domingo, 21 de junho de 2015

As lendárias capas dos fascículos da enciclopédia Conhecer

Que saudades das capas da enciclopédia Conhecer!
Alguns podem considerar estranha a minha afirmação, já que o correto seria escrever: “Que saudades da enciclopédia Conhecer!”, quero dizer saudades de um todo (texto e imagens) e não só das capas. Não resta dúvidas que os assuntos abordados pela enciclopédia da Abril Cultural eram o ‘máximo do máximo’ e com certeza, ajudaram muitos estudantes do ginasial em suas pesquisas, mas as capas dos fascículos eram um show a parte.
É difícil explicar, mas as ilustrações daquelas capas fantásticas que vinham  acompanhadas de uma pequena introdução sobre o assunto principal, faziam com que eu me transportasse para o contexto das imagens, como se eu estive lá. Lembro que após comentar isso – décadas e décadas atrás - com uma saudosa professora de literatura, ela acabou me esclarecendo que somente os leitores ávidos tem o dom de interagir não só com os textos, mas também com as ilustrações. Se isto que a minha ex-teacher disse - ainda nos anos 70 - for verdade, posso afirmar com plena convicção que já naqueles idos tempos, eu era o mais inveterados dos leitores.
Recordo que todas as semanas, o meu irmão chegava em casa com um novo fascículo de “Conhecer” e imediatamente guardava em seu armário secreto. Cara, que bruta ansiedade ver aquilo! Queria desesperadamente ler aquela jóia rara, mas o medo de levar uma bronca era maior. Então, era obrigado a esperar que o mano fosse dar as suas voltinhas para que eu pudesse “assaltar” o seu esconderijo. O tal armário me proporcionou momentos literários marcantes; fiz muitas ‘viagens’ inesquecíveis graças à ele. O conteúdo desse armário foi tão importante em minha vida de leitor que, há algum tempo, decidi escrever um post inteiramente dedicado á ele (ver aqui)
Os artigos de “Conhecer” me transportavam para o mundo mágico do saber; enquanto as suas capas me levavam para lugares deliciosamente surreais. A vontade que eu tinha era a de penetrar naquelas gravuras com temas dramáticos ou históricos e fazer parte do seu contexto.
Quando o meu irmão concluiu a montagem dos treze volumes, eu praticamente já tinha lido todos os fascículos da enciclopédia.
Por “Conhecer” ter feito parte da minha vida, nada mais justo que escrever um post dedicado inteiramente à ela e é claro, às suas famosas capas que me enfeitiçavam.
Esta enciclopédia antológica da Abril Cultural foi lançada no longínquo 27 de setembro de 1966. Pelo que eu pesquisei, a enciclopédia chegava nas bancas de jornais e revistas todas as terças-feiras e a cada 15 fascículos com 20 páginas, o colecionador podia comprar uma capa dura vermelha. De posse  dos 15 fascículos e da famosa capa vermelha, ele ia correndo até uma gráfica para providenciar a encadernação dos fascículos. Pronto! Estava montada a enciclopédia!


Futuramente, estarei dando mais detalhes sobre “Conhecer” num post específico sobre enciclopédia que deixaram saudades. Por enquanto, fico apenas com a nostalgia das capas lendárias dessa preciosidade.

8 comentários:

  1. Deve ter sido muito bom ter vivido aquela época,a minha geração nasceu com a informação pronta a um click na internet, pena que eles não tiveram a oportunidade de conhecer essas enciclopédias.
    Sei que essa não é o assunto do post em questão mas eu tenho, a coleção Barsa em minha estante (fruto de um presente de uma tia) a qual me orgulho muito.
    Abcs!
    estantepolicial.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A época das enciclopédias é a mesma dos vendedores de livros de porta em porta. Um tempo muito especial. Lembro que ficava contando nos dedos o final de mês - data em que esses vendedores percorriam as residencias - para 'engolir' com os olhos as amostragens dos livros e coleções. Não tenho a Barsa, uma grande enciclopédia, muito menos "O Trópico" que também marcou época.
      Posso lhe garantir que não foi bom, mas foi ótimo ter sido leitor naquela época, apesar do advento da Internet não passar de um sonho..
      Abraços!

      Excluir
  2. Que bom saber que eu não fui o único a viajar nas capas e figuras da Conhecer!
    Melhor ainda seria alguém ter passado a enciclopédia toda para PDF!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Zeno, com certeza, além de nós, muitos outros leitores viajaram com as famosas capas. Quanto a publicação da enciclopédia em pdf, 'fucei' muito na Net, mas não consegui encontrar nada. Quem sabe um dia, alguma alma caridosa se compadeça e libere esse tesouro para todos nós internautas.

      Excluir
  3. Simplesmente amo essa enciclopédia. Quando criança (e na adolescência), tinha a edição de 1969 em casa. Eu viajava naqueles assuntos e, principalmente, através das imagens. Parecia ser um hábito toda a família ter algum tipo de enciclopédia em casa, seja para cultura geral, seja para auxiliar os filhos nos estudos. Pena que esse hábito, aparentemente, desapareceu.

    ResponderExcluir
  4. Também tenho ótimas recordações de "Conhecer". Acredito que essa enciclopédia fez parte de uma geração de leitores. As suas ilustrações, de fato, tinham o dom de nos 'chupar' para dentro da imagem.
    Muitas saudades daquele tempo :)
    Abcs!

    ResponderExcluir
  5. As ilustrações da Conhecer eram muito bem feitas mesmo! Não só introduziam o assunto: acho que nos faziam sonhar. Penso que quem teve contato com elas até hoje guarda várias dessas ilustrações na memória!
    Parabéns pelo texto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De fato, essas ilsutrações tinham o poder de nos fazer sonhar... e como!

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...