quarta-feira, 6 de março de 2013

“O Homem Que Não Queria Ser Papa”: uma obra séria ou oportunista?



O livro de Andreas Englisch caiu como uma bomba na net. Qualquer blog ou site ou ainda qualquer tipo de rede social não traz outro assunto a não ser a obra “O Homem Que Não Queria Ser Papa”. E não poderia ser diferente, já que o livro do jornalista que trabalha como correspondente alemão do Vaticano promete revelações surpreendentes sobre os motivos que levaram o cardeal – também alemão – Joseph Ratzinger a deixar o papado.
Tão logo tomei conhecimento do lançamento de “O Homem Que Não Queria Ser Papa” escrevi algumas poucas linhas no Facebook do blog, deixando evidente o meu receio. E posso confessar prá vocês que é um baita receio! Cara, fico pensando com os meu botões: como esse jornalista conseguiu escrever um assunto tão complexo num recorde?! É muito estranho. Aliás, chega a ser inacreditável! Passaram-se, apenas, poucos dias da renuncia de Ratzinger e pronto! Lá estava um livro exposto nas principais livrarias de todo o mundo falando sobre o tema.
Sei não... Talvez por isso, fico com os dois pés bem para atrás. A impressão que tenho é que se trata de uma obra oportunista. Daquelas que são lançadas - após a ocorrência de um fato polarizador de atenções em todo o mundo - unicamente com o intuito do malfadado autor colocar alguns milhões no bolso. “facinhu”, facinhu”.
Já cai em muitas dessas armadilhas e juro que me senti o sujeito mais cretino do mundo. Pensei comigo depois de ter caído na arapuca: - “ Mêo! Como você pôde ser tão tonto!!” Nessas obras infelizes que tive o desprazer de ler – quer dizer, ler pela metade, já que não consegui terminar – ficou provada a má intenção do escritor, já que as obras foram escritas de afogadilho para aproveitar aquele momento em que o fato estava bombando. Então, nada de pesquisas, nada de seriedade, nada de honestidade, nada de nada e mais nada.
Só faltei dar cabeçadas na parede após cair no conto do vigário e comprar a bibliografia do Michael Jackson escrita e produzida por seu pai. Tudo o que está no livro foi tratado de maneira superficial, sem muitos detalhes. Os fatos revelados na obra, já haviam sido explorados à exaustão pela imprensa.
Mas como dizia minha saudosa avó: -“ É fio, burro véio não aprende andar”. E fazendo jus a essa pérola da Dona Francisca, lá vai o burro véio de novo. Há alguns anos, após várias redes de TV terem explorado a notícia de que um grupo de arqueólogos teria, supostamente, descoberto o local onde a arca da aliança, que continha os 10 mandamentos, teria sido enterrada; no impulso comprei o livro de Laurence Gardner sobre o assunto. A obra chamada “Os Segredos Perdidos da Arca Sagrada” foi o pior pesadelo de minha vida. Gastei uma fortuna, na época, para adquiri-lo e a linguagem rebuscada, complicada, misturando religião com física, esoterismo, cabala e o escambau a quatro me tirou do sério. Hoje, faço questão de guardar esse livro em minha estante para lembrar da minha inocência ou burrice em ter comprado alguns calhamaços ruins sem pesquisar.
Portanto, acho que deu pra entender todo o meu receio com relação ao livro de Englisch. Por mais otimista que eu seja, não dá para acreditar que o sujeito teve tempo hábil para realizar uma pesquisa séria e apurada sobre os motivos que levou o cardeal Ratzinger a abandonar o trono de Pedro. Me desculpem, mas definitivamente não dá.
Acredito que ao contrário do que penso, muitos leitores já mergulharam de cabeça nas informações chamativas sobre o livro e adquiriram-no  sem pestanejar.  E cá entre nós; a intensidade do fato somado ao eficiente trabalho de divulgação promovido pela Editora Universo dos Livros, se transformam numa verdadeira armadilha para que as vítimas façam aquela compra por impulso... sem pensar.
O autor disse durante entrevistas de divulgação que promete apresentar com exclusividade em sua obra todas as polêmicas vividas nos sete anos em que Ratzinger foi papa. Entre as polêmicas que ele garante ter explorado estão as especulações sobre uma possível relação entre o papa e o exército de Hitler, durante a Segunda Guerra Mundial; crimes de lavagem de dinheiro; além de supostas ocultações em casos de pedofilia.
Englisch diz em seu livro que Ratzinger, mesmo antes de ser nomeado pontífice em 2005, já expressava sua aversão em se tornar a figura governamental mais conhecida e importante dentro da maior comunidade religiosa do planeta. Segundo o autor, o cardeal alemão não queria se expor a grandes multidões e, muito menos, enfrentar os conflitos internos da Igreja Católica. Seu objetivo era continuar com os trabalhos de teologia num mundo particular.
“O Homem Que não Queria ser Papa” revela que entre os assuntos polêmicos da gestão de Ratzinger estão os graves casos de pedofilia e as supostas tentativas de ocultações criminosas realizadas pela Igreja Católica. Em um desses crimes, o nome de Ratzinger teria sido citado como um dos responsáveis por esconder o sacrilégio de um padre, quando ainda era arcebispo de Munique na década de 1980.
Caramba! Na apresentação de sua obra, o autor só torpedeia o papa. É soco, chute e rasteira pra todos os lados. Bem, não vamos ser inocentes ao âmago para acreditarmos que o Vaticano é o Éden e o papa um ser humano perfeito que nunca erra, livre de ambições e pecados. Muitas intrigas, com certeza, ocorrem nos bastidores do Vaticano e o Papa também cometeu os seus erros, mas pêra lá! O sumo-pontífice da Igreja Católica também teve os seus acertos, as suas conquistas; mas Englisch oculta tudo isso na apresentação de seu livro. E como não bastasse, fecha com chave de ouro lembrando que o leitor viverá através das páginas da obra, as intrigas explosivas, os encontros secretos, os casos de mortes e muitos conflitos internos, transportando-os para um universo digno de romance de suspense.
Sei lá, esse argumento final do autor ficou mais parecido com o anuncio de “O Código da Vinci” do que uma biografia sobre um ex-papa.


7 comentários:

  1. Não tem nada a ver com o seu post, mas talvez goste disso aqui:

    http://gatosmucky.blogspot.com.br/2013/03/os-melhores-temas-romanticos-de-todos.html

    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Também sou amante da literatura. Descobri seu blog hoje. A partir de agora vou segui-lo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Severo!
      Espero que aprecie os posts e que eles possam lhe ajudar na escolha de algumas obras.
      Abcs!!

      Excluir
  3. Jam,

    concordo plenamente contigo sobre o Livro "O homem que não queria ser Papa". Tive a mesma impressão. Muito sensacionalismo e pouca análise crítica. Em resumo: o livro é muito ruim!


    Parabéns pelo blog.

    ResponderExcluir
  4. Sempre devemos desconfiar dos livros que exploram fatos recentes e escritos de afogadilho.
    Grde abraço Zeb!

    ResponderExcluir
  5. Estou lendo o livro.

    Logo entendi porque é tão volumoso: o autor fala da própria história como correspondente no Vaticano; se vai falar do Papa alemão volta no tempo para falar dos papas alemães. Ou seja, é um mestre em "encher linguiça".

    Sem contar quão sensacionalista é a linguagem!

    E mais: nem parece que está há tanto tempo no Vaticano: Missa de Coroação de Ratzinger? Coroação? Por favor. E mais: faz acusações gravíssimas ao Cardeal Schönborn de Viena.

    E fica divagando sobre o que Papa teria pensado. Isso qualquer um faz. Mas a impressão é que ele não é um observador,mas a própria consciência do Papa.

    Leio os vaticanistas quase diariamente. Esse, sem dúvida, é o pior deles.

    Não só oportunista, mas um péssimo jornalista.

    Rudy.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Li o livro e fiquei oscilando entre admirar muito o ex-Papa e odiar o jornalista-autor. Em muitos momentos eu não achei que o autor está criticando Ratzinger, mas avaliando suas reais dificuldades e mostrando como ele se deparou com um cenário totalmente inóspito ao se tornar Papa após o amado João Paulo II. Não achei que ele estava sendo crítico de Bento XVI, mas tentando realmente explicar como as coisas aconteceram. Mas em outros momentos, fiquei profundamente irritada em ver o autor enchendo linguiça e se autopromovendo. Parecia que ele era a estrela do Vaticano. Não sei dizer, portanto, se gostei ou não do livro (escrito às pressas e,portanto, com muitos erros de revisão/tradução). Mas ele conseguiu me fazer chorar com os casos de pedofilia e a forma como Ratzinger teve que encarar e tentar limpar a sujeira encoberta por anos. No final, o Papa ganhou minha admiração e respeito.

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...