quarta-feira, 11 de abril de 2012

Os 10 serial-killers mais temidos da literatura policial

A literatura policial já brindou os seus aficionados com serial-killers de tirar o fôlego; alguns deles antológicos. Quem não se lembra do refinado Hannibal Lecter, de “O Silêncio dos Inocentes” ou então do enigmático Jean-Baptiste Grenouille, de “O Perfume”? Alguém teve a idéia de criar, até mesmo, um serial- killer do bem, o tal do Dexter! Pode um negócio desses?! Estes e outros assassinos em série – graças a genialidade de seus idealizadores - transformaram vários enredos de romances policiais, suspense ou terror numa verdadeira montanha russa de emoções. Alguns, se sairam melhor do que o chamado “mocinho” da história, aquele policial ou detetive que aparenta, ao longo do enredo, ter um QI e uma coragem fora do normal, mas que no final acaba sendo engrupido pelo vilão.
Hoje, o nosso blog decidiu prestar a sua homenagem a essa casta de personagens. Enumerei os 10 serial-killers, que na minha humilde opinião, mais se destacaram na literatura policial e de suspense; mas com certeza haverá outros vilões do gênero em outros livros que ainda não tive a oportunidade de ler. Fiquem a vontade para citá-los por aqui... Então vamos lá!
01 – Hannibal Lecter (O Silêncio dos Inocentes)
Apara abrir a nossa galeria de serial-killers apresento-lhes o temível Dr. Lecter, mais conhecido nos meios policiais como “O Canibal”, já que tinha o hábito de comer as suas vítimas, arrancando língua, olhos e bochecha a dentadas. Quando estava mais inspirado chegava a preparar pratos  especiais com os pedaços retirados, os quais saboreava acompanhado de um delicioso vinho.
Devido a sua auto-confiança, onipotência, frieza e inteligência extrema, considero Dr. Lecter o mais letal dos serial killers psicóticos. O sujeito conhece tudo, tem resposta para todos os questionamentos, zomba da polícia e não teme ninguém. A sua crueldade não tem limites, sendo capaz de comer o cérebro de uma vítima ainda viva, como fez no livro Hannibal, com um agente do FBI que o sondava. Lecter capturou o pobre coitado, amarrou-o numa cadeira e enquanto abria o seu crânio ia explicando para o infeliz todo o procedimento cirúrgico.
A sua inteligência é algo fora do comum. Acredito que Dr. Lecter seja o vilão mais inteligente do meio literário. Ele perdeu os pais ainda criança durante a 2ª Guerra Mundial, de onde ficou traumatizado.  É possível que esse trauma tenha dado origem a sua psicopatia.
Estudou medicina, por isso tem uma noção perfeita da anatomia do corpo humano, mas no final acabou se formando em psiquiatria. Após a sua prisão, foi requisitado pelo FBI para ajudar nas investigações envolvendo serial-killers psicóticos. Ele traçava o perfil psicológico desses homicidas para a polícia.
Suas vítimas preferidas eram os seus pacientes; geralmente aqueles, os quais ele julgava que não estavam evoluindo no tratamento.
Foi personagem dos seguintes livros do escritor Thomas Harris: “O Silencio dos Inocentes” (1991), Hannibal (2001), “Dragão Vermelho” (2002) e Hannibal, A Origem do Mal” (2007).
02 – Búffalo Bill (O Silêncio dos Inocentes)
Este perigoso serial-killer, a exemplo de Hannibal Lecter, também é personagem do livro “O Silêncio dos Inocentes”, de Thomas Harris. Búffalo Bill é um homossexual insatisfeito com o seu corpo, por isso, ele resolve construir uma segunda pele feminina, servindo-se das peles que arranca de suas vítimas. Após serem capturadas, elas são trancafiadas num poço para emagrecerem. O psicopata acredita que a pele ao ficar “grudada” nos ossos se torna mais fácil de ser extraída.
Búffalo Bill tem uma queda pelas gordinhas, consideradas suas vítimas em potencial.
No livro “O Silencio dos Inocentes”, Clarice Sterling, uma estagiária do departamento de Estudos de Comportamento do FBI é chamada para traçar um perfil psicológico de Buffalo Bill com o objetivo de localizá-lo e prendê-lo. Para isso, conta com a ajuda de outro perigoso serial-killer, o nosso Dr. Lecter. O psiquiatra canibal concorda em ajudá-la, desde que a agente do FBI se torne uma espécie de paciente particular, deixando que Lecter explore a sua mente.
Apesar de aparecer muito pouco em “O Silêncio dos Inocentes”, Búffalo Bill deixa a sua marca devido a crueldade sem limites.
03 – Fada dos Dentes (Dragão Vermelho)
 Taí o terceiro serial killer de peso criado por Thomas Harris. Aliás, Harris provou ter um talento nato para idealizar assassinos em série. Prova disso é que Hannibal Lecter, Buffalo Bill e Fada dos Dentes se tornaram referencias do gênero para um grande número de leitores.
Francis Dolarhyde, vulgo “Fada dos Dentes” é o ‘serial’ de “Dragão Vermelho”, terceiro livro da ‘Saga Lecter’. O assassino chamava-se a si próprio de “Dragão Vermelho” por causa da ilustração do pintor e visionário inglês, William Blake: ‘O Grande Dragão Vermelho e a Mulher Vestida de Sol’. O apelido “Fada dos Dentes” foi dado por um jornal sensacionalista por causa da maneira como Dolarhyde matava as suas vítimas: a dentadas... usando uma dentadura horrorosa da sua avó!
Fada dos Dentes é um verdadeiro predador: primeiro seleciona a sua vítima, depois a mutila e em seguida mata. Os eleitos que se enquadram no perfil do serial killer, geralmente são famílias bem estruturadas e bonitas. Ele invade a casa, aterroriza, mutila e depois  elimina à todos sem piedade.
O assassino tem uma fissura no palato o que o obriga a usar uma dentadura especial para amenizar o problema, mas na hora de atacar  as vítimas, ele coloca a tal dentadura medonha de sua avó. Ele deu um trabalho danado para o detetive Will Graham e quase conseguiu matá-lo no final do ramnce, mas... bem, é melhor lerem o livro.
04 – Jean-Baptiste Grenouille (O Perfume)
O personagem principal do livro “O Perfume – A História de Um Assassino”, do grande escritor e mestre alemão, Patrick Suskind, é um dos serial-killers mais enigmáticos da literatura policial.
Jean-Baptiste, à exemplo da maioria dos homicidas teve uma infância catastrófica e prá começar foi abandonado, logo de cara, pela mãe que não o queria de maneira alguma. Ele nasceu no meio do fedor de um mercado de peixe, onde sua mãe trabalhava como vendedora.  Ao dar a luz, ela pegou o bebê e o jogou no meio das vísceras de peixes que os limpadores extraiam e amontoavam num canto do mercado que servia de lixão... um lixão de vísceras de peixe. Mas o choro de Jean-Baptiste fez com que fosse descoberto pelos presentes na feira. Sua mãe acabou presa e condenada a morte. O nosso futuro serial killer foi entregue aos cuidados de uma madame que tinha o péssimo hábito de explorar crianças órfãs. Cara! Quer infância pior do que esta! Uma verdadeira escola para homicidas.
Jean-Baptiste cresce e logo descobre que possui um dom incomum: ele é capaz de diferenciar os mais diversos odores à sua volta. Um detalhe: ele mesmo não tem odor nenhum: nem ruim, nem bom, simplesmente nasceu sem cheiro. Ao descobrir o seu raro dom, Jean-Baptiste logo demonstra vontade de conhecer todos os odores existentes, conseguindo diferenciá-los mesmo que estejam longe do local em que está. A partir daí, ele passa a tentar capturar o odor dos próprios seres humanos, nem que seja por meio de assassinatos em série. Sua intenção é criar um perfume que faça dele uma pessoa atraente, capaz de ser notada  e amada por toda a sociedade.
Suas vítimas preferidas são donzelas, independente de classe social, bastam ter um odor que agrade o assassino.
Após matar as mulheres, ele espalha uma massa de banha em seus corpos para impregná-la com os seus odores. Depois, utilizando o seu dom de perfumista, transforma essa massa impregnada de ‘cheiros’ em perfumes.
A história de Suskind se passa na França do século XVIII e o seu livro se transformou num fenômeno de vendas, despertando o interesse de inúmeros cineastas em adaptá-lo para a tela grande, o que acabou acontecendo somente em 2006, pelas mãos do cineasta alemão Tom Tykwer, responsável pelo sucesso “Cora, Lola, Corra”. Vale lembrar que o livro de Suskind foi escrito em 1985.
05 – Jean Claude Romand (O Adversário)
Imagine um homem que durante anos fingiu uma vida num mundo irreal, e então para ocultar a verdade decidiu matar todos os seus familiares e parentes. Pois é, esse homem se chamava Jean Claude Romand e eliminou sua mulher, seus dois filhos, os pais e o sogro. Todos, assassinatos em série e premeditados.
Jean Claude é o assassino mais famoso de toda a França e a sua vida rendeu um livro de grande sucesso chamado “O Adversário”, escrito por Emmanuel Carrère. A obra se tornou um bestseller mundial e acabou ganhando uma adaptação para o cinema.
A história real desse serial killer é muito densa e sinistra e, de fato, impressiona o leitor. A mente doentia de Jean Claude Romand chegou ao ponto de inventar uma mentira que acabaria por se constituir em sua vida real. Num “belo” dia, sem saber explicar o motivo de sua decisão, ele resolveu ficar toda a manhã na cama, o que fez com que perdesse as provas finais da escola de medicina, jogando no lixo a oportunidade de se formar. Depois disso, a sua primeira atitude foi esconder de seus colegas que faltara aos exames e que já não fazia mais parte do curso. Mesmo assim, continuou a freqüentar as aulas, formou-se de mentirinha e alardeou ter arrumado emprego na Organização Mundial de Saúde (OMS) como pesquisador graduado. Logo depois, casou-se com uma farmacêutica com quem teve dois filhos (um casal). Romand formou um círculo de amigos em sua pequena cidade. Todas as manhãs, beijava a família e saía para trabalhar. Desse momento até retornar para casa, Romand mergulhava no seu mundo irreal. Às vezes, entrava como visitante, na OMS, onde assistia a palestras, noutros dias, parava num acostamento qualquer e ali ficava, hora após hora, lendo publicações médicas, comendo sanduíches ou cochilando. O dinheiro de Romand vinha de seus pais, sogros e outros parentes. Ele dizia que, como funcionário da OMS, tinha direito a investimentos especiais em bancos suíços. Pegava as economias deles e, com elas, sustentava um estilo de vida compatível com o de um cientista que tem na agenda encontros com ministros.
Após 15 anos fomentando essa mentira, alguns de seus familiares começaram a perceber que algo estava errado. Temendo que o seu mundo irreal ruísse, Jean Claude Romand matou primeiramente o seu sogro num acidente de carro; após determinado período, foi a vez de sua mulher deixar o mundo dos vivos. Enquanto as duas crianças dormiam em seus quartos, Romand aproveitou para esmagar o crânio da esposa a bordoadas. Na manhã seguinte, deixou a mulher morta na cama e disse aos filhos que a mãe estava indisposta e por isso não havia descido para o café da manhã. Esperou que os filhos dormissem e após o lanche da tarde, deu um tiro em cada um com uma pistola que havia comprado no mesmo dia. Depois do almoço, ele pegou o carro e foi até a casa dos pais. Almoçou alegremente com eles, como se nada tivesse acontecido e após a confraternização atirou nos dois. Depois voltou para a sua casa onde se encontravam os cadáveres de seus dois filhos e da esposa, ateou fogo no imóvel e tomou um vidro de barbitúricos e se deitou para morrer, mas.... não morreu. Em 1993, ele seria preso pela chacina de sua família.
06 – Zodíaco (Zodíaco)
Zodíaco, realmente existiu. Ele foi um serial killer que aterrorizou a cidade de San Francisco no final da década de 60. Após matar as suas vítimas, Zodíaco enviava cartas cheias de escárnio aos jornais, com pistas que escondiam a sua identidade. Ele usava astuciosas mensagens criptografadas que desafiavam as maiores mentes decifradoras de código da CIA, do FBI e da NSA. Nessa época, o autor do livro, Robert Graysmith, era o cartunista de política do maior jornal do norte da Califórnia, o San Francisco Chronicle, de forma que estava lá quando cada uma das cartas criptografadas, cada mensagem codificada, cada farrapo de roupa ensanguentada das vítimas chegava à redação. O seu livro é cheio de detalhes, contendo informações importantes para os leitores que passarão a conhecer como era o “modus operandi” desse misterioso assassino em série.
O próprio Zodíaco assumiu – em carta – para a polícia que cometeu mais de 30 assassinatos. Até hoje, não se sabe a identidade do serial killer que apavorou toda a região de São Francisco com suas cartas repletas de charadas, códigos e ameaças, nem se está vivo ou morto.
Zodíaco se tornou praticamente um mito, repleto de mistérios. Após mais de 40 anos, a polícia americana ainda continua trabalhando nas investigações de alguns dos assassinatos ligados a ele, na esperança de solucionar, pelos menos, um dos homicídios.
O livro de Robert Graysmith também deu origem a um filme que passou nos cinemas em 2007, tendo nos papéis principais: Robert Downey Jr., o Homem de Ferro, e Mark Ruffalo, o Hulk dos Vingadores.
07 – Pennywise (A Coisa)
Como sou um dos muitos fãs de Stephen King, não poderia deixar de acrescentar nessa galeria, um personagem criado pelo mestre da literatura de terror. E quem melhor do que aquele palhaço medonho que tirou o sono de muitos adolescentes no filme “It – A Obra Prima do Mal”, que por sua vez foi baseado no livro “A Coisa”? Portanto, está aí o temível e horripilante Pennywise.
Podemos classificar o palhaço Pennywise ou Parcimonioso como um serial killer sobrenatural, com capacidade para mudar de forma, podendo se transformar num monstro, num animal ou é claro, num palhaço. Ele se alimenta do medo das pessoas, especialmente das crianças, entrando em suas mentes e tomando a forma do maior de seus pesadelos.
No livro “A Coisa”, de Stephen King, a criatura provoca a morte de várias crianças na pequena cidade de Derry. Após 30 anos, a Coisa retorna para fazer mais vítimas, pois precisa matar a sua sede de sangue. É nesta hora que um grupo de amigos que no passado, enquanto crianças, enfrentaram o monstro, conseguindo escapar com vida, decidem se reúnem para o combate final. Uma história por demais horripilante.
08 – Dexter Morgan (Dexter - A Mão Esquerda de Deus)
Pêra aí? Serial Killer do bem??!! Serial killer que trabalha na polícia caçando outros seriais killers??!! Meu amigo, pode acreditar, é verdade!!. E cá entre nós, que sacada inteligente do escritor norte-americano, Jeff Lindsay. O cara foi muito esperto criando um personagem com essas características em seu livro "Dexter – A Mão Esquerda de Deus”  que deu origem a famosa série de televisão que está transbordando de sucesso em vários países, inclusive no Brasil.
No livro, Dexter fica órfão aos três anos e então passa a ser adotado por Harry Morgan, um oficial de polícia e sua esposa. Certo dia, Harry descobre que Dexter esteve matando alguns animais de estimação na vizinhança. Ao chegar a conclusão que o filho adotado é um psicopata, Harry passa a lhe ensinar um código de conduta, o qual ele chama apenas de “O Código”. Durante o treinamento, Harry ensina o filho a canalizar seus instintos violentos apenas contra as pessoas que merecem. Neste código, as vítimas de Dexter Morgan devem ser apenas assassinos violentos que mataram pessoas inocentes com a propensão de repetir esses crimes, ou seja, autênticos serial-killers. Mas não é apenas isso, ou seja, descobrir que o sujeito é um suposto serial e matá-lo; Dexter deve reunir provas de que o criminoso é, de fato, culpado. Para isso, ele começa a trabalhar na polícia como analista forense, onde se torna um dos profissionais mais renomados em sua área. O detalhe mais importante é que Dexter nunca seja descoberto pela polícia e apanhado. Para evitar esse problema, o seu pai lhe ensina como parecer uma pessoa normal e também a encobrir o rastro de seus crimes. Seguindo “ O Código”  a risca, Dexter consegue controlar a sua compulsão em matar. Super sacada de Jeff Lindsay, concordam?
Já foram lançados no Brasil, cinco livros da série com o personagem: “Dexter – A Mão Esquerda de Deus” (2008), “ Querido e Devotado Dexter” (2009), “ Dexter no Escuro” (2010), “Dexter: Design de Um Assassino” (2010) e “Dexter é Delicioso” (2011).
09 – Patrick Bateman (Psicopata Americano)
Esse cara é o que podemos chamar de frio, sanguinário, desalmado e cruel. Um serial killer psicopata e invejoso que mata aquelas pessoas que julga serem melhores do que ele ou então aquelas que vão contra os seus desejos. O prazer de matar e o sadismo moram no centro do seu coração. Ele é capaz de entrar em êxtase com o sofrimento de suas vítimas. Patrick Bateman, personagem do livro “Psicopata Americano”, de Bret Easton Ellis é a própria essência do mal, um verdadeiro monstro.
O autor criou um serial killer com estampa refinada. Bateman é um yuppie bonito, atraente e bem educado que faz fortuna como corretor em Wall Street. Ninguém desconfia que por debaixo dessa fachada se esconde um assassino sanguinário.
Uma das primeiras vítimas de Bateman é o seu colega de trabalho Paul Allen que mostra, casualmente, um cartão de visitas muito mais bonito do que o seu, confeccionado num papel de melhor qualidade. Pronto! Isso já é o suficiente para o yuppie perder o controle e matar Allen a machadadas.
Uma prostituta de rua que recusa um estranho pedido do psicopata também experimenta a sua fúria ao ser morta com uma serra elétrica.
O livro de Bateman é chocante ao extremo e confesso que algumas vezes senti tanta repulsa dos atos infames do personagem que pensei em abandonar a leitura. Bateman tem esse poder de deixar o leitor “P... da Vida” com os seus modos asquerosos e doentios.
Suas torturas envolvem serras, choques elétricos, espancamentos, escalpos e o escambau a quatro. A passagem do romance em que o yuppie psicopata coloca uma ratazana dentro da vagina de uma mulher é ao mesmo tempo estarrecedora e grotesca e deixa evidente toda a maldade e insanidade do personagem.
Enfim, o tal do Patrick Bateman é capaz de tirar o mais tranqüilo e pacato leitor do sério. Uma verdadeira encarnação do mal merecendo fazer parte dessa galeria.

10 – Caronte (As Esganadas)
Não posso deixar de fechar esse post sem a presença de um serial killer brasileiro. E um assassino em série que certamente cairá muiot bem cairia bem nessa galeria seria Caronte, o dono de uma chique funerária. Ele faz parte do novo romance de Jô Soares chamado “As Esganadas”.
Jô fala, em seu livro, de um homem obcecado pela figura materna, que ele matou e segue matando em todas as gordas que encontra pela frente. Caronte, dono da funerária Estige, sempre foi sufocado por uma mãe tirana que maltratava o filho aos extremos, além de ser doentiamente super-protetora. Após assassinar a mãe que é uma mulher mais do que obesa, Caronte passa a vida a vingar-se dela, descontando a sua ira nas mulheres gordas que passam a ser as suas vítimas preferidas.
O personagem criado por Jô, se sente excitado ao matar jovens gordas com receitas portuguesas herdadas da “genitora lusitana”. Geralmente, as vítimas de Caronte morrem sufocadas de tanto comer.
Não cheguei a ler “O Xangô de Baker Street”e prá dizer a verdade, não me sintia nem um pouco empolgado para encarar um livro do Jô, mas como “As Esganadas” foi um presente de aniversário, decidi arriscar a leitura das mais de 260 páginas e não me arrependi. Tanto é que Caronte foi incluído nessa galeria de seriais killers.
Inté!





22 comentários:

  1. ola jam tudo bem? adora os seus post seus comentarios e suas dicas ja estão em minhas lista de leituras se tiver um tempo ja em meu blog e deixe seus comentarias e criticas o blog e esse livroseoutrasleituras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Olá Jam, ainda não li Zodíaco mas me pareceu ser um bom livro, já esta na minha lista de leituras, pena eu estar sem muito tempo para isto, mas sabe como é, ser vestibulando é abrir mão de muitas coisas =/ Mas vendo sobre o serial killer Zodíaco não foi dali que William P. Blatty tirou sua inspiração para criar seu assassino em O espirito de mal?, me pareceu bem familiar rsrsrs

    ResponderExcluir
  3. E aí Otávio, tdo na Paz?
    Realmente vida de vestibulando não é fácil. Já fui um dia e sei como é; mas o importante é sabermos aproveitar os curtos momentos de folga, e nada melhor para isso do que um bom livro(rs). Bem, vamos lá; na realidade, o personagem fictício criado por Blatty em "O Espírito do Mal" - suposta sequencia de O Exorcista - se chama "Gêmeos". No romance, ele recebeu o apelido porque tinha o hábito de deixar cravado a faca na palma das mãos de suas vítimas esse signo do zodíaco. Já, em seu romance, o jornalista Robert Graysmith escreve sobre um assassino que realmente existiu em San Francisco, onde cometeu inúmeros assassinatos em 1968. Portanto a diferença principal entre os dois é que "Gêmeos", de Blatty, não passa de pura ficção, enquanto o "Zodíaco", de Graysmith, de fato, existiu.
    Abcs e boa leitura!

    ResponderExcluir
  4. Rubem fonseca tem um serial killer que mata as pessoas com um carro. tem ate um curta baseado nele, uma produção gringa e talz. Aliás Rubem fonseca é mestre em criar esses tipos. E eu acho que o Santiago Nazarian também tem um assassino serial traveco que mata adolescentes emos, algo assim.. tem muuuitos psicos por aí na literatura

    ResponderExcluir
  5. Convido você a participar do mais novo agregador de links da web, o TOAKY.net mande seus posts e torne essa rede cada vez maior, para ter suas postagens na home é bem simples basta ser parceiro do site.

    Atualizamos diariamente, não perca essa oportunidade.


    NOVIDADE para os blogueiros de Plantão, agora no TOAKY.net você pode ver seu link cerca de 30 minutos depois de agregar na guia LINKS PARA AMANHÃ.

    Você envia o LINK e ele é divulgado na hora, e no dia seguinte!


    Toaky - Agregador de Links.
    www.toaky.net

    Eu tô aqui, e você?

    ResponderExcluir
  6. Muito bom, adoro ler opniçoes de qualidade.
    Um grande beijo.

    ResponderExcluir
  7. Dragão Vermelho é o primeiro livro da trilogia Lecter. Foi filmado por ultimo pois jáhavia um filme anterior do livro, mas sem os atores que ficaram famosos com o Silêncio dos Inocentes.

    ResponderExcluir
  8. Leandro, confesso que ainda não li Rubem Fonseca,por isso, não inclui nenhum de seus seril por aqui. Estou com um livro"de contos dele na prateleira que se chama "O Cobrador", o qual pretendo ler brevemente. Vc já leu? É bom ou pelo menos razoável? Mê me uma dica antes de começar a leitura (rs). Pela introdução parece que se trata de um serial-killer que narra em primeira pessoa as suas memórias.
    Acácio, vamos visitar o seu agregador de links, com certeza!
    Naná, obrigado pelo elogio ao post...
    Valeu Ferranti pelo complemento no post!
    Abcs à todos!

    ResponderExcluir
  9. José Antônio,

    Acredita que não li nenhum desses livros ainda?? É tanta coisa... rs
    Tem uns tipos interessantes aí, com certeza lerei assim que tiver a oportunidade.
    Gostaria de citar um serial killer ótimo, que está presente no livro O Caso dos Dez Negrinhos, da Agatha Christie. Só não posso contar quem é, pra não estragar a surpresa. Mas o livro é perfeito, recomendo!

    =)

    ResponderExcluir
  10. Zodíaco... com certeza... Li o livro há pouco tempo e gostei muito, principalmente das reproduções das cartas enviadas aos jornais. Tenho mt vontade de ler Perfume (e ver o filme tb).

    Abs,
    escrevendoloucamente.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. Não li os comentários por preguiça hahahaha, mas se vc gosta de livros de psicopatas, deve ler "O Homem de Gelo - Confissões de um matador da Máfia". É um livro mto foda, que foi transformado em filme, será lançado só no final de 2013.
    Super recomendo!!!

    (bem metida, eu né hahahaha, mas é que acabei de lê-lo e estou empolgada para recomendá-lo).
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ô Camila lê o post e os comentários aí, pô... (rsss)
      Quanto a sua gestão, achei muito interessante. Dei uma pesquisada na Net e os comentários são muito favoráveis. Já inclui na minha lista de leitura.
      Abcs!!

      Excluir
  12. eu sonhei com o palhaco o.o .. acabei de ver que foi ele mesmo.. que bizarro vei, dexter é mt bom !! acompanho nsempre

    by: Scoott

    ResponderExcluir
  13. Acho este artigo super interessante!
    Conheço a maioria dos serial killers apresentados, mas confesso que a maioria deles conheço apenas dos filmes ou, no caso do Dexter, série. Mas tenho quase todos os livros na minha lista de leituras.
    Gostaria só de acrescentar um. Não sei se alguém já ouviu falar do "Monstro de Florença"? É um assassino que cometeu vários crimes durante as décadas de 70/80 em Florença, Itália. Os homicídios eram sempre duplos, pois o Monstro atacava a tiro casais de namorados que saiam para o campo para fazer amor, matava-os a tiro e depois mutilava as mulheres de forma horrorosa sempre de forma diferente, uma vez penetrou uma com um ramo de videira, a outra arrancou o seio esquerdo, etc.
    O livro não é inventado, toda a estória é real e escrita na 1ª mão pelo conceituado autor de policiais americano, Douglas Preston, e pelo jornalista italiano especializado em criminologia (e que veio a ser intitulado de "monstrólogo" por seguir o caso de perto e estar sempre um passo à frente dos outros jornalistas), Mario Spezi.
    Aconselho este livro a todos os que gostam de um bom policial, mas principalmente a todos os que gostam de estórias reais com qualidade suficiente para dar origem a um livro.
    Boas leituras :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu pela dicas George!
      O livro parece bem interessante. Vou pesquisar mais.
      Abcs!!

      Excluir
  14. Muito legal sua lista e principalmente seu texto. Leve, informal, mas bem detalhista. Em meu blog também fiz uma lista com o mesmo tema. Há alguns outros serial killers bem interessantes não citados aqui. Se quiser dar uma conferida:
    http://porquelivronuncaenguica.blogspot.com.br/2014/11/sete-serial-killers-da-literatura.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caramba Ronaldo! Muito boa a sua lista!Me interessei pelo livro "O Cirurgião". Vamos ver se entra em minha lista de leitura.
      Abraços!

      Excluir
  15. http://www.kickante.com.br/campanhas/criacao-de-galinha-caipira ola ai

    ResponderExcluir
  16. Galera, Zodíaco é o melhor disparado.
    Estou muito apegada ao caso. Depois de ver o filme dezenas de vezes, de ler dois livros sobre o assunto e umas quantas reportagens e artigos, além dos vídeos espalhados pela rede; resolvi acompanhar o grupo "zodiackillers" - eles têm um site dedicado completa e intensamente ao Zodíaco.
    Ainda não consegui ler o livro do Gary L. Stewart pra analisar a teoria dele de que o Zodíaco era seu pai.
    No final das contas, ainda me parece mais provável que tenha sido o Leigh com a ajuda de alguém, já que as provas (caligrafia, digitais, saliva e impressões da palma da mão) não batem com as dele. E, se não foi o Arthur, há um par de suspeitos tb muuuuito interessantes.

    ResponderExcluir
  17. Otima lista apesar de nao ter lido muito entre elas...

    Eu li uma vez um livro de um psicopata que agredia mulheres, mas o seu "negocio" era fazer uma lobotomia na vitima e deixala fisicamente morta pois o sistema nervoso era cortado mas a mente estava ali em perfeito estado!
    Um terror...
    Nao lembro o nome do livro, alguem pode ajudar??

    Agradeço!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Feliz por ter gostado da lista :)
      Quanto ao livro, infelizmente desconheço. Se algum leitor que visitar esse espaço souber, com certeza, irá colaborar.
      Abcs!

      Excluir
  18. Gostaria de aproveitar pra recomendar um livro que lançou recentemente no Brasil: "O Conto dO Político Serial", que trata do surgimento de um serial killer de políticos corruptos no Brasil.

    A sinopse está em https://www.chiadoeditora.com/livraria/o-conto-do-politico-serial

    Um abraço!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...