quinta-feira, 14 de maio de 2015

Escuridão Total Sem Estrelas

“Escuridão Total Sem Estrelas” faz me lembrar do “Mirtinho”, um colega de infância que estudou comigo no período ginasial. Ele era um menino acanhadérrimo e o silêncio era o seu melhor amigo. Ele entrava na classe fala um oizinho mixuruca e envergonhado para o pessoal e ia se sentar no meio da sala de aula com a cabeça baixa para fazer as suas lições. Quando desejava pedir alguma coisa para os seus colegas, extrapolava na educação, tornando-se enfadonho.
Brigas ou confusões não faziam parte da sua história de vida. Quer dizer... até uma fatídica manhã quando ele foi humilhado por um incauto e egocêntrico aluno metido a brigão. O nome da besta e burra fera? Tinho, vulgo Tinhão. Besta porque queria brigar com todo mundo e burro porque foi mexer com o “desconhecido”. E esse desconhecido se chamava Mirtinho.
Apesar das décadas, me lembro do fato como se fosse hoje. Tinhão passou todas as aulas provocando a sua “vítima-algoz”, chamando-o de todos os apelidos mais humilhantes existentes naquela época. Não contente com o ‘bullying oral”, Tinhão apelou para os tapas na orelha e os chamados ‘coques’ na cabeça. Tudo isso quando os professores se encontravam de costas.
Mirtinho agüentou firme. No dia seguinte, começou tudo de novo, mas ele já estava preparado e então veio a vingança nua e crua. No início da aula, nossa vítima abriu uma caixa de sapatos e retirou de seu interior uma ratazana horriiiiiiivel que mais se parecia com um boi. De uma segunda caixinha, ele retirou uma aranha enorme com ‘cara’ de caranguejeira e finalmente do seu último compartimento secreto, libertou alguns baratões. Vejam bem, eu disse baratões e não baratas.
Mêo, foi muito rápido. Mirtinho jogou o seu “zoológico particular” na cara do Tinhão que ao ver aquilo batendo em seu rosto, peito, braço e etc, levou as duas mãos a garganta como querendo gritar, mas nessa hora a voz sumiu e o grito saiu ‘mudo’, acompanhado numa fisionomia do mais puro terror.
Ainda não satisfeito , Mirtinho soltou um sonoro: “Toma seu FDP!!!!!” – gritou ainda  outras coisas que é evidente não me lembro – e empurrou Tinhão da cadeira que ao cair parecia uma tora, já que estava catatônico por causa do choque.
Detalhezinho: Neste dia da vingança, a professora titular havia faltado e quem estava lecionando era o diretor da escola que adorava castigar alunos que desrespeitassem a sua aula. Moral da história: Tinhão nunca mais mexeu com ninguém e Mirtinho pegou gancho de vários dias, só não sendo expulso por causa de seu brilhante currículo ginasial.
Stephen King
Mas o que esta história tem a ver com a obra de Stephen King? Cara, tem tudo a ver! “Escuridão Total Sem Estrelas” é um livro sobre personagens pacatos e racionais, alguns até mesmo simplórios, que ao se depararem com situações extremas ou humilhantes são capazes de tomar atitudes chocantes.
Penso até que o fato envolvendo o meu colega de infância – que hoje, nem sei onde se encontra – e os seus adoráveis ‘bichinhos de estimação’ daria um ótimo conto pelas mãos de King. “Mirtinho” passou por momentos de escuridão total ao se deparar com o seu algoz e após tanta humilhação, tirou a pele de cordeiro e mostrou o seu “eu” secreto. Nas quatro histórias de “Escuridão Total Sem Estrelas”, os personagens agem da mesma maneira, deixando nós leitores, boquiabertos e até assustados com tais atitudes. Por isso, o livro é cru, realista e chocante.
Um detalhes é que, dessa vez, King não apelou para o sobrenatural – com exceção do conto “Extensão Justa” – optando por mostrar o lado mais humano de seus personagens.
O melhor conto do livro é “1922” que abre a coletânea. King arrebenta nesta história. Na minha opinião, um dos melhores contos já escritos pelo autor. O final inesperado é de derrubar o queixo. Cara, fiquei completamente pasmado porque jamais pensei que o destino do personagem principal seria aquele.
“O Gigante do Volante” também não decepciona. O enredo é cheio de reviravoltas. Muitos leitores criticaram o final da história, mas eu achei tão bom quanto “1922”. Para que você e tenda o final e o veja como algo impactante é necessário ‘sacar’ o lance do pato de pelúcia desbotado e sem um dos olhos que Tess Jean – a personagem principal – encontra perto do final do conto. O pato está intimamente ligado à vida de... bem leia o conto, é melhor, se não vou acabar ‘queimando-o’ com spoilers.
 www.stephenking.com.br
Ilustração do conto Um Bom Casamento
“Extensão Justa” é o tipo da história que vai deixando o leitor angustiado. Daquelas difíceis de ler, não porque seja ruim, mas por causa da carga negativa envolvendo os personagens. Um deles se parece com Jó: nasceu para sofrer, enquanto o outro, é hipócrita, insensível e egoísta. Se não fosse o seu final insosso, com certeza seria mais um ‘contaço’ de King, pena que o mestre não foi feliz na sua conclusão e com isso mijou, cag... e sentou em cima, fazendo o serviço – quer dizer, a porcaria – completa. Final horrível, sem surpresa nenhuma.
 “Um Bom Casamento” é razoável, ganha de “Extensão Justa” somente por causa do final maledeto desse último. Após uma revelação importante que acontece mais ou menos no meio do conto, a história acaba ficando previsível.
Vamos conferir um pequeno resumo dos quatro contos que compõem o livro.
01 – “1922”
Wilfred James vive com seu filho e sua esposa, Arlette James, em uma fazenda em Hemingford Home, Nebrasca. Enquanto Wilfred é o típico fazendeiro esperançoso, que planeja prosperar com suas terras, sua esposa, Arlette, é o tipo de mulher sonhadora que não consegue imaginar seu futuro ao lado das vacas e demais animais da fazenda. Arlette é dona de 100 acres, ao lado dos 80 do marido e ela planeja vender a sua parte para uma companhia que planeja instalar ali uma de suas fábricas de produtos alimentícios. Wilfred se vê pressionado pela esposa e acaba arquitetando um plano macabro que envolve mentiras e assassinato. Para isso, porém, ele precisará envenenar a mente de seu filho, de apenas 14 anos, para que possa ajudá-lo a levar a cabo seu plano macabro.
02 – O Gigante do Volante
 Após retornar de uma palestra por um atalho deserto, Tess, uma autora de livros de mistérios em os pneus do carro furados por pregos grudados a pedaços velhos de madeira. Ela acaba conseguindo a ajuda de um estranho, um “gigante” que se prontifica a trocar o pneu. Ocorre que o tal “gigante” acaba fazendo algo mais do que apenas trocar o pneu furado e com isso, a história de vida da pobre Tess muda radicalmente e ela é obrigada a mostrar o lado escuro de sua alma.
03 – Extensão Justa
Dave Streeter é um homem que está a beira da morte por causa de um câncer que vem consumindo a sua vida rapidamente. Certo dia, durante um passeio de final de tarde, ele conhece um vendedor misterioso, que ao invés de vender casas, utensílios eletrodomésticos ou ingressos para ver o jogo de futebol do seu time preferido, comercializa o que ele gosta de chamar de “extensões”. Para os que precisam de dinheiro, ele vende prolongamentos de crédito, para os que tem pênis pequeno, ele vende um prolongamento físico, para os que tem pouco tempo de vida, como Streeter, ele vende um prolongamento especial de vida, que ele promete durar pelo menos 15 anos ou mais. Porém, como na vida, esses prolongamentos também tem um preço, que Streeter irá pagar sem pestanejar.
04 – Um Bom Casamento
Darcy Anderson é uma dona de casa dedicada, com um casamento de sucesso que mantém ao longo de 27 anos. Certa noite, quando vai a garagem de sua casa buscar algumas pilhas para o controle remoto da TV, ela acaba descobrindo o esconderijo secreto do marido. Lá, Darcy descobre algo perturbador, o conteúdo de uma caixa misteriosa que vai mudar a sua vida para sempre.
Não poderia deixar de registrar nesse post, o “Posfácio” do livro, onde King explica de onde tirou inspiração para escrever os quatro  contos de “Escuridão Total Sem Estrelas”.
Fui!



4 comentários:

  1. Gostei dos quatro contos, e meu preferido é Extensão Justa, pois gostei muito da história criativa e interessante apresentada. O segundo que mais gostei foi 1922, que como você disse o final é inesperado.

    bomlivro1811.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maurilei, também gostei muito de "Extensão Justa", exceto o seu final. Um livro recomendável para os fãs de contos de suspense e terror.
      Grande abraço!

      Excluir
  2. Olá, te indiquei numa TAG, espero que não se importe, bjs adoro seu blog
    http://minha-fuga-da-realidade13.blogspot.com.br/2015/05/tag-complete-frase.html

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...