quarta-feira, 6 de maio de 2015

10 super-heróis brasileiros fodásticos das histórias em quadrinhos

Muitos brasileiros que curtem histórias em quadrinhos ficaram tão bitolados nos super-heróis da Terra do Tio Sam que se esqueceram completamente dos nossos super-heróis brazucas. Aliás, alguns, de tão bitolados, mal sabem que o Brasil também produz personagens com poderes equivalentes ou até mais interessantes do que vários figurões da Marvel ou da DC Comics.
Cara, a literatura brasileira em quadrinhos, do gênero super-heróis, é muito rica e só difere da Marvel e DC por causa da bilionária estrutura de marketing e distribuição. E nós, leitores, quase sempre somos engolidos por essa estrutura e acabamos nos esquecendo de tantas coisas boas produzidas aqui, na terrinha, e que só não vão para frente por falta de investimento e patrocinadores.
Nossos super-heróis são do cacete galera! Se eles tem o Capitão América”, nós temos o Capitão R.E.D; se eles arrebentam com a Mulher Maravilha, nós arrebentamos com a Velta; se eles tem super força e voam com Superman; nós voamos e envergamos aço com o Capitão Sete.
Por isso, neste post gostaria de prestar uma homenagem aos roteiristas, desenhistas e editoras independentes que lutam para promover os seus super-heróis. Ainda ontem, quando tive o insight de escrever esse post, cheguei a conclusão de que os verdadeiros super-heróis brasileiros são as pessoas que ficam atrás dos quadrinhos, ou seja, os roteiristas, desenhistas e editores independentes. Eles merecem todo o nosso respeito porque além de enfrentar o preconceito de que super-herói tupiniquim só serve para piada, ainda tem que lutar pela sobrevivência dentro de um contexto dominado por duas gigantes: Marvel e Comics.
Selecionei dez super-heróis brasileiros considerados os “bambans” do momento. Sei que é difícil encontrar nas bancas revistas em quadrinhos que abordem as aventuras dessa “tchurma”, mas vale à pena vasculhar em sebos, na internet e nas redes sociais atrás de alguma publicação perdida. Acredito que o “Santo Google” será de grande importância nessa hora. Não custa nada digitar à esmo palavras ou frases com os nomes dessa galera-super. Com certeza irão aparecer dezenas de links que lhe encaminharão para algum texto em pdf com o historio do brazucão ou então, endereços indicando onde se encontram as tão sumidas revistinhas em quadrinhos. Ao final do post deixarei alguns links onde vocês poderão encontrar algumas ‘cositas’, mas o meu conselho é fuçar e fuçar na internet e nas redes sociais. Lembre-se daquele ditado popular: “Os perseverantes sempre prosperam”.
E vamos com os nossos super-heróis brazucaços!
01 – Capitão 7
Oh! Oh! Oh! Adivinhe se não iria abrir essa relação com ele: o “pai” dos super-heróis brasileiros. O Capitão 7 surgiu no início dos anos 50 e pode ser considerado o primeiro super-herói brasileiro dos quadrinhos. Os outros só dariam as caras quase uma década depois quando pequenos editores brasileiros em parceria com desenhistas locais – aproveitando a onda de sucesso dos heróis da Marvel da Ebal -  resolveram também criar seus clones. Mas o Capitão 7 nasceu bem antes dessa onda. Ele é oriundo da TV e só viria fazer parte da galeria dos super-personagens dos quadrinhos bem depois. Ele nasceu na TV Record de São Paulo e foi exibido ao vivo pela primeira vez em 1954 . Foi criado pelo ator e boxeador Ayres Campos, que também o interpretava. O Capitão tinha como assistente a então garota-propaganda da Record, Idalia de Oliveira. Contava com sua nave, onde observava as atitudes dos demais humanos na Terra. Quando encontrava alguém em apuros, descia da nave, vestia seu capacete e sua inconfundível roupa, com um "sete" atravessado por um relâmpago no peitoral. O número sete era por causa do canal. Assim, todos associavam o Capitão Sete, como o "herói da Record", "herói do 7".
O brazucão fez tanto sucesso na TV que acabou ganhando um gibi próprio que teve início em 1959 pela editora Continental/Outubro. Os quadrinhos eram desenhados por Jayme Cortez, Júlio Shimamoto, Getúlio Delphin, Juarez Odilon, entre outros artistas. Os roteiros das histórias eram desenvolvidos por Helena Fonseca, Hélio Porto e Gedeone Malagola.
E o sucesso do Capitão Sete não parou por aí. Ele teve vários produtos licenciados nos anos 50 e 60 como lancheiras, bonequinhos, etc.
Os poderes do Capitão Sete eram idênticos aos do Superman. Ele podia voar e se mover com grande velocidade. Também possuía super-força, sendo praticamente invulnerável. Seus poderes , no entanto, funcionavam completamente apenas enquanto estava usando seu uniforme especial, que Carlos (alter-ego do Capitão) mantinha guardado em uma caixa de fósforos enquanto mantém a sua identidade civil.
02 – Raio Negro
Raio Negro foi criado no final de 1964 pelo roteirista, desenhista e editor de quadrinhos Gedeone Malagola, cuja origem lembra um pouquinho o Lanterna Verde. O uniforme  do herói se assemelha ao do Ciclope dos X-Men (na década de 60). Mas, segundo Gedeone, o visor usado pelo Raio Negro não tem nada a ver com o visor do líder dos X-Men.
O desenhista brasileiro se inspirou no Lanterna Verde para criar o seu herói tupiniquim, mas com uma diferença: enquanto o americano Hal Jordan (identidade do Lanterna Verde) era um aviador civil, o brasileiro Roberto Salles (o Raio Negro) era um piloto militar da Força Aérea Brasileira (FAB).
A biografia do herói é bem interessante. Certo dia, o tenente Roberto Salles é enviado da base da FAB ao espaço numa missão secreta em vôo orbital, onde acaba sendo capturado por um disco voador. No interior da nave está um ser agonizante chamado Lid, oriundo do planeta Saturno. Vale lembrar que a nave havia sido atingida por um meteoro. Roberto Salles, então, recebe instruções do alienígena e consegue desviar a nave e chegar até Saturno. Naquele planeta, recebe como recompensa de Lid – por ter salvado a sua vida – um anel de luz negra feito com a energia magnética de Saturno que lhe dá super poderes como super velocidade, força sobre-humana, capacidade para voar, além de raios de energia que saem de seu anel. O tenente da FAB, finalmente volta á Terra, prometendo usar o anel somente para fazer o bem, assumindo uma nova identidade para combater os criminosos.
Seu arquiinimigo é o Capitão Op-Ort, cujo nome verdadeiro é Duarte Rodrigues, cientista especializado em robótica e que foi afastado das Forças Armadas por desequilíbrio mental.
Nos anos 60, Malagola roteirizou e desenhou Raio Negro em 24 aventuras, sendo publicadas também em almanaque e na revista “Edições GEP” (estrelada pelos X-Men).
Em 1982 a editora Grafipar, de Curitiba, que só trabalha com quadrinhos brasileiros, decidiu ‘ressuscitar’ o herói de preto. Dessa maneira, foi lançada uma coletânea de algumas histórias da década de 60. Mas com a falência da Grafipar, as histórias foram suspensas.
Anos mais tarde, uma nova tentativa foi feita, desta vez pela editora ICEA, mas também fracassou. Em 1998, o brazucão daria as caras novamente, mas na revista “Metal Pesado”, especialista em quadrinho brasileiro, que publicaria apenas uma aventura do “Raio”
Finalmente, em 2006, o ‘dito cujo’ participaria da sexta edição da Revista do Herói onde se encontra com outros supe-heróis brasileiros. Bem... nos anos seguintes, Raio Negro não deu mais as caras.
03 – Velta
Tudo bem que a Mulher Maravilha é um mulherão, daquelas de derrubar queixo, orelha, nariz, enfim, a cara toda, mas cá entre nós, a Velta não fica atrás. Olha só a estampa da ‘fera’ aí do lado. Viu? Não estou falando escrevendo a verdade? E não é só na beleza que ambas concorrem ‘pau a pau’. Nos super-poderes, também. Talvez, a Mulher Maravilha leve uma pequena vantagem, mas a nossa Velta é fod.. (desculpem o entusiasmo – rs).
A personagem que pode ser considerada a musa das histórias em quadrinhos brasileiras foi criada pelo artista gráfico e quadrinhista paraibano, Emir Ribeiro, em 1973 e continua sendo publicada até nos dias de hoje. Taí galera! Velta conseguiu resistir ao tempo e principalmente a avalanche de super-heróis e heroínas americanas. Também com essa baita estampa!
A heróina ‘viajou’ por todos os tipos de publicações, primeiro em jornais, depois em revistas e fanzines e, finalmente, em álbuns luxuosos. Ah! Pasmem: as suas histórias foram publicadas até mesmo em livros!
Agora, detalhando um pouco a nossa beldade verde e amarela; Velta é o alter ego de
uma adolescente de Belo Horizonte chamada Kátia Maria Lins. Ao ajudar um extra-terrestre a se recuperar da gravidade da Terra, Kátia acaba recebendo parte dos super-poderes do ET, sendo alterada geneticamente. A partir de então, sempre que quer, ela se transforma numa loira gigantesca de olhos azuis com dois metros de altura e total resistência a fatores como o calor e doenças. Sua marca registradas são os raios luminosos e explosivos que dispara de suas mãos.
Velta foge um pouco dos padrões dos super-heróis ‘certinhos’, do tipo ‘bom moço e boa moça’, já que ela combate o crime por outros motivos: por exibicionismo ou simplesmente para ganhar dinheiro. Nadica de defender personalidades famosas ou então os mais fracos ou oprimidos; ela tinha suas próprias prioridades, embora sua índole sempre pendesse para o bem.
04 – Judoka
O gibi “O Judoka” foi publicado entre 1969 e 1973 pela editora Ebal e inicialmente quem estrelava os quadrinhos não era Carlos da Silva, mas um tal “Mestre Judoca”, personagem desenvolvido pela Charlton Comics (atualmente DC Comics), porém a revista original não emplacou e acabou sendo cancelada nos Estados Unidos logo na sexta edição. Ocorre que os responsáveis pela Ebal foram com a cara do Mestre Judoca e acreditavam que as histórias do herói gringo poderiam continuar emplacando por aqui, tanto é que, apesar dos quadrinhos terem sido um fracasso nos states, no Brasil, eles faziam sucesso.
Dessa forma, a Ebal resolveu dar sequência nas aventuras do “Judomaster” ou “Mestre Judoca”, mas por questões contratuais, foi obrigada a criar uma versão brasileira do herói. Pronto! Nascia assim, o nosso Judoka com histórias escritas por Pedro Anísio e a arte desenvolvida pelo jovem desenhista Eduardo Baron. Tanto Anísio quanto Baron que eram grandes amigos dos donos da Ebal não se recusaram em atender o pedido da alta cúpula da editora.
Em outubro de 1969 chegaria as bancas o número 7 da revista “O Judoka”, marcando a estréia do personagem genuinamente brazuca. Na realidade o herói se chama Carlos, um jovem praticante de judô, que tem como mestre o sábio Minamoto. Ele e sua namorada, Lucia, decidem usar suas habilidades marciais contra o crime. Ambos vestem uma máscara e um quimono estilizado com as cores verde e branco.
Em 2013 escrevi um post inteiramente dedicado ao Judoka onde dou informações detalhadas sobre a sua origem. Aqueles que quiserem saber mais sobre a ‘fera’, basta acessar aqui.
05 – Quebra-Queixo
Quebra-Queixo é um policial que faz parte de um esquadrão da polícia chamado “Força Zero”. Digamos que esse esquadrão seja um daqueles que vivem na moita. Entenderam? Quando ‘o negócio esquenta’, os comandantes, generais ou seja lá o quer for, chamam os brutamontes da Força Zero para quebrar algumas pernas, costelas, braços e é claro, queixos. O maioral desse esquadrão é o pavio-curto Quebra-Queixo que nunca leva desaforo pra casa. O anti-herói durão e de paciência curta com o auxílio de seus amigos da Força Zero combatem o crime na caótica mega-megalópole de Nova Fronteira, uma cidade onde o caos provocado por perigosas e sanguinárias gangues prevalece.
Quebra-Queixo foi criado em 1983 e tem como poderes super-força e resistência sobre-humana. Seu autor, Marcelo Campos, nasceu em Três Lagoas e já desenhou vários super-heróis para o mercado americano, além da execução de trabalhos para editoras nacionais, como as revistas da Xuxa, Sérgio Mallandro, Faustão, entre outros.
As aventuras do anti-herói continuam sendo publicadas nas mais variadas formas e conquistando leitores em todo o país com suas histórias repletas de violência e bom humor. As revistas e gibis do Quebra-Queixo podem ser facilmente encontradas nas bancas e livrarias.
06 – Papo Amarelo
Pode ser que eu esteja errado, mas na minha humilde opinião, Papo-Amarelo é o herói que mais se identifica com o nosso País.
Idealizado pelo cartunista Moacir Torres que também é o responsável pela criação da ‘Turma da Gabi’, o “Papo” nasceu no finalzinho de 2013, cujo financiamento foi possível graças à Lei Rouanet pelas mãos da produtora OPA Cultural.
Para que a galera entenda a importância desse super-herói em termos didáticos, basta dizer que a sua história em quadrinhos chegou a ser distribuída nas escolas da Rede Pública de Indaiatuba, litoral de São Paulo.
O nosso protagonista é um herói ecológico que tem como missão salvar os animais dos traficantes e proteger a natureza e as populações ribeirinhas que dependem da pesca e da coleta. Papo-Amarelo representa a antítese daquilo que os ecologistas mais desprezam: a devastação da região amazônica pelo homem inconseqüente.
Em março de 2015 foi lançada a sua revista em quadrinhos impressa. O ‘Herói Ecológico’ como ficou conhecido tem suas aventuras ambientadas na Amazônia. A publicação de 20 páginas em preto e branco, editada pela Universo Editora e EMT, é vendida em eventos promocionais de HQs brasileiras e livrarias especializadas.
Papo Amarelo é muito inteligente e perspicaz, capaz de rastrear e descobrir esconderijos de criminosos através de pistas ínfimas. Além disso tem força, velocidade e habilidades desenvolvidas de combate corpo a corpo. Antes de se tornar o herói ecológico, ele era o capitão Chico, de apenas 22 anos, paraense e  um dos policiais florestais designados a proteger os ribeirinhos e as florestas do Matogrosso e da Amazônia.
Certo dia, o capitão Chico presenciou a morte de um amigo, brutalmente assassinado por caçadores de jacarés que estavam agindo no Pantanal. Ele, então, persegue e mata os bandidos. Depois disso, ele faz uma promessa de sempre proteger a fauna, a flora e a população ribeirinha dos chamados ‘invasores-predadores’. Capitão Chico inspira-se nos heróis dos gibis de sua infância e confecciona uma roupa toda verde e bem diferente, para impossibilitar o seu reconhecimento junto aos caçadores, madeireiros e garimpeiros ilegais da região. A partir daquele instante, a natureza, os animais das florestas brasileiras ganharam um importante aliado.
Para enfrentar seus inimigos, Papo Amarelo utiliza somente os punhos, os pés e a mente, armas essas que são mais eficazes que qualquer arma de fogo. Assim, surge aquele que se tornaria uma lenda viva entre os índios e ribeirinhos da Amazônia e Matogrosso.
07 – Meteoro
Meteoro é uma criação do monstro sagrado dos quadrinhos brasileiros, Roberto Guedes que é editor, tradutor e autor dos livros “A Era dos Super-Heróis Brasileiros” e “Quando Surgem os Super-Heróis”.
Publicado pela primeira vez em 1992, Meteoro protagonizou diversas revistas no decorrer desses 23 anos. Há aproximadamente quatro anos, Guedes decidiu reformular a sua criação, apagando características antigas e criando novidades. Com isso, Meteoro ganhou uma nova identidade secreta e uma origem reformulada que certamente agradou aos seus fãs, já que a HQs continua sendo publicada normalmente.
O personagem é o mais bem sucedido entre os heróis criados por Guedes em diversos fanzines.
O ‘antigo’ Meteoro que surgiu no início dos anos 90 era um adolescente chamado Ric Marinetti que morava com os avós, já que era desprezado pelo pai Cesar Marinetti. Ric ainda carregava um caminhão de concreto por uma garota estonteante que estudava em sua escola. Mas Ronei Moraes, um playboy arrogante ao extremo, também era apaixonado pela tal garota estonteante.
As coisas começam a melhorar na vida de Ric quando certo dia um meteorito cai no jardim de sua casa jogado por alienígenas que tinham a intenção de destruir a Terra. Pra variar, Ric toca no metorito, por curiosidade e imediatamente ganha super-poderes como força, velocidade e capacidade de voar. Dessa forma, nascia um dos mais populares heróis canarinhos.
Após as mudanças no personagem promovidas por Guedes, ele deixou de se chamar Ric Marinetti e tornou-se Roger Mandari. O seu uniforme também foi alterado. Quanto ao meteorito que lhe conferiu poderes especiais no passado, esqueça. Dessa vez, a história conta que o garoto adquiriu seus poderes através de uma entidade misteriosa para se tornar o “Campeão do Bem”.
08 – Crânio
Olha só, mais um super-herói que tem a Amazônia como área de atuação. Criado por Francenildo Sena em 1988, Haran era um príncipe do planeta Stron, mas ao ser acusado, injustamente, pelo seu irmão da morte do pai, acabou sendo banido para o planeta terra, não sem antes, ter sofrido uma lavagem cerebral.
A cápsula que transportava Haran acabou caindo na floresta Amazônica, no Brasil. O alienígena é descoberto pelos militares e passa a ser perseguido pelas forças armadas do governo brasileiro que o considera um perigo para o planeta. Como Haran consegue escapar de todas as investidas do exército, ele passa a ser conhecido por “Crânio”.
O Crânio pode lançar raios pelas mãos e pelos olhos, além de voar. Esses poderes são considerados dons naturais de todos os stronianos, mas na atmosfera terrestre são ampliados centenas de vezes, tal qual acontece com o kriptoniano Superman.
Crânio continua fazendo muito sucesso e hoje, tem vários fanzines com suas histórias, além de participar de crossovers em revistas de outros super-heróis como o Lagarto Negro.
09 – Lagarto Negro
E por falar nele... Bem, o Lagarto Negro que surgiu nos quadrinhos em 1988 tem algumas peculiaridades, entre as quais, uma bem estranha: a sua identidade secreta que nunca foi revelada!! Esta opção de seu criador, Gabriel Rocha, levou os inúmeros fãs do personagem à loucura, pois a medida que o herói ia ‘caindo’ no gosto popular com as suas aventuras, os leitores queriam saber quem era o cara que se escondia atrás daquela roupa negra. Interessante, não acham?
O Lagarto Negro não tem super-poderes. Ele é um sujeito normal com treinamento em guerrilha urbana que prefere fazer uso de armas não letais, como o seu inseparável nunchaku. A roupa negra cobre qualquer aspecto que possa revelar alguma pista sobre a verdadeira identidade do herói mascarado.
A única pista sobre o cara que se esconde atrás da máscara é que antes de ser o Lagarto Negro, ele trabalhou como instrutor do batalhão de operações especiais da Polícia Federal. Fez especialização em guerrilha urbana e antiterrorismo em Israel. Ele pensa que a disciplina conduz à força, odeia corrupção policial e é torcedor do América Futebol Clube do Rio de Janeiro. Em determinado momento de sua vida, ele descobre um esquema de corrupção dentro de seu trabalho e acaba batendo de frente com os corruptos. Resultado: é incriminado pela própria corporação por algo que não fez.
Para escapar de uma prisão injusta, ele foge e simula a própria morte. Neste momento, o policial é recrutado por uma organização não governamental para trabalhar como agente especial no combate ao crime organizado e a corrupção na várias esferas do governo.
Rocha escolheu como cenário para as aventuras de seu personagem, a cidade do Rio de Janeiro. Não a cidade glamourosa dos maravilhosos pontos turísticos, mas a cidade do submundo do crime.
10 – Capitão R.E.D
Olha aí o nosso Capitão América! E ele não conta com nenhuma ajuda de super soro e escudo de adamantium ou vibtanium. O Capitão R.E.D enfrenta os seus inimigos no muque ou seja, com a sua própria força sem o auxílio de alguma poçãozinha que lhe confira super-poderes.
O personagem é uma criação do escritor, roteirista e publicitário Elenildo Lopes que começou a desenhar quadrinhos ainda na adolescência. A revista que apresentou o Capitão R.E.D para galera foi lançada em 2012 pelo selo independente “Meu Herói”.
Segundo Lopes, a inspiração para a composição do personagem foi o Capitão Nascimento do filme Tropa de Elite e brilhantemente vivido pelo ator Wagner Moura.
O Capitão R.E.D é um super-soldado que combate o crime e a corrupção num Rio de Janeiro futurista onde o crime organizado tomou conta do estado e de outras instituições.
Ellano é um militar modificado e criado para a organização R.E.D – Distrito de Risco e Emergência de onde ele leva o nome. Graças a alta tecnologia dessa organização, ele usa uma unidade-armadura de ataque e defesa, além de um super escudo feitos de um material chamado de D.I.N, uma composição dos materiais mais resistentes que existem no mundo todo. Como não bastasse, ele possui um canhão que leva no braço direito que dispara lasers, mas nada de super-poderes como o soldado queridinho do Tio Sam. Como já disse, o nosso capitão resolve as suas ‘pendengas’ sem nenhum sorinho da força.
Ah! Vale à pena citar uma curiosidade: enquanto o Capitão América transporta o seu escudo preso nas costas, o Capitão R.E.D coloca o seu acoplado no peito.
Enfim, capitão R.E.D. é o cara e que cara!
Pra finalizar o post deixo os links, onde vocês poderão encontrar mais informações sobre essa galera e suas HQs.
01 – Capitão R.E.D: www.capitaored.com.br
02 – Papo Amarelo: www.papo-amarelo.blogspot.com.br
03 – Velta: www.emirribeiro.com.br
10 – Lagarto Negro: http://www.lagartonegro.com.br/



32 comentários:

  1. Capitão 7 foi criado por Ruben Biafora, Ayres Campos foi somente o ator que o interpretou na televisão, e nem de longe foi o primeiro super herói do Brasil, o primeiro do Brasil é também o primeiro do mundo: Oscar criado por Gustavo Barroso em 1906. Depois dele foram centenas os super heróis brasileiros publicados antes de 1954, data da criação do Capitão 7.
    Maiores informações: primeirossuperherois.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Raio Negro é publicado até hoje pela editora Júpiter 2 e Gedeone deixou muitas HQs inédita sob meus cuidados, antes de falecer Gedeone revelou que o Raio Negro nunca foi inspirado no Lanterna Verde e foi uma encomenda do governo militar da Revolução de 1964:http://primeirossuperherois.blogspot.com.br/2014/12/50-anos-do-raio-negro.html

    ResponderExcluir
  3. Obrigado pela força pessoal! Por acaso achei esta brilhante matéria sem querer. Fico feliz de ver como existem muita gente que olha pelos nossos queridos heróis! Obrigado mesmo. Convido a curtirem o projeto A ordem que reúne mais de 20 super-heróis nacionais numa super aventura. www.catarse.me/pt/protocoloaordem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que tenha gostado do post. De, fato, nossos super-heróis brasileiros são fodásticos! Quanto ao projeto "A Ordem", já deu certo.:)

      Excluir
  4. Matéria excelente, mas existem tanto heróis legais no Brasil que não foram citados e vale a pena a galera conhecer: Doutrinador (do Luciano Cunha), Tormenta (do Eduardo Manzano), Vulto (do Wellington Santos), Jaguara (do Altemar Domingos), Dragão Negro (do Thiago Silva), Penitência (do Marcos Franco), Cometa (do Samicler Gonçalves), Anarquia (do Emilio Baraçal), só para citar alguns. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem dúvida, o leque de opções é enorme, mas como tinha de citar apenas 10, optei por aqueles, os quais tinha mais afinidade. Mas valeu muito pela colaboração; por ter ampliado essa lista com novos nomes.
      Abcs!

      Excluir
  5. Respostas
    1. E como conta! O "Superman brasileiro" é tão importante quantos todos dessa lista;mas só poderia selecionar dez. Trata-se de uma lista pessoal e como todas as listas desse tipo, a minha também causou certa polêmica; fãs de alguns super-heróis tupiniquuins que não fazem parte de lista ficaram frustrados e descontaram sua ira em mim. Mas entendo o ponto de vista deles.
      Abcs!

      Excluir
  6. Valeu amigão pelas palavras sobre o meu personagem Papo Amarelo. Quando criei o Papo na década de 90 foi porque vi uma onda de heróis brasileiros copiados de heróis importados. Criei algo nosso, bem Brazuca mesmo, sem influências. Pois acredito que temos que valorizar as coisas (boas) do nosso país e não ficar babando pra heróis que não tem nada a ver com a nossa cultura.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Moacir que legal receber a sua visita no blog. Admiro muito o seu trabalho. Este personagem brazuca não poderia faltar em nossa lista. 'Papo Amarelo', de fato, é fodástico.
      Abraços!

      Excluir
  7. Olá José Antônio, agradeço por incluir o lagarto negro nesta lista! Hoje que tomei conhecimento desta matéria. Vou divulgar o link pelo facebook. Um abração!

    ResponderExcluir
  8. Eu também tenho um super herói Brasileiro confiram lá
    https://www.facebook.com/Besourovermelhohq/

    ResponderExcluir
  9. Gente, faltou o Golden Guitar e sua guitarra "radical"!Esse merecia estar na lista!!! Mas, parabéns pela matéria!!Muito bom!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Peter,
      Está registrada a sua sugestão. Graças a Deus, o 'universo de super-heróis brasileiros é tão extenso que é impossível incluí-los todos numa lista única.
      Abcs!

      Excluir
  10. Boa tarde, se for de seu interesse, registre minha equipe em uma de suas futuras postagens: Capitão Honrável e os Companheiros de Honra.

    Eis os membros da equipe: Capitão Honorável, O Rinoceronte-Branco, Fredo Álvares, Andreia Androida, Prof. Siqueira, Mr. Bog III, Andri de Vênus e Carlos o Leão de Honra, além dos eventuais aliados: Luara Bartira, A Espiã Escarlate e General Marins Souza e os vilões: Berto Brummer, O Saqueador, Dr. Grimpel, Grupo de Terroristas, Lúcifer, Senhor dos Mortos, Bornélia a Poderosa de Pleurasma, Demétrio Doidão o Derramador e Bianca e Rúbia as Mestras da Robótica.

    As séries em quadrinhos relacionadas ao grupo são estas aqui: Capitão Honorável e os Companheiros de Honra, Demétrio Doidão o Derramador e Os Circuitos de Andreia Androida e o livro é este aqui: Capitão Honorável o Super-Herói – As Aventuras de Um Super-Herói Show de Bola.

    Mais detalhes e informações da equipe através de e-mail: saviochristi@uol.com.br e em meu blog: http://companheirosdehonra.blogspot.com.

    ResponderExcluir
  11. Interessante que muitos dos super heróis brasileiros, dos quadrinhos vão muito além de uma história de Super Herói que salva os mais fracos e oprimidos, mas também transmitem uma mensagem que é a cara de um Brasil missionário, vejam nos quadrinhos do Dragão Negro, um ninja que luta contra os Iluminatis, falando sobre conspiração, governos ocultos... vários super heróis que defendem o meio ambiente, o verde, a terra e as águas no qual o Brasil é muito rico, algumas séries de quadrinhos que abordam assuntos esotéricos, místicos, religiosos com a cara do folclore brasileiro, como um super herói chamado Exu, inspirado no Exú da Umbanda e Candomblé, suas aventuras no plano espiritual até a matéria ajudando os encarnados em suas diversas situações de dificuldades e sofrimento, séries de quadrinhos que abordam assuntos totalmente filosóficos, científicos e de temas sociais importantes, se cria desde a Super Xuxa até o alienígena que vem a Terra e combate ao mal, os autores brasileiros são criativos demais, leem muito, tem uma intelectualidade aguçada e diretamente ou indiretamente em muitos personagens passam uma representação de um Brasil missionário, especial no destino de toda a humanidade, tem muita coisa entre e sob as linhas nos super heróis brasileiros, muita mensagem subliminar, parece até que muitos autores são até iniciados em algo muito especial e o Brasil tá andando bem nessa parte de Super Heróis e quadrinhos em geral.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade. Os nossos autores de quadrinhos não ficam devendo nada para os gringos. Como vc disse, temos super-heróis que vão muito além do "bateu-levou".
      Abraços!

      Excluir
  12. Olá, vim aqui parabenizar vocês por todo esse seu excelente, genial, grande e ótimo trabalho, e, ainda, divulgar algumas criações minhas em termos de super-heróis brasileiros: Os Amigos do Universo, Tião Cometa e Asteroide e O Ciber-Soldado, mais detalhes e informações logo abaixo:

    A equipe de patrulheiros espaciais Os Amigos do Universo (também conhecida como Os Detetives Espaciais) é composta por Capitão Cosmo (Áster Cosmo, do planeta Terra), Marck o Marciano (Glauc Marck, do planeta Marte), KX9 o Robô (Andrew Automo Botron KX9, do planeta Cosme), Estela a Cadela (Estela do Cosmo, do planeta Dínamo), Princesa Astral (Márion Célia Astral, do planeta Órion), Misse Celesta (Luana Celesta, do planeta Gama), Cosmo Júnior (Áster Cosmo II, do planeta Alpha), Madame Íris (Íris Arenosa, do planeta Osíris) e Dona Saturdia (Luna Maria Saturdia, do planeta Kronos), além do chefe, Comandante Gálax (Ciro Hélio Gálax, do planeta Andrômeda), os colaboradores, Professor Sidéreo (Roberto "Beto" Sidéreo, do planeta Geia) e Galac & Tico os Policiais (Galásio Cósmico e Tibúrcio Espácio, do planeta Esférula) e o banco de dados, Logus Mícron (Logus McTosh, do planeta Microsmo), possuindo como veículos de ação o Cruzador Cósmico (Os Amigos do Universo), Espaçomóvel e Foguete a Jato (Professor Sidéreo) e Espaçonetes (Galac & Tico os Policiais).

    As histórias da equipe misturam meus dois gêneros narrativos preferidos, que são o policial e aventura, mostram uma equipe de patrulheiros espaciais que investiga muitos casos pelos mais variados cenários da geografia, astronomia e espaço, sejam reais ou fictícios, representando as histórias de detetive e aventuras espaciais ao mesmo tempo.

    As séries de revistas em quadrinhos da equipe são Os Amigos do Universo, Um Conto dos Amigos do Universo, A Princesa Astral, Os Detetives Espaciais e Arigatô aos Amigos do Universo, esta última inédita e em estilo mangá.

    Já a dupla de birutas espaciais Tião Cometa e Asteroide (Sebastião Cometa e Sérgio Asteroide, do planeta Solarium, também conhecida como Os Malucos Espaciais) surgiu como parte dependente do universo fictício da equipe, possuindo como veículos de ação as Espaçonetes e como série de revistas em quadrinhos homônima Tião Cometa e Asteroide mesmo.

    As histórias da dupla são do gênero narrativo comédia maluca e mostram a vida no espaço de dois desmiolados, que vivem em uma casa, e, geralmente, não possuem nenhum tipo de prosperidade.

    Enquanto que o combatente híbrido entre militar e máquina O Ciber-Soldado (Simão "Si" Bernético, do planeta Terra, também conhecido como O Herói Híbrido) surgiu como parte de um cenário independente, mas, depois de um tempo, também passou a ser considerado como parte do mesmo universo fictício da equipe e dupla, possuindo como chefe O Almirante, como veículo de ação o Tanque de Guerra e como em série de revistas em quadrinhos O Ciber-Soldado mesmo.

    As histórias do herói misturam os gêneros narrativos ação e aventura e mostram um combatente que, após sofrer danos irreparáveis e irreversíveis na parte direita do corpo, passou por uma cirurgia, tendo todas as partes perdidas substituídas por metal, homenageando o Rambo e RoboCop ao mesmo tempo.

    ResponderExcluir
  13. Os Amigos do Universo são do gêneros narrativos policial e aventura e surgiram devido aos próprios policial e aventura serem meus gêneros narrativos favoritos e preferidos, especialmente se forem histórias de detetive e aventuras espaciais, Tião Cometa e Asteroide são do gênero narrativo comédia maluca e surgiram de aleatoriedade e improviso e o Ciber-Soldado é dos gêneros narrativos ação e aventura e surgiu como uma homenagem ao Rambo e RoboCop.

    A propósito: na história completa Os Amigos do Universo e o Ciber-Soldado – A 3ª. Guerra Espacial, surge um trieto entre a dupla musical Vagaroso e Vagalume (Saturnino Rakete e Marcelino Cruser, do planeta Asterón) e atriz e cantora Ingrid Matiello (que usa o real nome, do planeta Terra).

    Sinopse: Os Amigos do Universo e o Ciber-Soldado (também conhecidos como Os Detetives Espaciais e O Herói Híbrido, respectivamente) deverão unir forças contra uma nova guerra interplanetária! Aparição especial: Tião Cometa e Asteroide (também conhecidos como Os Malucos Espaciais).

    A história, que, entre outras coisas, traz uma aparição especial da dupla de birutas espaciais Tião Cometa e Asteroide, um trieto entre a dupla musical Vagaroso e Vagalume e a atriz e cantora Ingrid Matiello cantando a cantiga religiosa Saudemos as Culturas e os Povos! e a cantiga de história Eles São os Detetives Espaciais! e o conto de seis páginas Técnicas Avançadas de Combate já está sendo emitida de graça por e-mail para quem se interessar.

    Quem também dá o ar de sua graça na referida história é o Senhor Lunes (Pedro Mariano Sattel Rocha Lunes, do planeta Xisbeta), proprietário do Antiquário Antícua.

    E para aqueles que ainda não receberam a história por e-mail, por favor, passem-me seus endereços de e-mail mais uma vez por mensagens instantâneas pelo Facebook, Skype e WhatsApp para que possam recebê-la o quanto antes.

    Fico bastante agradecido a vocês por toda a atenção e interesse e um abraço, meus amigos!

    Se possível, expliquem e justifiquem com grandes e ótimos argumentos!

    E se desejarem comentar e complementar meu ponto de vista, digam quais foram os pontos positivos e negativos dele, em que ele poderia ser melhorado e utilizando gentileza ao invés de grosseria!

    Agora, sim, comentem algo!

    Mas se lembrem: a "vizinhança" do Facebook também é "habitada" por senhores de respeito e crianças e adolescentes, por isso mesmo, não baixem o nível da discussão, é isso o que lhes peço!

    E mais uma vez a propósito, se for de seus inteiros e totais agrado e interesse, curtam minha página do Facebook, entrem em meu grupo do Facebook e convidem mais pessoas para me curtirem e membrarem: https://www.facebook.com/SavioChristiDesenhistaDivulgacao/ e https://www.facebook.com/groups/1683741998572268/.

    Estou saindo, mas retorno mais tarde, abraços e até breve!

    Câmbio e desligo, retomaremos esse debate quando voltar!

    ResponderExcluir
  14. Correção (desculpem-me!): Na parte em que está escrito "As histórias do herói", pretendia escrever "As histórias do combatente".

    Como não pude localizar o botão de "Editar", se vocês puderem me fazer o favor de editar meu comentário manualmente, ficarei bastante agradecido a vocês por toda a atenção e interesse e um abraço, beleza?

    ResponderExcluir
  15. Só faltou citar que todos os super herois brasileiros sao copias descaradas de personagens da Marvel ou Dc, que pena

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É o contrário seu burro, vai estudar!
      http://quadrosaovivo.blogspot.com.br/2016/07/tudo-sobre-o-garra-cinzenta.html

      Excluir
  16. E o BRAZALTSMAN o Super Homen brasileiro!!

    ResponderExcluir
  17. Os Amigos do Universo: A Franquia Inteira! – Parte I de IV.

    A equipe de patrulheiros espaciais os Amigos do Universo surgiu devido a que meus dois gêneros narrativos favoritos são o policial e aventura, pelo que me identifico bastante com ambos. Desde seu surgimento até os dias atuais, já foram inúmeras histórias estreladas pelos agentes ou outras personagens diretamente relacionadas. Abaixo, eis a relação completa de trabalhos relacionados à equipe:

    Os Amigos do Universo (policial e aventura, 2003-presente, 68 páginas).

    Uma equipe de patrulheiros espaciais (conhecida também como os Detetives Espaciais) que investiga e resolve crimes nos mais diversos cenários da geografia, astronomia e espaço. Componentes: Capitão Cosmo, Marck o Marciano, KX9 o Robô, Estela a Cadela, Princesa Astral, Misse Celesta e Cosmo Júnior, além do chefe, Comandante Gálax, dos colaboradores, Professor Sidéreo e Galac & Tico os Policiais e do banco de dados, Logus Mícron. A história é uma homenagem aos subgêneros narrativos histórias de detetive e aventuras espaciais, oriundos dos gêneros principais policial e aventura, respectivamente.

    Edições da série Os Amigos do Universo (01 a 11): O Roubo do Museu Gálaco, O Ataque ao Banco Estelar, O Caso da Mansão Muchi Mônei, O Sumiço do Professor Sidéreo, A Vinda do Cosmo Júnior, Os Amigos do Universo, A Missão na Barreira do Tempo, O Sequestro de Cosmolina, As Férias do Capitão Cosmo, A Volta do Doutor Espacional e O Mistério Cartunesco.

    Os Amigos do Universo – Galeria de Personagens (policial e aventura, 2003, 36 páginas).

    Galeria de ilustrações reunindo os heróis, vilões e outras personagens da franquia.

    Edições da Galeria de Personagens Os Amigos do Universo (01 e 02): Galeria de Personagens – Versão 1.0 e Versão 2.0.

    Um Conto dos Amigos do Universo (policial e aventura, 2007-presente, 36 páginas).

    Continuação da série original, com a inclusão da Madame Íris e outras novas personagens.

    Edições da série Um Conto dos Amigos do Universo (01 a 12): O Resgate de Misse Celesta, As Novas Recrutas, O Vírus Voltaico, A Catapora Venusiana I, A Catapora Venusiana II, Uma Visita de Outro Futuro, Cadê a Dupla Tião Cometa e Asteroide?, O Espelho da Perdição, O Casamento do Vagaroso, A Sabotagem Fílmica, O Teleporte Intertemporal I e Uma Revelação Bem Inusitada.

    ResponderExcluir
  18. Os Amigos do Universo: A Franquia Inteira! – Parte II de IV.

    Edições especiais dos Amigos do Universo (policial e aventura (policial e comédia no caso da edição Os Amigos do Universo – Quem Apagou o Capitão Cosmo?), 2008-presente, 36 páginas).

    Edições à parte da numeração convencional das edições normais.

    Edições especiais dos Amigos do Universo (01 a 12): Sávio o Desenhista – Um Passeio pelos próprios Quadrinhos, Capitão Cosmo e Marck o Marciano em: A Corrida para Salvar a Terra, Tião Cometa e Asteroide – Em Busca da Galáxia Ecológica, A Mulher-Roliça e a Gata Mascarada – A Clonagem Cibernética, A Besteirada Cósmica: A Colisão de Duas Realidades, O Reencontro Espacial: A Unificação das Duas Realidades, O Cruzamento Explosivo: A Recolisão das Realidades, Os Amigos do Universo – Quem Apagou o Capitão Cosmo?, A Maldição Apocalíptica: Apresentando Albert & Einstein, Os Amigos do Universo e Outros Ícones do Mesmo Autor..., Os Amigos do Universo e Os Romanoz – Trocando os Mundos, Os Amigos do Universo e o Ciber-Soldado – A 3ª. Guerra Espacial e Os Defensores Espaciais – Uma Invasão Alienígena Bem Sinistra.

    O Ciber-Soldado (ação e aventura, 2008-presente, 36 páginas).

    Um combatente híbrido entre militar e máquina (conhecido também como o Herói Híbrido) que sofreu danos irreparáveis e irreversíveis na parte direita de seu corpo e teve sua memória apagada após sofrer uma cirurgia para reparar seu corpo, tendo como chefe o Almirante. A história é uma homenagem aos heróis originais Rambo e RoboCop, criados pelo romancista canadense David Morrell e pela dupla de roteiristas, escritores e produtores americanos Edward Neumeier e Michael Miner, respectivamente.

    Edição da série O Ciber-Soldado (01): Um Combatente Bem Diferente (histórias: Eu Me Chamo Ciber-Soldado!, Um Assassino Bem Perigoso... e Dicas para Ser Ótimo Soldado).

    A Princesa Astral (policial e aventura, 2010-presente, 36 páginas).

    Quando os Amigos do Universo ganham longas férias pelo Comandante Gálax, uma de seus componentes, Princesa Astral decide seguir as próprias aventuras individuais. Ao chegar a uma distante e desconhecida dimensão, ela rapidamente se envolve novos casos, com a inclusão de Dona Saturdia e outras novas personagens.

    ResponderExcluir
  19. Os Amigos do Universo: A Franquia Inteira! – Parte III de IV.

    Edições da série A Princesa Astral (edições 01 a 04): Os Ladrões de Almas, A Invasão dos Esferulanos, O Teleporte Intertemporal II e O Construtor de Espelhos.

    Os Detetives Espaciais (policial e aventura, 2011-presente, 36 páginas).

    Reunião da equipe original com todos os componentes, com a recente adesão de Dona Saturdia e a inclusão de novas personagens.

    Edições da série Os Detetives Espaciais (01 e 02): A Raptura Pré-Histórica e Um Sequestro do Barulho.

    Tião Cometa e Asteroide (comédia e aventura, 2011-presente, 36 páginas).

    Dupla de birutas espaciais (conhecida também como os Malucos Espaciais) que costuma se envolver em confusões e encrencas o tempo inteiro, geralmente, sem prosperidade. A história é uma ideia original surgida de aleatoriedade e improviso.

    Edição da série Tião Cometa e Asteroide (edição 01): Uma Viagem para Osíris.

    Arigatô aos Amigos do Universo (policial e aventura, 2016-presente, 36 páginas).

    Quando os Amigos do Universo fazem um pouso forçado no planeta Niponeia, cujos nativos apreciam bastante a cultura japonesa do planeta Terra, eles devem se adaptar ao novo ambiente, rapidamente se envolvendo em novos casos, com a inclusão de novas personagens. A história é em estilo mangá.

    Edições da série Arigatô aos Amigos do Universo (01 original e 01 variante): A Ameaça de Ninjato, Versão 1 e A Ameaça de Ninjato, Versão 2.

    Os Corajosos Amigos do Universo – Uma Equipe de Heróis para Lá de Especiais (livro, policial e aventura, 2016, 55 páginas).

    A equipe de patrulheiros espaciais os Amigos do Universo percorre inúmeros cenários da geografia, astronomia e espaço, ao mesmo tempo em que luta contra muitos vilões, entre eles, o Doutor Cometi, Senhora Cometi e Doutor Cometinho, Doutor Espacional e Astrogildo, Rogério Rojão, Imperador Esferulácio de Esférula e Seus Homens, Invasores de Zetaranus e os Inimigos do Inverso, sendo que a maioria desses vilões compõe os Calhordas Espaciais (exceto pelos Inimigos do Inverso). A atividade da equipe se complica de vez com o surgimento de uma nova ameaça: Mortelle de Missiles, Assassina Sequencial, quem também se une aos Calhordas Espaciais.

    ResponderExcluir
  20. Os Amigos do Universo: A Franquia Inteira! – Parte IV de IV.

    Olá aos Amigos do Universo (policial e aventura, 2017-presente, 36 páginas).

    Capitão Cosmo, Marck o Marciano, KX9 o Robô, Estela a Cadela, Princesa Astral e Misse Celesta são os Amigos do Universo, uma equipe de patrulheiros espaciais que captura muitos vilões em meio aos inúmeros cenários da geografia, astronomia e espaço. Reboot da série original, com textos e desenhos renovados.

    Edição da série Olá aos Amigos do Universo (01): A Captura da Senhora Gálax.

    Os Defensores Espaciais (ficção científica e aventura, 2017-presente, 36 páginas).

    Doutor Etalien Parsário é o cientista mais influente do planeta Nyanjuf. Após o planeta vizinho, Nscbu declarar uma súbita invasão por meio de seu ditador, o Imperador Zifrino Dimões, ele (Parsário) decidiu recrutar sete humanos aleatoriamente para poderem expulsar os invasores. Aqui estão os escolhidos: a Senhora Elvira Tempobom, Raimundo Alegrino, Raimundo Ruela, Senhora Rufina Rabuja, Marcílio Pistoler, Referendo José Santapaz e Reinaldo Vistório. Juntos, formam a equipe de heróis interplanetários os Defensores Espaciais (conhecida também como os Recrutas Interplanetários).

    Edição da série Os Defensores Espaciais (01): Levando o Treinamento Adiante.

    Flor de Cerejeira (pintura em tela, expressionismo, 2017).

    A própria flor vista mais de perto.

    Trieto entre Vagaroso e Vagalume e Ingrid Matiello (pintura em tela, surrealismo, 2017).

    União entre as vozes da dupla musical Vagaroso e Vagalume (personagens de os Amigos do Universo, Tião Cometa e Asteroide e os Defensores Espaciais) e da atriz e cantora Ingrid Matiello (personagem de o Ciber-Soldado e os Defensores Espaciais).

    ResponderExcluir
  21. Mano anônimo, vim lhe dar os parabéns por seu trabalho e convidá-lo a acessar minha página de divulgação, eis o endereço → http://www.facebook.com/saviochristidivulgacao/.

    Bom, abraços e até mais então!

    ResponderExcluir
  22. Veja se pode adicionar a esse seu artigo alguns de meus super-heróis: a equipe de patrulheiros espaciais os Amigos do Universo, o combatente híbrido entre militar e máquina o Ciber-Soldado, a dupla de birutas espaciais Tião Cometa e Asteroide e a equipe de heróis interplanetários os Defensores Espaciais.

    Eles ainda não são famosos, mas eu os posto lá no Facebook e meus amigos gostam muito, escreva-me através de e-mail e lhe passarei uma seleção de cem textos e imagens relacionados: saviochristi@outlook.com, saviochristi@writeme.com e saviochristi1@ciudad.com.ar, existe como me fazer essa colaboração para ajudar a me divulgar?

    Aproveite e acesse meu blog sobre a ilustração e desenhos e quadrinhos e animação: http://saviochristi3.blogspot.com.

    Desde já, muito obrigado a você por toda a atenção e interesse e um abraço!

    ResponderExcluir
  23. Para aqueles que puderem me ajudar a catalogar e classificar os Companheiros de Honra e Demétrio Doidão o Derramador em algum site próprio dos super-heróis brasileiros, criações originais minhas, vão os links com as fichas das personagens e galeria de personagens e histórias das séries de quadrinhos Os Companheiros de Honra (desde 2013), Demétrio Doidão o Derramador (desde 2015) e Os Circuitos de Andreia Androida (desde 2017) e do livro Capitão Honorável o Super-Herói – As Aventuras de Um Super-Herói Show de Bola (2015): http://saviochristi3.blogspot.com/2017/03/fichas-das-personagens-das-series-de.html e http://saviochristi3.blogspot.com/2017/03/galeria-de-personagens-dos-companheiros.html!

    Aproveito e mando os link de dois livros em que eles aparecem (ou apenas o líder da equipe no caso do primeiro livro em questão) e do próprio livro também (escrito entre os outros dois): http://saviochristi3.blogspot.com/2017/03/livro-o-quarteto-musical-as-aventuras.html, http://saviochristi3.blogspot.com/2017/03/livro-capitao-honoravel-o-super-heroi.html e http://saviochristi3.blogspot.com/2017/03/livro-o-quarteto-em-sintonia-as.html, mais o link dos cinco dos cinco roteiros que ainda não foram convertidos em quadrinhos: http://saviochristi3.blogspot.com/2017/03/sinopses-dos-primeiros-gibis-livro-e.html!

    Links e textos não são ofensas, spam, nem fakes, palavra e promessa de escoteiro e samaritano!

    A equipe de heróis tradicionais os Companheiros de Honra é integrada pelo Capitão Honorável, o Rinoceronte-Branco, Fredo Álvares, Andreia Androida, Professor Siqueira, a Sem Classe, Mister Bog III, Andri de Vênus e Carlos o Leão de Honra.

    Aliados e parceiro: Ivanilda Teixeira (secretária da equipe), a Espiã Escarlate (agente secreta cheia de truques na manga), Luara Bartira (caçadora indígena), General Marins Souza (chefe e superior hierárquico da Espiã Escarlate) e UltraZê (cientista-inventor com superinteligência e poderes de se teleportar e voltar e avançar no tempo).

    Vilões: Berto Brummer (empresário), o Saqueador (assaltante), Doutor Grimpel (cientista), Grupo de Terroristas (quadrilha terrorista), Lúcifer, Senhor dos Mortos (o próprio), Bornélia a Poderosa de Pleurasma (feiticeira alienígena que estreou no livro Capitão Honorável o Super-Herói – As Aventuras de Um Super-Herói Show de Bola), Demétrio Doidão o Derramador (assassino sanguinário que estreou na própria série de quadrinhos e possui o próprio vilão; o chefão da Máfia Don Ricco Maffione) e Bianca e Rúbia as Mestras da Robótica (engenheiras robóticas que estrearam na série de quadrinhos Os Circuitos de Andreia Androida).

    As três sérios e livro, juntos, englobam o Universo Integrado de Heróis e Vilões; que foi o nome que escolhi para a franquia, vocês podem, inclusive e principalmente, até incluir esse nome no catálogo e classificação dela caso desejem!

    Qualquer coisa também, podem entrar em contato via este e-mail aqui: saviochristi@mail.com!

    Assinado: Sávio Christi, desenhista, escritor, pintor, roteirista, compositor e poeta, nascido em Brasília e radicado em Vitória, Espírito Santo, Brasil.

    ResponderExcluir
  24. E a primeira vez que vejo esses herois....pensei numa versao luxo dos herois juntos....jogar na rede....tenho personagens que criei.....e gostaria de saber mais sobre como fazer quadrinhos....sou desenhista....mas nunca fez cursos.....bom em redacaoes e criaf historias....porem era muito fa dos x mens.....to fascinados pelos hetois brasileiros....me chamem ae...abracos galera.

    ResponderExcluir
  25. Pessoal, também produzimos quadrinhos nacionais que falam de super heróis brasileiros, quem puder se inscrever no canal e curtir nossa fan Page, segue o link: https://youtu.be/QP84N2nd7ds

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...