sexta-feira, 11 de julho de 2014

Almanaques de farmácia: uma época que deixou saudades



Podem esquecer os almanaques do Professor Pardal, Zé Carioca, Luluzinha, Tio Patinhas, da Disney e isso e mais aquilo. Eles não chegam aos pés dos antológicos “Almanaques de Farmácia”. Reconheço que ao fazer essa afirmação, serei contestado pela geração teen posterior à minha, muito mais acostumada a ler os chamados almanaques contemporâneos. Pena que essa galera não nasceu na época de ouro dos antológicos almanaques do Biotônico Fontoura,  Elixir Nogueira, Saúde da Mulher, entre tantos outros. Eles eram distribuídos gratuitamente nas farmácias ou então como brindes para atrair a assinatura de grandes jornais.
Os almanaques de farmácia fizeram tanto sucesso, mas tanto sucesso, que mesmo décadas após o encerramento de suas publicações ainda continuam sendo comprados à ‘preço de ouro’ por colecionadores em alguns sebos.
Nos anos 70 quando ainda era um ‘crianção’ não me cansava de ler esses almanaques. Recordo-me que todos os meses ia até a farmácia perto de casa ansioso por ‘agarrar’ o famoso folhetim. Com o passar do tempo, o farmacêutico muito amigo de meus pais, acabou, ele próprio, levando os almanaques até a minha casa, entregando-me à domicílio. Acho que ele via tanta empolgação em meus olhos de criança que acabou tomando essa decisão.
A partir daí ganhei ‘gosto pela coisa’ e comecei a colecionar os tais almanaques. Caramba! Tinha uma montanha deles! Se remorso pagasse imposto, certamente, hoje eu estaria pobre de ré. Certo dia, quando nem passava pela minha cabeça montar uma sala de leitura com uma estante onde colocaria as minhas obras preferidas, resolvi doar todos os almanaques para a biblioteca de uma entidade assistencial da minha cidade.
Naqueles tempos idos, à exemplo de hoje, era um leitor compulsivo (rs), mas não tinha o hábito de colecionar ou guardar o que lia. Quando acabava de devorar um livro, jogava-o num canto ou então doava para a biblioteca. E assim fiz com os meus estimados, amados e saudosos almanaques de farmácia. Putz! Que lambança. Por isso resolvi escrever um post sobre esses folhetins como forma de espiar o meu ‘grande pecado’.
Fuçando na Rede, descobri uma tese muito interessante sobre o assunto: “Almanaques: História, Contribuições eEsquecimento”, escrita por Patrícia Trindade Trizotti. Segundo a autora, “o primeiro almanaque de farmácia lançado no Brasil foi o Pharol da Medicina, elaborado com o patrocínio da Drogaria Granado do Rio de Janeiro em 1887. A publicação pode ser considerada uma espécie de modelo para os seus sucessores. O Pharol da Medicina possuiu uma tiragem inicial de 100 mil exemplares e de 1913 a 1923, atingiu a cifra de 200 mil exemplares. Fato esse muito significativo para a história dos almanaques, sobretudo os de farmácia”.
De todos os almanaques do gênero, o mais famoso de todos foi o Almanaque Fontoura, principalmente pela sua associação com o escritor Monteiro Lobato. Este almanaque tinha por objetivo fazer a divulgação publicitária do Biotônico Fontoura, produto criado pelo farmacêutico brasileiro Cândido Fontoura. O folhetim era distribuído gratuitamente como brinde pelas farmácias do país.
A curiosidade é que o almanaque era editado e ilustrado por Monteiro Lobato que acabou aceitando o convite  por ser muito amigo de Candido Fontoura. Pois é, nem preciso dizer que o Almanaque Fontoura esbanjava qualidade. Reza a lenda que o escritor de Taubaté sentia-se muito cansado quando Fontoura lhe indicou o medicamento e este imediatamente se sentiu mais animado, tornando-se um verdadeiro fã do Biotônico. Assim, acabou aceitando, prontamente, o pedido de seu amigo para editar o almanaque.
Lobato concordou ainda em emprestar um de seus famosos personagens para a divulgação do Biotônico, nascia assim, o Jeca Tatuzinho, baseado no Jeca Tatu que o autor criara na literatura. O Almanaque Fontoura divulgava o laboratório e pregava uma campanha contra a ancilostomose, popularmente conhecida por amarelão.
A primeira edição do Almanaque Fontoura que teve Monteiro Lobato à frente fez um estrondoso sucesso com os seus 50 mil exemplares iniciais ‘secando’ num piscar de olhos. Esta tiragem foi crescendo a ponto de entre as décadas de 1930 a 1970 terem sido distribuídos entre dois e meio a três milhões de almanaques. A edição trazia um conteúdo variado, como horóscopo, dias bons para a pesca (fases da lua), passatempos e  até histórias em quadrinhos que retratava o personagem Jeca Tatuzinho.
Lobato e o seu Jeca Tatuzinho abriram caminho para a consolidação do almanaque nos anos posteriores. Em 1982 sua tiragem foi de cem milhões de exemplares.
Com o passar dos anos novas sessões foram sendo criadas como dicas de saúde, receitas culinárias, cartas melodramáticas, piadas, curiosidades, santos do dia, conhecimentos gerais, etc.
Além do Biotônico Fontoura, outros produtos medicinais se valiam dos almanaques para a divulgação de seus produtos. Os laboratórios que produziam os fortificantes Sadol, Elixir Nogueira, Emulsão Scott e o tônico Capivarol se aproveitaram da mesma estratégia para divulgar os seus produtos. Enfim, os almanaques bombavam nas farmácias. Uma verdadeira febre, uma verdadeira loucura.
Galera, os ‘ditos cujos’ faziam tanto sucesso nas décadas de 30, 40, 50 e etc que acabaram invadindo os antigos consultórios médicos. Caraca!! O que que é isso!! Pois é galera, podem acreditar: muitos médicos distribuíam e recomendavam essas publicações aos seus pacientes. Eles recebiam os almanaques dos laboratórios juntamente com os fortificantes como brinde. Algo parecido com o esquema das tão propaladas amostras grátis, sabe? Ou será que você nunca ganhou ‘na faixa’ de seu médico um remedinho maneiro após uma consulta? Há muitos anos atrás, não tinha o remedinho maneiro, mas em contrapartida tinha o almanaque maneiro.
Conversando com um ex-dono de farmácia que me pediu para não revelar o seu nome, fiquei sabendo que em décadas passadas era uma briga de foice no escuro entre os laboratórios no que diz respeito a distribuição dos almanaques. Esse farmacêutico, hoje beirando os seus 80 anos revelou que os viajantes que distribuíam os almanaques juntamente com os fortificantes, tônicos ou elixires eram concorrentes acirrados e jamais se ‘cruzavam’ no estabelecimento comercial. – “Eles já sabiam o horário que cada um passava na farmácia para deixar os livretinhos”, revelou. Ele disse também que os almanaques não duravam um dia nos balcões. – “Barbaridade menino!! Aquilo era uma loucura! Tinha pessoas que ficavam esperando a farmácia abrir para pegar o ‘livrinho’!”
O ‘pega prá capá” sempre acontecia entre os almanaques do Biotônico Fontoura, Sadol e Capivarol que eram os chamados ‘bama-bam-bam’ do gênero. Com o passar dos anos, o tônico Capivarol deixou de ser fabricado e a briga pela preferência popular se restringiu aos dois pesos pesados: Fontoura e Sadol. Quanto aos outros almanaques: “Elixir Prata”, “Saúde da Mulher”, Bristol, etc, apesar do excelentes conteúdos, nunca foram páreo para os dois maiorais. Um dos poucos que chegou a fazer frente com Fontoura e Sadol foi o almanaque da Emulsão Scott. Lembram-se daquele xarope de óleo de fígado de bacalhau que no rótulo da embalagem havia um pescador segurando um bacalhau nas costas? Ecaaaaaaaaaa!!! Entonce, a publicação anual lançada em 1939 também era muito procurada na época, mas pouco tempo depois parou de circular.
Caramba quantas coisas engraçadas e ao mesmo tempo interessantes aprendi com os almanaques de farmácia. Fiquei sabendo, por exemplo, que os nossos olhos são sempre do mesmo tamanho, desde o nascimento, enquanto as orelhas e o nariz nunca param de crescer. Me surpreendi com as informações de que uma pessoa pisca os olhos aproximadamente 25 mil vezes por dia e que a língua é o músculo mais forte do ser humano.
Cara, tinha até informações sobre História! A história da bandeira do Brasil; quem foi Alexandre O Grande e algo que me marcou muito e até hoje não esqueço: a mítica história sobre o farol de Alexandria. Puxa vida! Quantas coisas tinham naqueles livrinhos miúdos!
Tenho certeza de que naquela época, muitos falsos letrados criticavam a chamada cultura de almanaque, afirmando que esse tipo de conhecimento não acrescentava nada na vida dos jovens, servindo apenas como canal para matar curiosidades bobas, mas algo eles jamais negaram: a importância dos almanaques na criação de hábitos sanitários, de saúde e higiene salutares nas pessoas.
Não importa o que as pessoas pensem dos antigos almanaques de farmácia; aprendi muito com eles e também me diverti além da conta. Pena que essa época passou. Com o tempo, os famosos e amados folhetins foram parando de circular, até encerrarem as suas atividades. Com o advento da internet que começou a deslanchar no Brasil à partir de 1995 e depois com a febre das redes sociais, os almanaques foram expirando... expirando, até darem o seu último suspiro. E agora, só restou a saudades.
Uma pena...
nnnnn

2 comentários:

  1. Ola ZE Antonio - sou da velha guarda e fiz a mesma coisa que VC. Doar os almanaques comecei a trabalhar numa Farmacia em MG, no inncio dos anos 1957, tinha todos. Hoje por incrivel que pareça estive na Cidade S Sebadtião da Grama, e ganhei um almanaque .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se eu pudesse voltar no tempo, jamais teria desfeito desses almanaques (rs).
      Abcs!

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...