sábado, 2 de setembro de 2017

Um Conto do Destino

Tá bem, eu confesso. Lutei com todas as minhas forças e energia, mas acabei perdendo esta batalha; e por goleada. Fiquei tão grogue com a surra que levei que estou resenhando a obra somente agora. Digo isto porque já li o livro há mais de dois anos; quero dizer... a metade do livro, já que não consegui encará-lo por inteiro.
Tentei vencer aquele calhamaço de mais de 700 páginas de “Um Conto do Destino”, mas miei. A obra de Matk Helprin é muito louca, mirabolante e extrapola os limites da surrealidade. Ela até começa bem, prendendo a sua atenção, mas depois...
O autor começa contando a história de um casal apaixonado, em seguida, quando menos se espera, ele dá um corte abrupto nessa história e já ‘pula’ para um outro contexto com novos personagens e ‘bota’ personagens nisso! Cara, são muitos e nenhum deles com carisma suficiente para ‘laçar’ a atenção do leitor. Algumas pessoas que conseguiram ler as 720 páginas do livro, disseram que esses personagens - que a principio não tem nenhuma relação com o tal casal do início da história – só começam a entrar no contexto perto do final. Sei lá se é verdade galera, preferi não esperar para conferir. Parei, mesmo, antes da metade.
Algumas situações criadas por Helprin chegam a atingir as raias do absurdo. Algo muito sem noção. Acredito que ele quis criar um enredo com toques de fantasia, mas no final a ‘coisa’ degringolou e acabou ficando, de fato, surreal.
“Um Conto do Destino” conta a história de Peter Lake, um exímio mecânico e também larápio, que em uma noite especialmente fria consegue invadir uma mansão que mais se parece uma fortaleza. Ele pensa que não há ninguém em casa, mas a filha do dono o surpreende em plena ação. Assim começa o romance entre um ladrão de meia-idade e uma moça chamada Beverly que tem pouco tempo de vida. A partir daí começam a pipocar as passagens estranhas na história como um gato que veste roupas, um cachorro de seis metros de altura conhecido como “Cão do Afeganistão” e outras excentricidades das quais não me lembro, pois já faz algum tempinho que li o livro.
Um dos motivos que me levou a comprar “Um Conto do Destino”, na época, foi a publicidade muito chamativa do filme com Colin Farrell baseado na obra de Helprin. O slogan: “É possível amar alguém tão plenamente que a pessoa não pode morrer?” era o mesmo do livro. Entonce, o gaiato aqui, foi no embalo do slogan precedido por belas imagens e comprou o livrão de mais de 700 páginas. O que aconteceu? Você já sabe.
Taí, é o que dá ir com tanta sede ao pote.

Inté!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...