segunda-feira, 4 de abril de 2011

Os 10 maiores vilões da literatura de terror

Os vilões tradicionais dos livros de terror estão em extinção. Os autores contemporâneos acreditam que uma horda de vampiros, zumbis, monstros desengonçados ou então casas mal assombradas por fantasmas chatos de doer ou energias negativas acabam vendendo mais livros do que o nosso bom e velho vilão. Aquele sujeito ou “ser” que não precisa da ajuda de ninguém e muito menos de um bando para provocar calafrios na espinha dos leitores. Pois é, esse grande sujeito vem sendo renegado a cada livro do gênero lançado. Hoje os novos escritores e até mesmo alguns da velha guarda estão aderindo a moda do terror psicológico que dispensa esse tipo de personagem. Outros autores que poderiam ser excomungados por isso, apelam feio, colocando nas páginas de suas obras literárias seres gosmentos ou, como já disse no início, tropas de mortos vivos ou vampiros. E o que é pior: acabam vendendo. Também não é de se admirar, já que estamos numa época em que Nefilins sem graça ou ajuntamento de vampiros sedentos de sangue são a “bola da vez”. Paciência.
Por isso, hoje, resolvi fazer uma justa homenagem aos vilões verdadeiros e tradicionais da literatura de terror que nos tiraram tantas horas de sono, nos obrigando a olhar debaixo da cama para ver se não tinha ninguém escondido por ali. Lembro que sempre fazia isso, após fechar o livro que estava lendo, altas horas da noite. E para ir no banheiro então... Brrrrr! Hoje, pelo menos para mim, essa sensação se tornou mais rara.
Mas deixando o desabafo de lado, vamos ao que interessa; vamos a nossa galeria dos vilões de terror que marcaram época. Alguns velhinhos, outros nem tanto, mas que meteram muito medo na galera. Quero esclarecer que são apenas vilões que apareceram em livros e não em filmes. E mais, somente vilões de terror; por isso, os fãs de Fredy Gruger, Jason, Chucky, Olhos Famintos, Voldemort, Hannibal Lecter e outros não se decepcionem, já que esses personagens apareceram apenas nas telas do cinema ou então em livros que não podem ser classificados como literatura de terror.
Criei uma galeria com dez vilões que em minha humilde opinião, provocaram bons sustos no pessoal. Vamos à ela!
01 – Drácula (Bram Stocker)
Com certeza, esse aí pode ser considerado o “avô” dos vilões dos livros de terror. Quantos leitores de diferentes épocas foram assombrados por esse personagem impiedoso, sanguinário e sedutor ao mesmo tempo. No livro de Bram Stocker, escrito no formato de epístolas, o conde Vlad Tepes, vulgo Drácula, promove um verdadeiro festival de atrocidades, começando por iludir e prender em seu castelo o corretor Jonathan Herker que vai a Transilvânia vender imóveis ao vilão que pretende se mudar para a Inglaterra. Ao chegar no castelo, ele fica prisioneiro das vampiras do conde que se aproveita para ir até a Inglaterra para seduzir a jovem Mina, noiva do Harker. Além disso, ele transforma Lucy, a melhor amiga de Mina, em vampira e acaba com a vida de um outro personagem, Renfield, que tenta encarar o “monstro”. Sem contar que o destemido Van Helsing gemeu para poder derrubar o infernal Conde Vlad, e olha, que por pouco o matador de vampiros quase partiu dessa para melhor.
Quer mais atrocidades do famoso conde? Dizem que além de além de beber o sangue, ele empalava seus inimigos no campo de batalha. Sem dúvidas, um vilão que aterrorizou gerações de leitores, e... para ser sincero, continua aterrorizando.
02 – Frankenstein (Mary Shelley)
O que muitas pessoas desconhecem é que o Frankenstein do livro é diferente do Frankenstein do cinema, mas nem por isso, deixa de ser menos assustador. Eu, mesmo, considero o monstro do livro bem mais apavorante do que aquele que ficou imortalizado nas telas na interpretação do ator britânico Boris Karloff.
No filme, o jovem e ambicioso cientista, Dr. Henry Frankenstein com a ajuda de seu assistente recolhem pedaços de corpos de cadáveres nos cemitérios para “montar” uma criatura que é batizada com o seu sobrenome. O Dr. Frankenstein quer provar a sua teoria de criar vida através dos mortos. Quando só falta o cérebro para dar vida a criatura, o doutor pede para que o seu assistente o providencie. Acontece que o descuidado ajudante acaba roubando de uma faculdade, o cérebro de um assassino. Pronto está feito o estrago! A criatura quando ganha vida sai matando quem encontra pela frente.
Já no livro escrito por Mary Shelley, do qual originou o filme, o cientista não se chama Henry, mas Victor Frankenstein. Outro detalhe é que a criatura aprende a ler e falar, enquanto que o “Frank” do filme só emite grunhidos. Ainda na obra de Shelley, o comportamento selvagem do monstro se deve a sua aparência e também à indiferença de seu criador – o qual considera um pai – e não devido a um cérebro defeituoso.
Considero o monstro de Frankenstein do livro mais assustador do que o do cinema, pelo fato de ter consciência e apesar disso cometer crimes horríveis, como perseguir e matar todas as pessoas que tem algum vínculo afetivo com o seu criador. Tudo isso pelo espírito de vingança, por ter sido abandonado por Victor Frankenstein.
À exemplo de Drácula, um vilão com “pedigree” e que jamais será esquecido por jovens, adultos e vovôs.
03 – Dr. Jeckyll / Sr. Hyde (Robert Louis Stevenson)
Quem leu o livro “O Médico e o Monstro” do escocês Robert Louis Stevenson, publicado em 1886, irá encontrar uma definição básica para o maléfico Sr. Hyde: “o próprio demônio”. Para quem não conhece, a obra de Stevenson fala do Dr. Jeckyll,  um médico respeitado, honrado e caridoso que decide provar que o  ser humano é composto em sua essência do bem e do mal e que ambos podem ser deliciosamente vividos independentes um do outro. Para isso, prepara uma fórmula secreta e ao beber acaba se transformando no maléfico Sr. Hyde. Com o passar do tempo, o médico perde o controle sobre sua criação.
Hyde é o mal em pessoa, tanto nas atitudes quanto na aparência, espancando, mutilando e matando crianças, jovens ou idosos, por simples prazer.
Há duas passagens no livro “O Médico e o Monstro” que retratam bem a malignidade do vilão. Na primeira delas, o Sr. Hyde encontra uma criança indefesa na rua e sem mais nem menos a pisoteia, deixando a jovem perto da morte. Em outro trecho do livro, o estranho ser mata um homem a bengaladas. A cena descrita pelo autor provoca calafrios no leitor, confira:
“O crime horrendo foi presenciado pela criada da casa, pela janela, pois o mesmo aconteceu na rua próxima a sua casa. Ela viu as bengaladas e o barulho arrepiante dos ossos se quebrarem. Desmaiou.”  

Caricatura de Mr. Hyde
Dr. Jekyll / Sr. Hyde voltaram a ser abordados em outro livro lançado em 1996, chamado “Mary Reilly: A Verdadeira História de o Médico e o Monstro”, escrito por Valerie Martins, e posteriormente transformado em filme com Julia Roberts e John Malcovich nos papéis principais.
04 – Pennywise (Stephen King)
De todos os vilões apresentados e descritos nesta galeria, creio que Pennywise – também conhecido por “A Coisa” ou “Parcimonioso – seja o pior deles porque se alimenta do medo das pessoas, além de mudar de forma com freqüência. O livro “A Coisa” do mestre do terror Stephen King é assustador, talvez, um dos livros mais assustadores que já li. Em resumo é a história de sete adultos que, quando crianças enfrentaram o palhaço assassino Pennywise, e agora, decorridos 30 anos eles se reúnem novamente para o confronto final com a Coisa que aparece na pacata cidade de Derry matando várias crianças.
Depois de ler o livro de King e assistir ao filme “It – Uma Obra do medo”, baseado no romance, fiquei imaginando se, por acaso, a função do palhaço não fosse fazer rir, mas assustar as pessoas. Imagine alguém com o rosto pintado de maneira espalhafatosa, usando roupas e sapatos estranhos e ainda por cima com um sorriso homicida no rosto. Brrrrrrrrrr! Isso não é nem metade do que Pennywise representa. Ele é a verdadeira essência do mal. Além de palhaço, ele tem a capacidade de se transformar no pior dos pesadelos dos sete amigos que tentam derrota-lo.
Pennywise conseguiu me tirar várias horas de sono.  Um dos piores vilões que conheci.
05 – Emeric Belasco (Richard Matheson)
Se você leu A Casa Infernal, de Richard Matheson – do mesmo autor de Eu Sou a Lenda – com toda certeza sabe quem é Emeric Belasco, conhecido pela alcunha de “O Formidável Gigante”. Escolhi Belasco para essa galeria porque ele provou que é um vilão “boca quente”, terrível em todos os sentidos. Veja só se não é verdade. O seu fantasma que habitava uma mansão assombrada – por ele, é claro – conseguiu implodir duas incursões de equipes formadas por renomados especialistas em atividades paranormais, formadas por médiuns, parapsicólogos e paranormais que acamparam na mansão afim de desvendar os seus mistérios. Alguns desses pesquisadores ao toparem com o fantasma de Emeric Belasco enlouqueceram ou se mataram. Então um milionário excêntrico que sonha descobrir os segredos da Mansão Belasco - considerada o Monte Everst das casas mal assombradas – contrata uma equipe de quatro especialistas, entre os quais um médim que foi o único sobrevivente do massacre de alguns anos atrás, para passarem uma noite no local.
O fantasma do “Formidável Gigante”, que ganhou esse apelido por causa de sua altura, mais de dois metros, logo de cara consegue matar dois cientistas que o desafiam, antes disso apronta poucas e boas com a equipe de pesquisadores. Bem, depois só mesmo lendo o livro. Vai uma rápida descrição de Emeric Belasco quando era vivo e praticante das mais vis e horrendas atitudes em sua mansão, como canibalismo, orgias e mutilações. “Seus dentes eram como os de um animal carnívoro. Quando sorria, dava a impressão de estar rosnando. Seu rosto era branco, pois desprezava o sol.... sua aparência era assustadora: a face de um demônio que assumira a forma humana..” Quem faz essa descrição na história é o médium Franklin Fisher que conseguiu escapar do desastre da incursão da equipe anterior. Um vilão e um livro para arrepiar... e muito.
06 – Reagan possuída (William Peter Blatty)

Cena do filme O Exorcista, baseado no livro de
William Peter Blatty
Seria imperdoável deixar de fora dessa galeria, a menina Reagan, personagem do livro “O Exorcista”, de William Peter Blatty. No momento em que ela fica possuída por uma entidade maligna passa a ser o demônio em pessoa.
O Exorcista foi publicado em 1971 e logo se tornou um fenômeno de vendas, sendo adaptado para o cinema dois anos depois, repetindo o estrondoso sucesso das páginas do romance. Blatty escreveu a sua história baseado em fatos reais, no caso a possessão de um garoto, omitindo alguns fatos e exagerando em outros.
A transformação da inocente Reagan no próprio demônio, após a possessão, é algo que vai gelando aos poucos a espinha do leitor. Sei que muitas pessoas vão discordar, mas achei o livro muito mais assustador do que o filme dirigido pelo competente William Friedkin.
O livro conta a história de dois padres; um velho (Merrin) e outro jovem (Karras) que através do ritual de exorcismo tentam livrar a pequena Reagan da possessão. O filme seguiu de maneira fiel o livro, sendo aclamado pela crítica e público.
07 – Damien ( David Seltzer)
Na realidade, o anticristo é o verdadeiro vilão do livro A Profecia, de David Seltzer, lançado em 1976 e que deu origem a uma série de filmes com o mesmo nome da obra. O livro é angustiante e gira em torno de um plano para transformar o anticristo Damien em um líder mundial.
Damien é a essência do mal sob a máscara da inocencia. Quando criança é capaz de fazer verdadeiras atrocidades e depois se fingir de vítima. Capaz de tramar a morte dos próprios pais para poder chegar ao poder e dominar o mundo. O enredo do romance também associa o número 666 à besta dando origem a uma série de polêmicas na década de 70, com muitas pessoas que leram a obra passando a desprezar e também fugir dessa combinação numérica.
08 – Lester Lowe (Stephen King)
O lobisomem do livro de Stephen King é horripilante e capaz de meter medo em muitos leitores, até mesmo nos mais destemidos. Na obra de King, o reverendo Lester Lowe é um lobisomem que vem provocando uma verdadeira carnificina na outrora pacata cidade de Tarkers Mills.
Um menino numa cadeira de rodas motorizada que mora na cidade é o único que desconfia do reverendo; suspeita que se confirma, após ferir o olho do monstro com um foguete enquanto era perseguido. Depois desse incidente, o reverendo Lowe passa a usar um tapa olho para esconder o ferimento, mas nas noites de lua cheia ele se transforma na besta pensando em se vingar do pobre garoto.
“A Hora do Lobisomem” é um livro escrito sem rodeios e com uma linguagem bem simples; talvez por isso, assuste tanto.
09 – Taduz Lemke (Stephen King)
Taí mais um vilão capaz de arrepiar todos os cabelos do corpo, criado pelo mestre do terror, Stephen King, em seu livro “A Maldição do Cigano”. Taduz Lemke é um patriarca de uma tribo cigana que roga uma praga terrível num incauto motorista que atropela e mata a sua filha.
No livro, o advogado Bill Halleck que atropelou a filha de Lemke, consegue sair livre do tribunal, já que o juiz que julgou o caso é seu amigo particular. Ao sair da sala de audiências, ele dá de cara com um velho cigano com uma fisionomia horrível e o nariz carcomido que se aproxima de Bill e murmura uma praga em seu ouvido. Ele diz somente: “EMAGREDICO”. E a partir daí, o infeliz advogado quanto mais come mais emagrece, até ficar pele e osso.
O que faz de Taduz Lemke um dos piores vilões da literatura de terror é o seu espírito vingativo e cruel. Ele é incapaz de perdoar e ainda por cima aplica todo tipo de humilhação no desolado advogado que atropelou sua filha.
Não há quem não se envolva com o sofrido Bill em sua busca incessante pelo cigano. Uma verdadeira via crucis.
10- Craddock (Joe Hill)
E nada mais justo do que fechar a nossa galeria de vilões da literatura de terror com o tal Craddock; um fantasma que deu um trabalhão danado para o personagem Judas Coyne do livro “A Estrada da Noite”, de Joe Hill, filho do mestre Stephen King.
Judas é uma estrela do rock em decadência e com o estranho hábito de colecionar objetos mórbidos. Por isso, quando vê pela internet uma mulher vendendo o paletó assombrado pelo fantasma do dono morto, não pensa duas vezes em adquirir a relíquia macabra. Acontece que o fantasma, dono do paletó, é o pai de uma moça que se matou por causa do amor não correspondido de Judas Coyne. Agora, o fantasma Craddock Mc Dermott quer matar Judas Coyne para vingar a filha.
Craddock era um oficial da inteligência onde torturou de maneira desumana vários vietnamitas usando a técnica da hipnose. A sua perseguição a Judas é implacável, onde tenta induzi-lo ao suicídio, bem como as pessoas ligadas ao músico. Enfim, um vilão de terror inquestionável.

16 comentários:

  1. Blog já nos favoritos.
    E fico feliz de ainda haver vida inteligente na internet :D

    ResponderExcluir
  2. Muito interessante...
    Os unicos que eu conhecia era "Drácula" e "Frankenstein" e dos dois só li "Drácula" aehuaheuhae. To com vontade de ler esse frankenstein agora

    ResponderExcluir
  3. Sthephen King em todas e claro, o filho dele se destacando também. Tenho os 3 livros que Joe Hill lançou e realmente são muuuuito bons ! O último "O Pacto" é mais emocionante perto de "A estrada da noite", que tem um ar mais macabro mesmo. Mas são ótimos, sem dúvida.

    ResponderExcluir
  4. Senti falta de Leland Gaunt, o dono da loja em "Trocas Macabras", também do King.

    ResponderExcluir
  5. Eu colocaria o Lee Tourneau do livro O Pacto de Joe Hill na lista. Stephen King marca presença forte, mas não épra menos. O cara deu uma sobrevida no gênero.

    Que eu me lembre o Mr. Hyde não muda de aparência no livro, só nos filmes.

    E o advogado Bill pra mim é mais vilão que o Taduz Lemke no livro A Maldição do Cigano. A hipocrisia e o desejo dele de se dar bem passando sobre os outros o transformam num personagem bem desprezível :]

    Curti o texto, vilões assim realmente andam em falta.

    ResponderExcluir
  6. Até hj qnd vejo uma caminhonete à noite lembro do Craddock.Oh velhinho do cão!

    ResponderExcluir
  7. Mt bom o blog. Adorei a seleçao de viloes. O meu favorito é o Drácula, pois qd li este livro fiquei arrepiada de medo. Mt bom, parabéns.

    ResponderExcluir
  8. Olá Bri,
    O Drácula é um vilão clássico e jamais vai perder o trono. O livro de Stocker, apesar de ter sido escrito em epístolas, dá aquele friozinho na espinha. Mas confesso que um vilão que, de fato, me provocou grandes calafrios foi o Emeric Belasco, de "A Casa Infernal". A sua descrição no livro de Matheson é por demais assustadora.
    Abcs!!

    ResponderExcluir
  9. adorei esse Post. Eu amo histórias de terror! E concordo plenamente com suas colocações! bjs
    Amei o blog!
    http://alinenerd.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  10. Obrigado Aline!
    Eu tbém sou fã de histórias de terror. Já deixei evidente aqui no blog, né? (rs)
    Volte sempre!
    Feliz Natal e próspero Ano Novo...

    ResponderExcluir
  11. Alguem sabe onde posso encontrar o livro O EXORCISTA para comprar? Por fvor respondam!

    ResponderExcluir
  12. Aqui, anote:
    http://www.estantevirtual.com.br/q/o-exorcista
    Abcs!

    ResponderExcluir
  13. adorei a materia *___* faltou uma vilanzinha do stephen king ae, a maldita Annie kkkk se pa visita meu blog
    parabens ae

    http://www.tabernadoviking2.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como vai Logam;

      Stephen King tem uma vasta galeria de vilões. Daria para escrever um post somente com os vilões "terrificantes" de King.... Afinal de contas, ele é o mestre do terror e suspense.
      Visitei o seu blog, muito legal... O marcador de horas dos vikings é fantástico! Também, gostei dos assuntos abordados.
      ABCS!!

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...