quarta-feira, 5 de agosto de 2015

Depois de Holocausto Brasileiro, Daniela Arbex lança outro livro polêmico: Cova 312

Após denunciar as atrocidades cometidas contra ‘supostos’ doentes mentais internados – ou melhor, esquecidos – no Hospital Colônia, de Barbacena (MG) em seu elogiado “Holocausto Brasileiro”; Daniela Arbex lança mais uma obra polêmica e corajosa. No livro “Cova 312”, que já está à venda, a jornalista mineira conta a história real de como as Forças Armadas mataram pela tortura um jovem militante político, sumiram com seu corpo e forjaram um suicídio. 
A vítima se chamava Milton Soares de Castro, único civil a participar da guerrilha de Caparaó, na divisa dos estados de Minas Gerais e Espírito Santo, considerada a primeira tentativa de levante armado contra a ditadura militar brasileira.
Escrito na forma de romance, “Cova 312” destrincha os detalhes da saga do jovem guerrilheiro gaúcho, nascido em Santa Maria. Ao conseguir unir jornalismo investigativo e romance num ‘bolo só’, sem transformar esse bolo em algo indigesto, Arbex prova porque é considerada uma das melhores ‘jornalistas-autoras’ de sua geração. Cara, “Cova 312” abrange são dois estilos completamente diferentes! Tá pensando que é fácil? Vai, tenta aí unir ficção e realidade, mas sem desvirtuar a realidade. Dureza, né? Mas, Arbex conseguiu fazer isso com maestria em seu novo livro – pelo menos até o capítulo em que eu li antes de escrever esse post (eu e a minha velha mania de ler dois livros ao mesmo tempo).
Castro foi preso no dia 1º de abril de 1967, junto com sete companheiros, e levado para a Penitenciária de Linhares, em Juiz de Fora (MG). No dia 28 de abril, apareceu morto. A versão oficial divulgada na época foi suicídio. Mas pêra aí. E quanto ao corpo? É, cadê o corpo?! Pois é galera, o corpo sumiu!
Milton Soares de Castro se tornou um desaparecido político. E é dessa forma que o guerrilheiro é identificado no relatório final da Comissão nacional da Verdade (CNV). Mas em 2002, Arbex soltou uma tremenda bomba numa reportagem publicada no jornal Tribuna de Minas: ‘o corpo de Castro está enterrado como se fosse um indigente na sepultura 312, uma cova rasa, do Cemitério Municipal de Juiz de Fora. Depois de 35 anos, documentos da empresa funerária e da prefeitura comprovaram a localização do corpo. No entanto, como a família optou por não fazer a exumação, a Comissão Nacional da Verdade continuou a considerá-lo um desaparecido.
O subtítulo de “Cova 312” já explica em poucas palavras a filosofia de trabalho adotada  pela escritora mineira: “A longa jornada de uma repórter para descobrir o destino de um guerrilheiro, derrubar uma farsa e mudar o capítulo da história do Brasil”.
Na obra, ela derruba a tese ‘plantada’ pela ditadura militar de que Castro se suicidou, além de recuperar a trajetória da guerrilha do Caparaó e da penitenciária de Linhares, um dos principais centros de detenção do regime autoritário.

O livro de 344 páginas, lançado pela Geração Editorial já está à venda nas principais livrarias físicas e virtuais do País pelo preço de R$ 22,30.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...