domingo, 24 de março de 2013

“O Massacre da Serra Elétrica: Arquivos Sangrentos” será lançado em abril



Quando “ O Exorcista” foi lançado em 1973, a maioria dos cinéfilos tinha certeza de que nenhuma outra produção do gênero terror conseguiria repetir o êxito da história sobre aquela criança possuída pelo demônio. Pensei que nenhuma cena superaria a  “virada” de cabeça de 360 graus sobre o próprio pescoço de uma menina endemoniada com a expressão toda distorcida. Então, um ano depois (1974) o diretor Tobe Hooper  lançaria “O Massacre da Serra Elétrica”. E pronto; e lá iriam todas as minhas convicções de pré-adolescente para o lixo. Após assistir o filme com o coração na mão, a Regan possuída sairia do meu imaginário para ceder espaço para o homicida Leatherface.
O calafrio provocado por um serial killer com problemas mentais que matava as suas vítimas com uma moto-serra e depois retirava a pele para se vestir com o estranho “souvenir” era muito maior do as vomitadas de gosma verde  e “giradas de cabeça” de Regan. Tão maior que após quase 40 anos, ainda não consigo rever o filme de Hooper. Sei lá; me chamem do que quiser: covarde, medroso, poltrão; mas a verdade é que não consigo... Pô!!
Pois é, os tais quase 40 anos ainda não conseguiram amenizar o incômodo e a sensação de mal estar que o filme provoca. Acredito que muitos de vocês que estão lendo esse post pensam como eu; e tem na figura de Leatherface o motivo de seu principal medo “interior-adolescente”.
Bem galera, a boa notícia para aqueles que se “deliciaram” (deliciaram??!!) ou melhor tremeram de medo com o filme de Hooper é que a editora Darkside, especializada em livros de terror e suspense, acabou de lançar neste mês de março, o livro “ O Massacre da Serra Elétrica: Arquivos Sangrentos”, inaugurando a “Coleção Dissecando: Clássicos de Terror”.
Ed Gein: o Leatherface real
Pera aí gente! Para os mais apressadinhos que estão pensando se tratar de uma simples adaptação do roteiro cinematográfico, de 1974, para as páginas, já adianto que não tem nada a ver. A obra escrita pelo inglês Stefan Jaworzyn vai muito mais além. É algo profundo mesmo! Diferente, fugindo dos padrões convencionais e que, por isso, certamente irá agradar tantos cinéfilos quanto leitores. O livro é uma verdadeira enciclopédia de informações e curiosidades sobre a obra de Hooper. “O Massacre da Serra Elétrica: Arquivos Sangrentos” conta a história da produção do filme, além de reunir diversas entrevistas com o elenco, abordando a repercussão na época. 
O livro reúne ainda histórias dos bastidores dos filmes da série, perfis do diretor e do psicopata que inspirou o longa, críticas da época, além dos relatórios que recomendavam a censura do filme, tudo amplamente ilustrado com fotografias raras e inéditas.
As lendas urbanas criadas pelos filmes da série, ao longo dos anos, também estão incluídas na obra literária de Jaworzyn que já foi editor do fanzine de horror Shock Xpress (1985-1990), que deu origem à série de livros homônimos, além de fundador do festival de filmes de horror Shock Around the Clock.
Talvez, muitos de vocês estejam questionando nesse momento se uma película de baixo orçamento, com atores desconhecidos e ainda por cima sem a devida e merecida atenção do estúdio que aceitou filmá-la merecia um livro tão aclamado como esse. Eu respondo: “Merecia e muito”.
Livro capa dura edição limitada
Apesar de desacreditado pelos próprios produtores que destinaram uma verdadeira merreca para a produção do filme, “O Massacre da Serra Elétrica”  levou verdadeiro pânico aos jovens da época, com Leatherface inundando o imaginário das pessoas com ao mais terríveis pesadelos.
O filme de Hooper causou uma revolução após o seu lançamento, abalando todas as estruturas, fugindo completamente do convencional. Nenhum outro filme do gênero havia conseguido chegar tão fundo no que se refere ao medo visceral. Imagine bem; no meio do puritanismo cinematográfico do início dos anos 70,  no que se referia à cenas de violência explícita, surge um roteiro que tem como personagem principal um homicida com deficiência mental que mutila as suas vítimas com uma moto-serra!!! Para romper de vez as convenções, esse homicida ainda arranca a pele de suas vítimas para se vestir e fazer uma máscara. Mais ainda... tem uma família de canibais tão desequilibrada quanto ele que saboreia alguns filés extraídos das pobres vítimas. E para finalizar... as cenas do serial killer “partindo”  as suas presas humanas ao meio com a tal serra elétrica são mostradas quase que explicitamente!! Nunca esqueço a cena em que Leatherface pendura um cadáver num gancho de açougue para extrair a sua pele. Arghhhh!!!
Cara! Um filme com essas características não poderia passar despercebido naqueles tempos. Explodiu tudo! Resultado:  a censura caiu matando em cima e proibiu a exibição do filme em vários países, o que só serviu para aumentar ainda mais a curiosidade dos cinéfilos que faziam filas monstruosas nos cinemas onde a produção estava liberada.
Tobe Hooper demonstrou toda a sua genialidade ao dar ao filme um clima realista, quase documental. Percebemos isso logo no início da história quando uma voz em off faz um resumo do drama vivido pelo grupo de jovens que numa tarde de final de semana resolvem “pegar” uma das estradas do Texas para viajar, sem saber que passariam a viver o maior pesadelo de suas vidas ao cair nas garras de uma família de canibais.
“O Massacre da Serra Elétrica” foi inspirado no psicopata Ed Gein, talvez o mais famoso sociopata sexual do século  XX.  Em 16 de novembro de 1957,  os policiais encontraram na fazenda de Ed Gein, um conjunto de relíquias macabras que entraria para a história da criminologia e psiquiatria. Eles encontraram em sua fazenda, dentre outros artefatos: 9 máscaras feitas de pele humana; tigelas de sopa feitas do topo cerrado de crânios humanos;
10 cabeças de mulheres com o topo cerrado; cadeiras revestidas e forradas de pele humana; 9 vaginas em uma caixa (a da sua mãe estava pintada de prata); 1 cinto feito de mamilos femininos; 1 pucha-cortina feito de lábios humanos; 1 caixa com narizes; 1 abajur feito de pele humana; 1 caixa de aveia contendo pedaços de cérebros; sutiã e outras “peças” de roupas feitos de pele humana; órgãos e vísceras humanas dentro da geladeira; crânios enfeitando sua cama e outras souvenires macabros.
Ed Gein – que tinha um pouco de deficiência mental - nunca disse quantas pessoas matou. Confessou apenas dois assassinatos, mesmo assim após ser torturado pelo xerife responsável pelo caso. A maioria dos pedaços e restos de corpos encontrados em sua fazenda eram de cadáveres que ele havia desenterrado no cemitério local. Nunca ao certo se soube quantas pessoas ele realmente assassinou.
Além de Ed Gein, o filme também teve como inspiração um crime ocorrido um ano antes no Texas e que chocou a sociedade norte-americana, dando origem a uma série de lendas urbanas.
Ator Gunnar Hansen que viveu Leatherface no filme de 1974
O livro conta ainda como aconteceu a escolha do ator que viria interpretar Leatherface. É evidente que não vou revelar aqui como Gunnar Hansen ganhou o papel e como ele se preparou para encarnar o personagem. Deixo isso para as páginas da obra de Jaworzyn.
E como já citei no começo desse post, “O Massacre da Serra Elétrica”: Arquivos Sangrentos” brinda, também, os seus leitores com um arquivo de fotos inéditas dos bastidores do filme e também de fatos epersonagens que inspiraram a obra.
Ah! Pera aí. Acho que deixei o melhor para o final. Depois de “O Massacre da Serra Elétrica” virão outros ‘arquivos sangrentos’. Explico melhor. É que a editora Darkside pretende dar sequencia ao projeto que consiste no lançamento de livros que contenham todas as curiosidades sobre famosas produções de terror, escancarando as portas dos bastidores desses filmes. Um verdadeiro “Making of literário”. Tudo indica que o próximo da lista será “A Morte do Demônio” (The Evil Dare) de Sam Raimi.
E aí gostaram? Então reserve já o seu exemplar que já está em pré-venda nas principais livrarias virtuais. Faça isso logo porque a edição de luxo capa dura é limitada. “O Massacre da Serra Elétrica”: Arquivos Sangrentos” deve ser lançado oficialmente no próximo dia 15 de abril.
Inté!

3 comentários:

  1. Opa! Me interessei!

    http://gatosmucky.blogspot.com.br/2013/03/o-massacre-da-serra-eletrica.html

    Abraço, José Antônio...

    ResponderExcluir
  2. Olá José! :) Só estou escrevendo pra dizer que adoro seu trabalho! Já comprei vários livros por conta dos seus comentários e análises interessantíssimos! O "Deixa ela entrar" foi o mais recente, estou aguardando chegar... Muito obrigada por "reacender" a minha chama literária! ^^

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado mesmo Nayara!
      Fico estimulado para continuar dando a minha mais do que humilde colaboração na indicação de obras literárias aos meus amigos leitores.
      Obrigado e volte sempre!

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...