quinta-feira, 24 de setembro de 2015

As Bruxas

Por sempre defender o lema: “Leia o que quiser e onde quiser”, dia desses ataquei de literatura infanto-juvenil – mais para o infantil do que para o juvenil – em plena rodoviária lotadíssima. Como tinha de fazer uma reportagem do tipo ‘vapt-vupt  numa cidade próxima, optei pelo buzão. Enquanto aguardava o dito cujo para retornar ‘in my house’, saquei da pasta “As Bruxas” de  Roald Dahl e mandei ver. Leitura vai, leitura vem, quando percebi, estava tão compenetrado no livro que quase perdi o meu meio de transporte. O jeito foi continuar lendo bem acomodado na poltrona acolchoada do  buzão. Podem acreditar, li as 178 páginas de  “As Bruxas” em pouco mais de duas horas.
Apesar dos diálogos e até mesmo do roteiro bem simples, Dahl tem o dom de seduzir o leitor. Cara, não dá pra parar de ler. Ele te deixa completamente a vontade e o resultado é um mergulho de cabeça em sua história.
Antes de viajar, saquei esse livro da estante porque, a princípio, era bem curtinho e fino – não estava a fim de levar um calhamaço de páginas ‘fincado’ em minha bolsa como um bloco de concreto -, mas após concluir a leitura, o meu desejo era que as 178 páginas do livro fossem na realidade 300 ou 400,  pois assim, poderia desfrutar muito mais o prazer da leitura.
O livro de Dahl ganhou uma adaptação para os cinemas em 1990 com o título de “A Convenção das Bruxas”. A obra escrita é muito melhor, mas o filme com Anjelica Houston também não nega fogo. Considero o livro melhor porque é bem mais detalhista, principalmente durante as explicações sobre bruxas dadas pelo avó do personagem principal.
Dahl conta a história de um menino inglês – que não tem o seu nome revelado no livro – que após a morte de seus pais, vai morar com a sua avó na Noruega. Ele ama de paixão a velhinha bondosa e esperta. A vovó sabe tudo sobre bruxas e acaba convencendo o garoto de que elas, realmente, existem, mas por outro lado é muito difícil identificá-las já que são parecidas com pessoas normais e levam uma rotina de vida, também, normal. Podem ser professoras, médicas, secretárias e por aí afora.
A velhinha vai, então, dando dicas importantes que podem ajudar a descobrir quando uma mulher é de fato, uma bruxa. Ok, lá vai algumas: bruxas sempre usam perucas porque são carecas e por isso tem as cabeças cobertas de perebas. Bruxas tem os pés sem dedos e  assim, quando usam sapatos de bico fino acabam mancando um pouco. Bruxas tem as narinas um pouquinho dilatadas para poder farejar melhor o cheiro das crianças que planejam roubar e matar. Estas são algumas das dicas da vovó, mas há muitas outras que você descobrirá ao ler o livro. Resumindo: bruxa de verdade nem parece bruxa. E é aí que mora o perigo.
Nas férias escolares, avó e neto vão viajar para a Inglaterra e ficam hospedados num hotel de luxo. No local está acontecendo uma convenção anual de um grupo de respeitadas senhoras que fazem parte do grupo Rel Soceidade para a Prevenção da Crueldade contra as Crianças (RSPCC). Ocorre que todas essas senhoras distintas são na realidade... bruxas!! E elas tem um plano maligno.
Tanto o garoto quanto a vovó acabam se unindo para tentar evitar que as tais bruxas consigam levar adiante o seu objetivo.

Amei livro e filme!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...