domingo, 10 de janeiro de 2016

Guerra Civil

Você que acompanha o blog há algum tempo, já sabe do meu repúdio as chamadas novelizações de filmes. Antes de ler alguma, já estou correndo quilômetros de distância. Por isso, demorei para encarar a leitura do livro de Stuart Moore que na realidade é uma novelização da famosa história em quadrinhos “Guerra Civil” de  Mark Millar.
Pensei comigo: - “Tudo bem, não é a novelização de um filme, mas o processo é o mesmo!!”
Para aumentar a minha dúvida, a maioria dos comentários que eu lia eram favoráveis a adaptação do enredo. Depois de algum tempo, seduzido pela oferta irresistível de uma livraria, resolvi comprar o livro e iniciar a leitura. Achei a história fantástica, muito bem escrita. Talvez esta minha empatia com o enredo adaptado por Moore deva-se em grande parte ao meu desconhecimento da saga nos quadrinhos. Sei lá; mas na realidade gostei.
Com certeza, você leitor de carteirinha, perceberá no ato quando um livro é bom ou ruim; e “Guerra Civil” é bom. Muito bom. Como eu tinha apenas uma noção do ‘Universo Marvel’ - incluindo a história idealizada por Millar - o livro serviu para que me aprofundasse mais no assunto e conhecesse melhor as características, personalidades e peculiaridades de vários super-heróis. Por exemplo, você sabia O Capitão América é o grande ídolo do anti-herói O Justiceiro? O respeito do cara chega a tal ponto em que ele aceita levar uma surra do Capitão, se negando a reagir. Logo ele, O Justiceiro!! Em Guerra Civil, Moore, em poucas palavras, explica como nasceu esse respeito por parte de Frank Castle.
Outro ponto positivo da trama foi a opção do autor em ceder espaço, também, para personagens pouco conhecidos da Marvel, como “Manto”, “Adaga”, “Estatura”, “Patriota”, “Tigresa” e outros que ao lado de figurinhas carimbadas como Homem de Ferro, Capitão América, Quarteto Fantástico, Homem Aranha e Cia puderam mostrar a sua importância na trama.
“Guerra Civil” vai além dos confrontos eletrizantes entre super-heróis conhecidos. Muito além. As relações conflituosas entre os personagens e as dúvidas sobre o que certo ou errado permeiam todo o enredo, fazendo com que o leitor, ora torça para o suposto mocinho, ora para o suposto vilão.
Quanto a batalha final, PQP!! Não dá para largar o livro um segundo sequer. Nunca imaginei que um dia em minha vida poderia ver o Homem-Aranha enfrentando com toda sua raiva e vontade o (...) ou então, o Demolidor querendo arrebentar a (...) e por aí vai: um festival de enfrentamentos  inusitados o que dá ainda mais tempero a trama. Não se esquecendo da participação de Namor, o Príncipe Submarino, que passa a ser decisiva para um dos lados no confronto final.
A relação do casal fantástico: Richard e Sue também é testada aos limites quando um evento ocorrido na trama acaba provocando o  rompimento dos dois. Mais do que isso, ao rompimento do Quarteto fantástico, fazendo com que cada um de seus integrantes escolha lados opostos: Capitão América ou Homem de Ferro.
No enredo adaptado, após uma trágica batalha envolvendo heróis inexperientes e um grupo de vilões, ter deixado um buraco no centro de Stamford, Connecticut, matando centenas de pessoas; o governo americano reage rapidamente, ordenando que todos os super-heróis – e vilões – revelem sua identidade e registrem seus poderes. Para Tony Stark, o Homem de Ferro, é um passo lamentável, porém necessário. Ele se voluntaria para supervisionar o processo de registro.
Mas para o Capitão América, é uma intolerável agressão à liberdade cívica. Inconformado, ele recruta sua própria equipe de rebeldes super-heróis, que passa a agir fora da lei. Resultado: a Guerra Civil entre a comunidade dos super-humanos.
Leitura fluida e prazerosa.

Inté!

5 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Não ou muito fã de novelizações, para mim é um gênero que nunca leio. Contudo diante da sua resenha e de tantas outras que li na internet o texto Moore para ser bem escrito, talvez eu de uma chance a Guerra Civil, já que quero conhecer um pouco mais do universo Marvel (não sei absolutamente nada) e o filme estás a porta.
    http://estantepolicial.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Helysson, também não gosto de novelizações, mas Guerra Civil me surpreendeu. Talvez, até mesmo por não ter lido os quadrinhos de Mark Millar e Steve McNiven. Creio que vc tbém irá gostar.
      Abcs!

      Excluir
  3. Rapaz... Eu tenho esta HQ e a reli recentemente para uma postagem que farei assim que sair o filme (já antevejo uma catástrofe cinematográfica, kkkkkk). Confesso que fiquei curioso se "romantizaram" o roteiro da HQ ou reescreveram tudo novamente, enquadrando com o roteiro do filme... Abraços...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcelo, não posso esclarecer essa dúvida, já que não li a saga nos quadrinhos, da qual tenho apenas uma noção. Talvez este tenha sido um dos motivos de ter gostado tanto do livro de Moore.
      Abcs!

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...