A Coisa” de Stephen King, acredito que enlouqueceria, porque muitas vezes o simples pensamento sobre palhaços já deixam essas pessoas muito abaladas.
Pesquisa realizada em 2014 pelo instituto YouGov, na Inglaterra, apontou o palhaço como o décimo colocado em um ranking de elementos com maior potencial para despertar fobia. Participaram da pesquisa 2 mil pessoas. Outro estudo publicado pela revista New Ideas in Psychology apontou o fator da imprevisibilidade como algo fundamental para despertar a desconfiança do público em relação aos palhaços. Cerca de 1,3 mil voluntários com mais de 18 anos listaram características consideradas por eles assustadoras e fizeram um ranking das profissões mais arrepiantes. Os palhaços lideraram com folga.
Cientes do fascínio pela figura do palhaço assassino em várias mídias, o coletivo Boca do Inferno - formado por Marcelo Milici, Filipe Falcão, Gabriel Paixão, Matheus Ferraz e Rodrigo Ramos – lançou no final do ano passado “Medo de palhaço: A enciclopédia definitiva sobre palhaços assustadores na cultura pop” (Generale, 288 páginas, R$ 59,90). O livro que está a venda nas principais livrarias virtuais analisa mais de 150 obras e busca explicações para a coulrofobia na história e na psicologia.
Para o pesquisador e jornalista pernambucano Filipe Falcão, o palhaço é uma figura facilmente identificável e com potencial para despertar o interesse do público. “No cinema, por ter ganho essa importância, tornou-se parte de uma receita fácil. É como um filme de zumbi. Não precisa ter roteiros mirabolantes, diferentemente de produções de drama e aventura, cuja audiência é mais exigente”, opina. Segundo o autor, os longas-metragens protagonizados por palhaços têm grande variedade, indo desde filmes muito bem produzidos até alguns de baixíssimo orçamento, com um elenco mais fraco. 
Um divisor de águas, segundo ele, foi a adaptação, no fim dos anos 1980, do livro It (A coisa), escrito por Stephen King. Isso porque o palhaço deixou de ser coadjuvante - em produções “trash”, “bagaceira” - para se tornar um dos principais vilões da época. Sobre a recente onda de “palhaços assassinos” em espaços públicos, Filipe diz ter sido uma “feliz coincidência”, pois se tornou a “melhor divulgação possível” para o livro recém-lançado. “A brincadeira é válida, mas é preciso ter uma série de cuidados, principalmente com pessoas mal intencionadas. O problema do palhaço, assim como todo personagem mascarado, é não saber quem está lá”, finaliza.
O livro do coletivo Boca do Inferno adentra nos bastidores dos picadeiros, desde os primórdios do circo, buscando explicações na história e na psicologia para o surgimento do coulrofobia. Os autores instigam pesadelos em tons rubros ao contar sobre os assustadores carnavalescos bate-bolas, o mito dos palhaços ladrões de órgãos e John Wayne Gacy, o verdadeiro palhaço assassino.
Trata-se de uma boa indicação de leitura para aqueles que desejam conhecer um pouco mais sobre as origens da coulrofobia.

Ainda não tenho o livro, mas estou com vontade de adquiri-lo. Vamos ver...

sábado, 14 de janeiro de 2017

Ainda estou enroscado em “Os Eleitos” de Tom Wolf

Tudo bem que seja considerado um clássico da literatura e uma obra prima do 'new journalism', mas confesso que a leitura de "Os Eleitos" de Tom Wolfe 'tá' complicada. Cara, me enrosquei no livro! Detalhista ao extremo, ou melhor, ao 'extremíssimo' e consequentemente cansativo. Desculpe-me a sinceridade; talvez esteja - neste momento - deixando muitos fãs da obra de Wolfe, boquiabertos com a minha opinião, mas prefiro ser assim, trabalhar com a verdade.
Talvez a carência de personagens carismáticos que conquistem o leitor, sejam esses personagens 'mocinhos e mocinhas', bad-boys e bad-girls possa ser um dos motivos do texto morno. Concordo que a história real do "Projeto Mercury", idealizado pelos gringos que foi o primeiro projeto tripulado de exploração espacial da Nasa é interessante, mas Wolfe deu muitas reviravoltas em torno do enredo, deixando-o cansativo. Quanto aos astronautas do Mercury, bem... suas histórias são comuns.
Concordo que é muito difícil para um escritor criar um enredo com personagens que existiram, de fato, principalmente se o dia a dia deles teve pouco sex appeal. Trabalhar com um personagem irreal é muito mais fácil, já que o autor pode dar asas a sua imaginação.
Para não dizer que estou sendo duro demais, asseguro que gostei muito da primeira parte de “Os Elietos” que aborda o dia a dia dos valentes pilotos de provas da Base Aérea de Edwards, na Califórnia, nos anos 50 e 60, que lutavam para conseguirem vencer a barreira do som. Amigo... cada vôo era uma aventura.
A comunidade fechada desses pilotos era cheia de regras e conceitos que chegavam a virar tabus para aqueles que não estavam acostumados. Por exemplo, quando um piloto morria durante um teste – o que era muito comum – ninguém (absolutamente ninguém) podia anunciar o óbito para a esposa da vítima, além do capelão da base que era conhecido como “Anjo da Morte”.
Wolfe ainda descreve em detalhes o dia a dia desses pilotos, os perigos enfrentados, o relacionamento com os seus familiares e por aí afora.  Fantastic! Então, para temperar ainda mais a breve primeira parte da obra, entra em cena o mito Chuck Yeager. Sabem quem é? Simplesmente, o sujeito que conseguiu demolir a barreira do som! A partir daí amigo, a história fica ainda mais emocionante ainda. E como! Para aqueles que não sabem, vale contar uma historinha curiosa sobre o mito, Vai lá: Era pouco mais de 6 da manhã quando Yager foi lançado do compartimento de um B-29, o mesmo bombardeiro que realizou os ataques sobre Hiroshima e Nagasaki. Ah! Detalhe: ele estava com duas ou mais costelas quebradas – já que um dia antes do teste, o piloto resolveu andar de cavalo durante a madrugada após um porre e acabou caindo do animal, quebrando as danadas das costelas. E mesmo estropiado e com muita dor, ele caiu como uma bomba no compartimento do bombardeio e entrou em um estranho aviãozinho, o Bell X-1.
Na briga para quebrar a barreira do som, Yeager perdeu sustentação, viu os controles entrarem em parafuso, quase caiu, mais conseguiu manter o tal ‘aviãozinho’ no ar e o mais importante: romper a ‘Dona toda prepopente Barreira do Som”.
Pois é galera, era 14 de outubro de 1947, o dia em que o primeiro ser humano voou além da velocidade do som, saindo da Base Aérea de Edwards, na Califórnia. Nas palavras do próprio piloto, em seu livro "Yeager: An Autobiography" (no Brasil, "Voando nas Alturas"), ele 'avançava em direção a um território desconhecido'.
Mas então... entra em ação os astronautas do Projeto Mercury e a ‘ coisa’ degringola.

Tão logo, consiga desenroscar do livro, farei a resenha.

domingo, 8 de janeiro de 2017

Editora Aleph lança edição especial de 30 anos do clássico Forrest Gump

Capa 01
Se você é fã de Forrest Gump e teve a oportunidade de assistir apenas ao filme, a editora Aleph colocou, recentemente, no mercado literário um presentaço. Trata-se de uma edição comemorativa, luxuosa ao extremo que deixarão os leitores pirados. E quando digo ao extremo, lembro que ainda estou sendo modesto. O layout do livro é coisa de outro mundo, galera. Acredito que até mesmo aqueles que não gostaram do filme – e com certeza, são poucos – acabarão adquirindo a obra ‘repaginada’ de Winston Groom.
Mas por que todo esse alarde  em torno do livro lançado originalmente em 1986? Simples meu caro Watson. Em novembro último, completou-se 30 anos da obra prima de Groom. Capiche? E para não deixar a efeméride passar em branco e principalmente de olho na lucratividade, a Aleph decidiu lançar uma edição inteiramente reformulada.
O livro que chegou às bancas no final de novembro de 2016 tem acabamento em capa dura, 13 ilustrações do quadrinhista Rafael Coutinho e um ensaio comparando o livro à sua adaptação cinematográfica, escrito pela francesa Isabelle Roblin – professora da Université du Littoral-Côte d’Opale.
A capa é dupla-face: uma sobrecapa de papel com impressão em ambos os lados
Capa 02
permite ao leitor escolher o seu design favorito do artista Pedro Inoue, o mesmo de 2001: “Uma Odisséia no Espaço” e a da edição comemorativa de 50 anos de “Laranja Mecânica”.
A obra literária apresenta a história original de Forrest, o inocente e sincero protagonista de um dos mais memoráveis romances norte-americanos (veja comentário sobre o livro aqui). Foi dele que saíram as principais situações que ganharam o público nos cinemas: desde a dificuldade de Forrest com as palavras até a viagem a China comunista. O enredo idealizado por Groom foi muito bem representado pelo ator Tom Hanks e o diretor Robert Zemicks no  filme homônimo que fez bastante sucesso entre o público e a crítica e conquistou 6 Oscar, incluindo a categoria de Melhor Filme.
Tudo bem, tudo bom, mas... Putz, tem a má notícia: o preço. Num levantamento feito pelo ‘Livros e Opinião’, o valor mais acessível é de R$ 55,93 na Fnac Brasil. Depois temos R$ 60,19 na Amazon, R$ 79,90 na Cultura, R$ 78,90 na Americanas, Submarino e Shoptime.

Bem carinho, né? Mas para os fãs de Forrest Gump qualquer sacrifício vale à pena.

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

“Inferno”: As diferenças gritantes entre livro e filme

Quando confirmaram que, de fato, haveria a adaptação cinematográfica de “Inferno”  do grande Dan Brown, juro que fiquei piradão, loucaço, fora de mim! Cara, comecei a delirar com os meus botões: - Drª Siena Brooks, finalmente poderei vê-la em ‘carne e osso’. – Era delírio, mesmo! Tudo porque me apaixonei pela personagem criada por Brown. C-a-r-a-c-a, que mulher! E não só pela sua casca – muito bonita, aliás – mas também pelas suas atitudes, coragem e personalidade. Caramba, qual atriz seria a eleita? Qual delas teria a honra de interpretar a loiríssima médica que costuma amarrar os seus cabelos no formato rabo de cavalo?
Adrenalina, hormônios, enfim, expectativas a mil. Entonce, vem a confirmação da atriz que vestiria a ‘roupa’ da personagem. PQP!!!! %$#*&¨%$#@!%& e mais outra enxurrada de palavrões que não posso ‘soltar’ nesse post. Fiquei fulo da vida com o nome escolhido. Fulíssimo. Mêo, foi a pior das piores escolhas! Entendam que eu não estou questionando o talento de Felicity Jones, pelo contrário; trata-se de uma atriz muito competente e que já mostrou o seu valor em “Teoria de Tudo” onde a sua Jane Hawking chegou a ser indicada ao Oscar de Melhor Atriz; mas... no caso de “Inferno” a escolha foi infeliz. Ela não tem nada a ver com a Drª Brooks do livro.
Pensei que o meu inconformismo ficaria, pelo menos, um centímetro aplacado após assistir ao filme. Piorou! A Siena Brooks de Jones é triste de se ver. Pra ser sincero, dói a alma. Como não bastasse essa incompatibilidade ‘atriz-personagem’, o diretor Ron Howard e os roteiristas que adaptaram o livro de Brown, simplesmente mataram a história fantástica das páginas.
Por ter gostado tanto da obra literária resolvi escrever esse post, apontando as diferenças gritantes entre livro e filme. Antes de tudo, é bom avisar aqueles que ainda não leram o livro ou assistiram ao filme, que esse texto está repleto de spoilers brabíssimos que podem estragar o prazer de alguns. Por isso, leiam por sua conta e risco. Bem, vamos as diferenças, começando pela personagem principal.
01 – Cadê o meu rabo de cavalo?
A Sienna Brooks do livro é hiper-loira e tem o hábito de prender os seus cabelos num rabo de cavalo, tanto que Brown a descreve como “a loira de rabo de cavalo”. Anote outro detalhe importante: esse cabelo, na realidade, é uma peruca já que a médica é careca. Verdade! Ela sofre de uma espécie de alopecia relacionada ao estresse. Cara, achei esse mote criado pelo autor fantástico, foi uma carta que ele guardou na manga para derrubar o queixo dos leitores. Enquanto isso, a Sienna vivida por Felicity Jones é morena, tem os cabelos soltos e não sofre de alopecia nervosa, em conseqüência disso, não é careca. Putz!
Felicity Jones como Sienna Brooks
02 – Sienna do bem x Sienna do mal
Mas não foram apenas as características físicas da personagem que foram alteradas; as atitudes, também. A Drª Sienna das telas concorda cegamente com os métodos radicais de Bertrand Zobrist - seu mentor/namorado - que planeja reduzir a população mundial, antes que o planeta terra entre em colapso. No livro, a médica é da ‘turma do bem’. Apesar de entender as preocupações de seu mentor com o futuro da humanidade, ela discorda dos seus métodos radicais que contem altas doses de terrorismo. Por isso, a Sienna das páginas decide se unir com a Drª Elizabeth Sinskey, diretora da Organização Mundial de Saúde (OMS), para encontrar uma saída para o problema causado pelo seu mentor. A moça também não trai Robert Langdon como fêz a sua cópia das telas; pelo contrário, ela ajuda o simbologista de Harvard a encontrar o vírus letal.
03 – Cabelos prateados e espetados
Voltamos a falar escrever sobre o visual da mulherada de “Inferno”. Visual, aliás, que o diretor Howard insistiu em mudar, para pior. Duas personagens importantes da trama de Brown foram metamorfoseadas de uma maneira, digamos... infeliz. No livro, Langdon se refere a Drª Elizabeth Sinskey como “a mulher de longos cabelos prateados”. Tá bom. Quer saber no filme? Castanhíssimos! E sem nenhum fiozinho branco. O que convenhamos, é bem estranho para uma personagem que nas telonas tem aproximadamente 60 anos de idade.
Quanto a Vayentha, a agente da misteriosa da organização “O Consórcio” que persegue Langdon durante boa parte da trama, manteve a cor de sua pele, mas os cabelos, mudaram da água para o vinho. Brown compôs uma personagem de cabeleira espetada, com uma imagem punk, já no cinema, a garota é mais discreta, mantendo os cabelos
lisos e presos penteados para baixo.
Vayentha
04 – Onde estão Christoph Bruder e Jonathan Ferris?
Logo no início do livro, o leitor é apresentado a Christoph Bruder, agente do setor de Suporte ao Monitoramento e Crise (SMI) que dá apoio a Organização Mundial de Saúde na caçada a Langdon.  Bruder é um verdadeiro Buldog que não dá folga para Langdon seguindo incansavelmente os seus passos. No final, ambos passam a trabalhar juntos para impedir a disseminação do vírus.
Em determinado capítulo da história, surge numa igreja, em Florença, um sujeito chamado Jonathan Ferris que se identifica como um representante da OMS. Ele se oferece para patrocinar a viagem de Langdon e Sienna para Veneza. O casal de protagonistas descobre que Ferris está contaminado com o vírus criado por Zobrist. Nas páginas finais do livro se descobre que o cara trabalhava para o “Consórcio” e tinha por objetivo proteger Langdon e Sienna de seus perseguidores.
Ok, Ok, mas... onde estão esses dois personagens no filme? É simples, amigo. Eles não estão! Bruder e Ferris foram incorporados num só homem chamado Christoph Bouchard (Omar Sy), cujo objetivo é se apossar do vírus para comercializá-lo no mercado negro. Para isso, ele se aproxima de Langdon e Sienna, finge que os estão ajudando a fugir de seus algozes, mas acaba dando o bote e seqüestrando o professor de simbologia. Mediante ameaças de morte, Bouchard tenta obrigar Langdon a revelar o local onde  se encontra o tão famoso e perigoso vírus. Ehehehehe.... acho que o diretor do filme soltou a pérola: - Prá que perder grana e tempo com dois personagens secundários? Vamos juntar esses dois num só! Resultado:  Howard conseguiu transformar dois personagens interessantes em um único personagem babaca. Uma pena.
Um caso antigo de Langdon
Drª Elizabeth Sinskey
Uhauuuu!!! O tão respeitoso e discreto professor da Universidade de Harvard teve um caso caliente no passado. Podem acreditar!! Bem... pelo menos no filme, isso aconteceu. Na produção cinematográfica Robert Langdon e Elisabeth Sinskey viveram no passado uma tumultuada, mas apaixonada, relação. Cada troca de olhares entre os dois deixa evidente aquela chama que ainda está acessa no fundo dos seus corações. Eles revelam que possuíam uma história de amor antiga que só foi interrompida porque Sinskey decidiu investir em sua carreira profissional, aceitando um cargo importante na OMS. Já no livro, a relação entre os dois personagens  é apenas de amizade e admiração mutua. Nada de olhares apaixonados e recordações fogosas.
Final diferente
O plot de livro e filme são os mesmos com Sienna Brooks se revelando amante de Bertrand Zobrist e tramando localizar o vírus por conta própria, utilizando para isso a colaboração de Robert Langdon, que por sua vez, nem desconfiava das intenções da médica. Quanto ao desfecho: bem diferentes um do outro.
No enredo de Brown, Sienna apóia a causa de Zobrist que deseja combater a superpopulação mundial, mas muda de idéia quando descobre quais são os métodos radicais que o cientista decide empregar: criar um vírus que deixaria um terço da população estéril. Ela tenta evitar a propagação, mas acaba descobrindo que o patógeno havia sido liberado dias antes. Após abrir o jogo, pede desculpas a Langdon; o professor aceita e ela ganha anistia de seus crimes. Arrependida, Brooks se dispõe a ajudar Elizabeth Sinksey a lidar com as consequências do vírus diante da OMS.
Na versão cinematográfica, Sienna trai a confiança de Langdon e o abandona em Veneza quando descobre que o vírus está escondido em Istambul. Obcecada pela idéia, resolve levar adiante a causa sinistra de Zobrist, tentando liberar o vírus por conta própria. Após um confronto com Langdon, os agentes da SMI e o Diretor do Consórcio, ela acaba morrendo durante a ação.
Quando ao ‘poder de fogo’ do vírus, no final do filme, tudo fica no ar, ou seja, o cinéfilo não sabe se a criação de Zobrist causa esterilidade ou a dizimação da população.

Cá entre nós, gostei muuuuuito mais do livro. Mil anos-luz!