terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

10 livros que serão adaptados para a televisão



Ainda ontem estava pensando com os meus botões: “Foi muito difícil para o pessoal da minha geração assistir na TV séries ou minisséries adaptadas de livros famosos”. Aqueles e também aquelas que são da minha época – as saudosas décadas de 60 e 70 – viam muito na telinha os ‘Ultra-Sevens’, ‘Robô Gigante’, ‘Perdidos no Espaço’, ‘ Cyborg – O Homem de Seis Milhões de Dólares’, ‘Hawai 5.0’ e os ‘Túneis do Tempo’ da vida. Aliás, é melhor riscar a palavra ‘minissérie’ do mapa, mesmo porque naqueles idos e longínquos tempos nem se sabia o que era isso. Para se ter uma idéia, a Globo só lançaria as suas primeiras minisséries no início dos anos 80. Quanto as séries internacionais baseadas em livros, eram muito raras. Nos anos 70, vamos ver... Huuumm... Caraca! Tá Difícil! Pêra aí... Olha, no sufoco consegui me lembrar de uma minissérie chamada ‘Holocausto’ que contava a história do Holocausto sob a perspectiva de uma família de judeus alemães. Aliás, essa minissérie que teve apenas quatro capítulos, nem se encaixaria na categoria de livros adaptados para a TV, porque ocorreu o contrário, ou seja, o roteiro do produtor da série, Gerald Green, é que acabou virando um livro.
As conhecidas séries internacionais de TV baseadas no enredo de Best-Sellers famosos, só começaram a aparecer – à exemplo das minisséries da Globo - também nos anos 80. Lembro de algumas: “Brilho do Poder” (1984), inspirada no romance “O Reverso da Medalha”, de Sidney Sheldon e “InstintoAssassino” (início dos anos 90), baseado num caso real e publicado no livro escrito pelo promotor Willian Randolph Stevens.
Estou escrevendo tudo isso para que vocês entendam como no início dos anos 80 era difícil vermos na TV adaptações de romances famosos. Este mesmo problema não acontecia com o cinema onde tínhamos enredos ‘arrancados’ das páginas dos livros aos borbolhões. Vamos lá? Anotem aí: “E O Vento Levou”, “A Volta ao Mundo em 80 Dias”, “Vinte Mil Léguas Submarinas”, “Laranja Mecânica”, “2001: Uma Odisséia no Espaço”, “Aeroporto”. Ufaaa!! Melhor parar por aqui!
Então, a partir dos anos 80 as mudanças começaram; em 90, cresceram e a partir de 2000 virou festa. Hoje, antes de um livro sair do prelo, os seus direitos já são comprados por produtores para serem adaptados para TV.
Bem galera, entrando nesse clima de ‘milhares’ de lançamentos de séries e minisséries na TV com roteiros baseados em livros, resolvi escrever esse post. E vamos às séries.
01 – Sob a Redoma (Stephen King)
Buuuumm!! E já começo lançando uma bomba atômica. Mas daquelas bombas poderosas, incomparáveis e únicas. Aliás, o que escrever do mestre do terror, Stephen King? Que o cara é um gênio? Que tem o QI acima do normal no que se refere a criação de enredos literários? Que é o mestre da escrita de terror e suspense? Acho que tudo isso é pouco para definir a capacidade do sujeito. E olha que nem pertenço ao fã clube de King. Não quero e não faço questão. Apenas curto alguns de seus livros que incluo tranquilamente na lista das melhores obras literárias do gênero terror dos últimos tempos.
Britt Robertson será a garçonete Angie McCain
E é uma dessas obras que estará sendo adaptada brevemente para a TV: “Sob a Redoma”; um dos melhores livros que li nos últimos tempos.
Agora me respondam uma coisinha. Por acaso, vocês já ouviram falar de um diretor desconhecido que está começando praticamente agora? Ele é meio inexperiente, mas quebra o galho. É esse sujeito que vai produzir a minissérie baseada no livro de King. Ah! O nome do cara! Que distração a minha. Estou falando escrevendo de Steven Spielberg. Ehehehe.... Desculpem a brincadeira; vamos conversar sério agora. Spielberg fez questão de produzir essa série. Agora me digam. Será que ela tem chances de fazer sucesso?
Dizem que Spielberg decidiu levar a história de King para a tela pequena antes de chegar no meio do livro de quase 1.000 páginas. Segundo ele, o pouco que havia lido já era o suficiente para conhecer que tinha um verdadeiro tesouro em mãos.
Colin Ford viverá o garoto Joe "Espantalho"
O canal CBS encomendou 13 episódios somente para a primeira temporada. A série está prevista para estrear no mês de junho nos Estados Unidos. Aiiii!! Como estou torcendo para um lançamento simultâneo com o Brasil!! Ainda não se sabe qual canal irá transmiti-la aqui na terrinha.
Quanto aos atores, diretores e roteiristas, vamos que vamos. O roteirista que estará adaptando a história do livro para a TV será Brian K. Vaughan que escreveu alguns episódios do mega-sucesso Lost. Britt Robertson (“Secret Circle” e “Life Unexpected”) viverá a garçonete Angie McCain e o ator mirim Colin Ford (“Supernatural” e “Compramos um Zoológico”) será Joe Espantalho, aquele garoto considerado um gênio em informática e que tem um papel preponderante na história de King. Mas cá entre nós, estou me coçando de curiosidade para saber quem irá viver o tresloucado Phil Bushey. Bem... aguardemos...
Ah! Antes que me esqueça. Não vou escrever novamente sobre o enredo do livro de King. Quem quiser saber detalhes sobre a história leia aqui, aqui e mais aqui.
02 – Um Grande Garoto (Nick Hornby)
Cena do filme Um Grande Garoto com Hugh Grant e Nicholas Hoult
Por acaso, o pessoal que me acompanha no ‘Livros e Opinião’ já leu uma obra de Nick Hornby que descreve a amizade de um cara solteirão de 36 anos, que ainda não amadureceu, e de um menino de 12 anos, que apesar da inocência natural da idade, já pensa como um adulto? Se não leu, pelo menos, já assistiu ao filme com o Hugh Grant, que estreou nos cinemas em 2002, dois anos após o lançamento da obra de Hornby? Não? Caramba! Então corra à uma locadora perto de sua casa e alugue imediatamente o DVD ou então providencie com urgência a compra do livro que ainda está fácil de ser encontrado nas livrarias. Tanto livro quanto filme são ótimos.
Agora, quem já leu e assistiu livro e filme, a boa notícia é que depois do sucesso nas páginas e nas telonas, a história desses dois amigos incomuns irá também para a televisão.
O piloto da série de TV que está sendo desenvolvida pela NBC terá como diretor Jon Favreau, o mesmo que comandou o set de filmagens de “O Homem de Ferro”.
Escrevendo mais detalhadamente sobre a obra de Hornby, para aqueles que ainda não leram; a trama acompanha um cafajeste solteirão, que finge ter um filho para se passar por sensível e conquistar mães solteiras. A situação se complica quando uma das mães mais bonitas quer conhecer a criança. E é aí que ele tem a idéia de trazer para sua vida um garoto introvertido e problemático, filho de uma mulher que sofre de depressão crônica.
A série também deverá acompanhar um solteirão, mas desta vez o menino será seu vizinho, que mora ao lado de sua casa com a mãe excêntrica. Ainda não há data de estréia para a série. O que se sabe é que ela deve sair ainda este ano.
03 – A Seleção (Kiera Kass)
Olha... às vezes pago caro pela minha sinceridade, mas fazer o quê... sou assim, vou morrer assim. Me desculpem o fãs do livro de Kiera Kass, mas pelo release do selo Seguinte da Editora Companhia das Letras, a obra não me atraiu nem um pouco. E... somado a maioria dos comentários que vi na Net, fiquei menos “católico” ainda com relação a história do tipo cinderela idealizada pela autora. Mas quem sou eu para gostar ou não, o que importa é que os ‘hômi’ amaram, tanto é que já compraram os direitos do livro para adaptá-lo para a TV.
A CW já está produzindo uma série baseada no livro “A Seleção”. O piloto, inclusive já foi gravado. Não me perguntem quanto a data de lançamento, porque ainda não tem nada definido.
Confiram a sinopse de “A Seleção” fornecida pela Seguinte: ‘Num futuro com uma sociedade dividida em castas, a competição que reúne moças  de todas as partes para decidir quem se casará com o príncipe é a oportunidade de escapar de uma realidade imposta a elas ainda no berço. É a chance de ser alçada de um mundo de possibilidades reduzidas para um mundo de vestidos deslumbrantes e joias valiosas. De morar em um palácio, conquistar o coração do belo príncipe Maxon e um dia ser a rainha. Para America Singer, no entanto, uma artista da casta Cinco, estar entre as Selecionadas é um pesadelo. Significa deixar para trás Aspen, o rapaz que realmente ama e que está uma casta abaixo dela. Significa abandonar sua família e seu lar para entrar em uma disputa ferrenha por uma coroa que ela não quer. Então America conhece pessoalmente o príncipe. Bondoso, educado, engraçado e muito, muito charmoso, Maxon não é nada do que se poderia esperar. A vida com que sonhou talvez não seja nada comparada ao futuro que ela nunca poderia imaginar’. E aí se interessaram? Eu não.
Aimee Teegarden como America Singer
Pelas críticas que vi em alguns blogs e sites deu pra perceber que “A Seleção” funciona com um reality show que é exibido para todo o País, onde o príncipe Maxon escolherá a sua futura rainha entre as 35 garotas concorrentes. Acontece que uma delas, a tal America, já ama outro rapaz e só está participando do concurso por imposição dos pais que sonham em ter uma vida melhor.
Sei lá, isso me cheira uma história de amor comum no formato de reality show. Pode ser que eu queime a língua e a série se torne um grande sucesso. Vamos ver.
Para aqueles que curtiram o livro de Kiera Kass e agora estão na maior expectativa, aguardando a escolha dos atores que viverão os personagens principais, já adianto os nomes de dois deles: Aimee Teegarden, sómente 23 aninhos, mais conhecida por sua participação na série Friday Night Lights, no papel da personagem Julie Taylor, será a América Singer e o ator William Mosely, o Príncipe Pedro de “As Crônicas de Nárnia” na ‘pele’ de Aspen.
04 – Morte Súbita (J.K. Rowling)
Escritora J.K. Rowling e seu novo livro "Morte Súbita"
Uma notícia boa e outra ruim. Lá vai. Primeiro a boa: o livro de J.K. Rowling será adaptado para a TV numa série. A ruim: Isto só vai acontecer em 2014. Tudo bem, sei que foi um duro golpe para os fãs da mãe de Harry Potter que estão aguardando ansiosamente a estréia desse projeto, mas pelo menos, há o consolo daquele velho ditado: “quem espera sempre alcança”. Portanto... paciência e mais paciência.
A série será produzida pela ultra famosa BBC. Viu só como Rowling não é fraca??! De ruim mesmo, como já escrevi, só mesmo a demora na estréia. Tomara que esse projeto não esfrie, pois já vi muitos anúncios antecipados de produções de filmes ou adaptações de séries serem esquecidas pelos produtores através dos tempos. Entonce... Deixa eu ficar quietinho porque os fãs de Rowling já devem estar me chamando de pessimista prá cima. Mas acreditem, eu mais do que ninguém estou torcendo para que essa série saia o mais rápido possível do papel. Tenho curiosidade em ver como os personagens carismáticos do livro se sairão na TV.
'Morte Súbita', o primeiro livro para adultos de Rowling, escrito logo depois dela ter encerrado a saga do bruxo Harry Potter, mostra como a morte de um vereador e a consequente eleição para substituí-lo, faz explodir uma série de conflitos em uma pequena cidade inglesa, a fictícia Pagford. O livro já vendeu mais de um milhão de exemplares somente no Reino Unido. Imagine, então, no resto do mundo!
Quando a sua adaptação para a telinha ainda não ficou definido o número de episódios e tampouco atores e diretor. Também, pudera, a série só vai estrear daqui a um ano!!
05 – Outlander (Diana Gabaldon)
Não conheço e não li, só vi comentários na Net. Portanto, antes de mais nada, me perdoe os fãs dessa série de livros. É que no infinito universo literário, onde todos os dias estão sendo lançadas novas obras literárias não dá prá acompanhar tudo que sai do prelo. Por isso, faço a opção em ler apenas o que me interessa nesta vasta galáxia literária.
Tomando por base os artigos e posts que vi, trata-se de uma série de livros que está no seu sétimo volume, sendo seis deles já lançados no Brasil. A obra de Gabaldon é uma mistura de ficção científica, aventura e principalmente romance. Conta a história de Claire, uma enfermeira da Segunda Guerra Mundial, que acidentalmente volta no tempo para o ano de 1743 em que ela é imediatamente jogada para dentro de um mundo de aventura, que a obriga correr e lutar pela sua vida. Quando Claire é forçada a se casar com Jamie, um elegante e romântico jovem guerreiro escocês, seu coração ficará dividido entre dois homens de duas diferentes épocas. É... bem... sei lá, a primeira vista, parece interessante, mas como não me senti tão atraído pelo enredo prefiro não arriscar palpites. Pelo que fiquei sabendo, cada livro da série tem aproximadamente 700 páginas! Um verdadeiro calhamaço!
“Outlander”  será produzida por Ron Moore, o mesmo das séries Caprica, Battlestar Galactica e Jornada nas Estrelas (Deep Space Nine e A Nova Geração). A má notícia para os fãs dos livros de Gabaldon é que a série de TV ainda não tem data para desembargar no Brasil.
06 – Delírio (Lauren Oliver)
Caro leitor-internauta desse humilde blog, me responda o que acha de Prison Break? Você deve estar se perguntando: - “Caraca! O que Prison Break tem a ver com Delírio?!! Eu respondo: “- Tem tudo a ver!” É que a adaptação para a tela pequena está sendo escrita por Karin Usher, o idealizador de um dos maiores fenômenos mundiais da TV: Prison Break. Cara, acho que só isso – é evidente que se Usher acertar a mão – já é sinônimo de sucesso antecipado para Delírio na TV.
“Delírio”, lançado pela Intrínseca é o primeiro livro de uma trilogia onde o amor é considerado uma doença. A história se passa Estados Unidos que considera o amor como uma doença mortal, uma verdadeira praga que deve ser exterminada, antes que dizime a população. Sendo assim, as pessoas tão logo completem 18 anos devem ser programadas a não ter esse sentimento, ficando ‘curadas’ por completo. Segundo o governo americano desse mundo distópico, criado pela escritora, a culpa de todos os males da sociedade, como guerra, fome, dentre outros, reside em um só acontecimento: a entrega dos seres humanos às suas paixões e, consequentemente, amor.
No enredo de Oliver, a protagonista Lena está prestes a passar pelo processo que estirpa de maneira definitiva o amor. A garota acredita, de fato, que esse é o melhor caminho a ser seguido, mas ela começa a mudar de idéia quando Alex surge em sua vida e mostra que nem tudo é como parece ser nesse mundo ilusório.
A série será produzida pela Fox e ainda não tem data de estréia definida. Nem mesmo atores e diretor foram citados. A única confirmação é que o roteiro será adaptado por Usher.
07 – O Exorcista (William Peter Blatty)
Apesar da minha pouca idade naquela época, me lembro como se fosse hoje... Logo que saí – tremendo igual vara verde – da sala de exibição do cinema da minha cidade, ouvi um senhor - já com uma certa idade – questionando com alguns amigos o que teria acontecido com Regan e sua família depois do exorcismo sofrido. Fui embora com aquele questionamento em minha cabeça de pré-adolescente e como diziam naquele tempo: fui burilando, burilando e burilando esse questionamento e acrescentei outra pergunta: - “Só faltava a menina sofrer uma nova possessão!!” E conclui: - “Seria muita falta de imaginação!” Ehehehe... Dito e feito, alguns meses depois surgiria um bando de desafortunados produtores, roteiristas e diretor, os quais nem quero saber quem são que teriam a “brilhante” idéia de lançar uma sequência para o clássico “O Exorcista”, chamada: “O Exorcista II: O Herege”.
A merd... dessa produção tentava, eu disse tentava, ser uma sequência direta da obra prima de 1973, mas a falta de criatividade dos roteiristas mostrou aos cinéfilos apenas uma nova possessão de Regan, agora já mais crescida. Pô!! Os caras chamaram os padres Merrin e Karras de incompetentes! Mêo! Na cabeça desses infelizes de nada adiantou a morte dos dois exorcistas, já que na sequencia tiveram de apelar para um terceiro! Bah!! Quanta falta de QI!!
Por tudo isso, acredito que ficou faltando uma continuação digna para o filme dirigido por William Friedkin. Aliás, venhamos e convenhamos, todas as sequencias de “O Exorcista” foram um tiro no pé. Verdadeiras aberrações cinematográficas. Faço questão de citar todas elas: “O Exorcista 2: O Herege”, “O Exorcista III” e “Exorcista: O Início”. Este último, em 2004, conquistou duas framboesas de ouro, prêmio instituído pela crítica americana que premia os piores filmes do ano. As framboesas foram para a pior sequencia e o pior diretor. Quer mais?!
E agora, vejam só; a redenção do clássico de 1973 pode acontecer através da televisão e não de uma nova tentativa no cinema.
Cena antológica do exorcismo feito pelos padres Merrin e Karras
A  adaptação do livro de  Blatty para a TV já está confirmada e terá de 10 a 12 capítulos. Por isso, acho que podemos chamar de minissérie; não é? Falta definir a data de lançamento, o time de atores e também o canal que exibirá a minissérie, já que há muitas redes de televisão interessadas. À frente do projeto está o escritor e diretor Sean Durkin que dirigiu o elogiadíssimo “Martha Marcy May Marlene”.
A ´produção televisiva deve focar na gradual transformação que Regan MacNeil passa até ser possuída por espíritos do mal e como sua família reage a situação. O ponto positivo da minissérie será o foco nos fatos pós exorcismo, ou seja, como Regan e seus familiares passaram a viver depois dessa terrível experiência. Ah! Antes que a galera me pergunte, já antecipo:  os padres Damien Karras e Lankester Merrin também deverão estar envolvidos na trama.
08 – Harper Connely Mysteries (Charlaine Harris)
Terceiro livro da série Harper C. Mysteries
Em 2005, a escritora Charlaine Harris lançaria uma saga de livros com uma heroína ‘prá lá’ de esquisita. Os livros seriam sucesso absoluto de venda, inclusive no Brasil.
Harper Connely, a protagonista da série que já está em seu quarto volume (três deles lançados no Brasil) após ser atingida por um raio, acaba se tornando uma especialista em encontrar cadáveres. Que dom esquisito mêo!! Bem, prosseguindo: desde que aprendeu a controlar seus novos instintos, Connely e seu meio irmão, Tolliver, partem em busca de trabalhos para solucionar casos macabros em diversas cidades.
Cá entre nós, me interessei pela história e talvez até compre o primeiro livro da série. Vamos ver...
Com relação a adaptação da saga da personagem para a TV, fiquei sabendo que a Syfy comprou os direitos e pretende estreá-la o mais rápido possível, provavelmente no início do segundo semestre.
O piloto da série está sendo escrito por Kam Miller (Law and Order: SVU). Acho que poderemos ter  algo legal.
09 – Saga Crepúsculo (Stephenie Meyer)
Não bastasse esse bando de vampiros lindos, charmosos e atraentes invadirem os cinemas de todo o mundo com o maior estardalhaço, agora eles também querem tomar de assalto a sua TV. Pode Acreditar: Edward Cullen, Jacob, Bella e Cia também podem ser personagens de uma série de TV. Segundo o site de entretenimento TV Line, com o término da franquia de filmes das produtoras Lionsgate/Summit, os executivos de TV de Hollywood estariam interessados em manter viva a saga baseada nos livros de Stephenie Meyer, mas agora nas telinhas.
O objetivo dos produtores é recriar a história original de Crepúsculo, com o clã dos vampiros, lobisomens e o triângulo amoroso, mas com uma grande diferença: sem o trio original. Aqueles que estavam sonhando ver na TV os queridinhos da saga: Robert Pattison, Kristen Stewart e Taylor Lautner, podem esquecer. É quase certo como 2 e 2 são quatro que famoso trio será substituído por outros atores.
Pelo que eu pude ver até agora em sites e blogs confiáveis na Net é que o projeto ainda está bem cru. Que ele vai sair, vai, com certeza, mas quanto ao enredo não há nada definido. Pode ter, inclusive, a possibilidade da série focar apenas o clã dos lobisomens que ao longo dos filmes foi conquistando a simpatia dos cinéfilos. Se isso ocorrer, Os Cullen e Bella ficariam de fora. Será que a galera iria gostar?? Sei não...
10 – Trilogia da Escuridão (Guillermo Del Toro e Chuck Hogan)
Guillermo del Toro e Chuck Hogan
Pêra aí um pouquinho. Esta notícia merece um iahu bem caprichado. Duplo e em caixa alta ainda por cima; prá deixar evidente toda a alegria deste pobre blogueiro mortal. Lá vai: IAHUUUUUUUUUUUUU!!!!!!!!!!!! IAHUUUUUUUUUU!!!!!!! Cara! A trilogia que me fez perder noites e madrugadas de sono; devorando, papando, ruminando e engolindo sem mastigar as suas páginas, finalmente vai ganhar uma adaptação. Olha, juro que preferia uma versão cinematográfica. Com certeza merecia e muito! Mas já que a TV chegou na frente da sétima arte, paciência.
Caramba! Quem será que vai viver o médico epidemiologista Ephraim Goodweather? E a bióloga Nora Martinez?? E o Mestre terá alguém de carne e osso para representá-lo ou será um produto de computação gráfica? E os vampiros e suas línguas asquerosas? Será que a maquiagem ficará convincente?
Cara! São tantas perguntas, tantos questionamentos! Só mesmo esperando para ver. Desculpem a empolgação acima da média, é que eu simplesmente amei essa trilogia. Considero uma das melhores que li em toda a minha vida de leitor inveterado.
Ufa! Respirando... respirando... Pronto. Vamos, agora, pensar racionalmente (rss). A chamada Trilogia da Escuridão (Noturno, A Queda e Noite Eterna). Não vou perder tempo fazendo uma sinopse dos livros, pois isso já foi feito. Quem quiser ver mais detalhes sobre a obra do cineasta Guillermo del Toro e do romancista Chuck Hogan, podem ‘fuçar’ aqui, aqui e mais aqui.
A trilogia fez tanto sucesso nas páginas que acabou ganhando uma adaptação para os quadrinhos. O canal FX já fechou as negociações que confirmam a produção de um episódio piloto que terá roteiro dos próprios autores. Creio que convencer Del Toro e Hogan a escrever o roteiro do primeiro episódio da série já é uma conquista enorme dos produtores. O meu medo é com relação aos próximos episódios que deverão ser escritos por outros roteiristas, já que os autores da Trilogia da Escuridão concordaram em assinar apenas o episódio piloto. Tomara que os executivos do canal FX escolham as pessoas certas para essa importante função.
O roteiro piloto será gravado a partir de setembro de 2013. E a boa notícia é que a série baseada nos livros da trilogia deverá ser bem longa, tendo várias temporadas. Algo do tipo “Lost”. Os produtores estão tentando convencer del Toro a escrever alguns desses episódios. Ôooo Del Toro! Aceita aí vai!!
Galera ta aí! Espero que tenham gostado do post. Agora é só esperar, contando nos dedos a chegada dessas séries baseadas em livros e que prometem arrebentar a boca do balão.
Indo!

16 comentários:

  1. Nossa, Sob a Redoma será fantástico, pois sou um fã de carteirinha do King, mas a Trilogia da Escuridão já é a realização de algo que imaginei que iria demorar bastante. Estou ansioso desde já, pois a trilogia é uma das melhores que li nos últimos anos... bela postagem...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha Marcelo, acredito que esteja tão ansioso quanto você. Com certeza, se os roteiristas acertarem a mão, serão duas sérias fantásticas!
      Abcs!!

      Excluir
    2. O problema são justamente os roteiristas que adoram acabar com boas histórias, principalmente as de terror. Outro dia destes fiz uma postagem sobre as adaptações cinematográficas de livros no meu outro blog... dá uma olhada lá e vê se curte a minha lista... abrs.
      http://gavetadbagunca.blogspot.com.br/2012/10/da-literatura-para-o-cinema-quem-sao-os.html

      Excluir
    3. Ótima lista Marcelo! Parabéns!
      Abcs!!

      Excluir
  2. Estou bastante ansioso pelo Sob a Redoma, adorei o livro.

    Estou acompanhando a escolha do elenco atentamente, e por enquanto tenho gostado. Inclusive da notícia que Dean Norris será “Big Jim”. Exatamente como imaginei... =D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é... lembro dele em Breaking Bad.Pelo menos,parecido com Big Jim ele é. Não posso opinar qto a atuação, pois só vi um episódio, onde Norris apareceu pouco.Qto ao Dale Barbara, parece que a escolha "caiu" para Mike Vogel, aquele de Cloverfield - Monstro.
      Bem, vamos aguardar...
      Abcs!!

      Excluir
    2. Não sei se esse Mike Vogel me passa muita confiança. Vamos ver... hehehe

      Eu gosto da atuação do Norris em Breaking Bad, mas não sou um crítico confiável, então não me leve em conta. =D

      Excluir
    3. Aliás, novamente sobre Sob a Redoma, depois de ler com mais atenção a descrição de alguns personagens estou ficando preocupado.

      Aparentemente mudarão muita coisa do livro, por exemplo:

      "Purdy viverá Dodee, uma excêntrica e brilhante engenheira na estação de rádio local, que usa suas habilidades para entrar em contato com pessoas fora da cidade." (Dodde engenheira brilhante?? WTF???)

      "Nicholas Strong (série Nashville) viverá Phil Bushey, um popular DJ de rádio e fã de rock independente, que esconde um segredo sombrio por trás de sua figura carismática."

      Fico me perguntando se vão mudar o papel da marmota também... =D

      Excluir
    4. Manoel, pelo o que vc expôs, a estação de rádio de Chester Mills vai ter muita atividade, ao contrário do que acontece no livro, onde a emissora é completamente abandonada e funciona com todos os programas gravados que são levados ao ar através de uma aparelhagem ultra moderna. Na realidade, ela é fachada para acobertar um "lance" de tóxicos. É esse abandono que transmite ao leitor uma sensação de mistério misturada com medo. Tanto é, que no momento em que duas policiais decidem entrar na estação para fazer uma batida, elas encontram um clima tão misterioso e amedrontador que, literalmente, começam a tremer de medo e se 'mandam' com o rabinho no meio das pernas. Aliás, é nesse momento, que Phil Bush sai de sua toca e é apresentado aos leitores na sua fase "fora de si".
      Acredito que um Phil Bush "consciente e sóbrio" vai descaracterizar totalmente o personagem que na obra de Stephen King era sujo - pra não dizer imundo - com calças mijadas, borradas, unhas grandes e sujas,esquelético, cabelos emplastados e piradaço, já que o seu cérebro foi totalmente cozido pelas drogas. Mesmo assim, na minha opinião, ele é o personagem mais carismático e inteligente com as suas 'tiradas' homéricas. Ri demais, mas também me senti muito incomodado com ele. Se escolherem o ator errado com a abordagem fora de foco do personagem, vai ser um desastre.
      Pois é... fiquei muito preocupado...
      Abcs!

      Excluir
    5. (O TEXTO A SEGUIR CONTERÁ SPOILERS)

      Exatamente José. O Chefe é um personagem que vc acaba amando e odiando. Sente asco, mas ele acaba te hipnotizando... No final, vc chega a quase acreditar na guerra santa dele, e fica torcendo pra ele enfim apertar o botão. Torço para não estragarem um dos meus personagens favoritos (embora seja difícil apontar um personagem nessa obra que não seja ótimo).

      Outra aparente mudança foi na personagem Carolyn Sturges, estudante e amante de Thurston Marshall. Aparentemente teve seu nome mudado para Carolyn Hill (interpretada pela atriz Aisha Hunds), será “uma importante advogada de celebridades em Los Angeles que se vê presa na cidade quando passava por ela na companhia de um amigo e de sua filha adolescente.” Talvez isso também resulte no corte dos redomórfãos, o que seria uma pena, porque graças a eles vimos como o Júnior poderia ter sido, não fosse a criação do pai, os problemas na cabeça e a redoma.

      Enfim, a cada novo casting fico mais desanimado com a série. De qualquer forma ainda tenho esperanças, afinal, em Spielberg nós confiamos! =D

      Excluir
  3. Hey, parabéns, o post ficou excelente. Eu também tinha um pé atrás em relação a The Selection, por causa das críticas e tudo o mais. Mas eu resolvi ler, e achei legal, é uma leitura leve, é interessante, e acho que se for bem adaptado as pessoas podem gostar =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado,Mary...
      Tomara que "A Seleção" surpreenda positivamente na TV, contrariando assim, as críticas negativas com relação ao livro... Mas, sabe, existem livros bons e ruins.... e quem é o responsável por esse termômetro é o leitor... e muitos leêm e gostam; só que depois ficam quietinhos sem se pronunciar nas redes sociais. Que bom que vc deu a sua opinião.
      Abcs!

      Excluir
  4. Pesquisando sobre séries encontrei seu blog, adorei e já estou seguindo.
    Excelente post!
    VC escreve de um jeito muito bacana.
    Não é só informação, nem formador de opinião, VC “conversa” com o leitor, “escrevive”.
    Parece que a gente está na casa de um amigo tomando café.
    Ahhh lá vai um “pitaco”, não está relacionado ao post, mas é o caminho inverso ... de série para livro ... a série “The Walking Dead” alcança sucesso em mais uma maneira de contar histórias. O bom resultado da série repete o sucesso que a trama faz nos quadrinhos, sua versão original, que é publicada desde 2003 no jornal “The New York Times” e agora Os livros “A Ascensão do Governador” e “O Caminho para Woodbury”, escritos por Kirkman em parceria com Jay Bonansinga,
    Sob a Redoma, estou roendo as unhas de ansiedade, sou S.K. de carterinha ...

    Abraços literários.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Thanks, Luna!!!
      Que bom que esta gostando do blog, fico feliz.
      Qto a "The Walking Ded", é claro que está em minha lista de leituras... Estou com boas expectativas com relação a obra.
      Abcs!

      Excluir
  5. muito bom só tenho receio pelo "sob a redoma" ja que steven spielberg é um grande diretor(isso eu não posso negar) porém de uns tempos para ca ele só fez coisa ruim em filmes e aquela série que ele fez que foi cancelada antes de terminar me preocupa tomara que eu esteja errado. Otimo blog parabens

    ResponderExcluir
  6. Sabe Vitor, sou da opinião de que aquele que é gênio jamais irá deixar de sê-lo. E Spielberg é um gênio do cinema. Concordo com vc quando diz que ele está errando muito a mão últimamente. Mas a expectativa em torno da adaptação para a TV da obra de Stephen King é tão grande, mas tão grande que a responsabilidade daqueles que estarão atrás das câmeras - diretor e produtores, principalmente - aumenta e muito; o que obviamente fará com que essa turma se em penhe ao máximo para não darem 'rabanadas'. Vejo que essa responsabilidade irá despertar o toque de gênio de Spielberg que estava meio 'apagadaço'.
    Grande abraço!!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...