sábado, 15 de outubro de 2011

Após mais um adiamento, sequência de “O Nome do Vento – A Crônica do Matador do Rei” deve sair no final do ano


Capa americana da sequencia de
"O Nome do Vento"

As duras penas estou chegando a uma triste conclusão: escrever sobre um livro antes de seu lançamento é fria... e bota fria nisso. A maioria das vezes que resolvi escrever artigos em jornais de minha cidade sobre uma obra que ainda estava por ser lançada, infelizmente, acabei criando falsas expectativas nos leitores. Quando chegava o suposto dia do Avant-premiere: nada de livro lançado, nada de tarde ou noite de autógrafos, nada de notícia de meia página ou página inteira nos jornais; enfim, nada de absolutamente nada. Resultado óbvio: o pobre coitado, aqui, se passava por desinformado ou até mesmo mentiroso.
Então resolvi fazer um juramento para mim mesmo: jamais escrever sobre “livros do futuro”, mesmo que o autor confirmasse o lançamento de sua obra para determinado dia, mês ou ano. Livro no prelo? Nem pensar!
Mas... um dia resolvi criar esse blog e quando percebi, no entusiasmo da novidade acabei quebrando a minha promessa. Dei por mim e já tinha postado um texto sobre o pré-lançamento do novo livro de James Bond, “Carte Blanche”, escrito por Jeffery Deaver. No post escrevi que a obra seria lançada no final do ano no Brasil. Anteontem, vi uma notícia na Internet que a Record, editora responsável pela distribuição da nova história de 007 aqui na terrinha, adiou o seu lançamento para o início de 2012. Postei também uma nota sobre o lançamento da seqüência de “O Nome do Vento”, obra de Patrick Rothfuss, mais do que aguardada pela galera. Na oportunidade escrevi que a seqüência do enredo envolvendo o misterioso e carismático personagem Kote seria lançada em junho deste ano. Nem preciso dizer que junho já passou e nada do livro.
E para confirmar a quebra do meu juramento, cá estou eu, novamente, para escrever outro post sobre uma promessa de lançamento de livro. E como não bastasse, um livro que já me derrubou recentemente, fazendo-me passar por cascateiro. Mas, quer saber de uma coisa? Sinceramente, valeu a pena ter engolido esse sapo, porque o post, em questão, é sobre a seqüência de uma obra fenomenal e arrebatadora: “O Nome do Vento – A Crônica do Matador do Rei”, de Patrick Rothfuss.
“O Nome do vento” é um livro tão fenomenal que me fez chegar ao ponto de escrever sobre ele antes de lê-lo! Só para lembrar, o primeiro volume da obra de Rothfuss está guardadinho na minha estante, desde o seu lançamento, esperando para ser “sorvido” em êxtase total, como se fosse um vinho de safra especial encontrado na adega de um galeão espanhol.
O enredo de um menino órfão que cresceu com o sonho de se tornar o maior dos magos de seu tempo, já lembra de cara Harry Potter, saga que conquistou adultos e crianças pelo mundo afora, inclusive eu. Outro detalhe que aumentou a minha expectativa pela obra foi o seu enredo adulto no qual está inserido o nosso “Harry Potter Arcanista”. Segundo os comentários de revistas “on line” especializadas em literatura, Kote – ao contrário do menino mago criado por J.K. Rowling – é um personagem ambíguo, ou seja, às vezes vilão e as vezes herói; em alguns momentos o amamos, e em outros, o odiamos. Mas no meio de toda essa ambigüidade, o interessante – segundo os críticos literários – é que o  músico tocador de alaúde e também mago arcanista consegue conquistar todos os leitores com o seu carisma.
A groso modo, apenas para que o leitor tenha uma noção do enredo de “ O Nome do Vento”, Rothfuss conta a história de Kvothe ou simplesmente Kote, um rapaz pertencente a um grupo de artistas itinerantes que promove shows em vários povoados. Um dia, ele vê a sua família ser inteiramente dizimada por um misterioso grupo chamado Chandriano, formado por sete membros e comandado por uma entidade maligna: Haliax. Kote é um músico talentoso e passa por tempos difíceis, mas mesmo assim consegue ingressar na Universidade de magia, onde muitos desafios esperam por ele. Mas o rapaz nunca se esquece de seu principal objetivo: descobrir tudo sobre o maligno Chandriano e desvendar o motivo da morte de seus pais e de todos os seus amigos de trupe.
Quanto ao segundo livro da série “O Matador de Rei”, lançado em março nos Estados Unidos, o título nacional já está definido e vai se chamar “O Temor do Sábio”. Confira um breve resumo do livro traduzido e publicado na página do “Sobre Livros”: “Uma rivalidade crescente com um membro poderoso da nobreza, Kvothe é forçado a sair da universidade e tentar a sorte no exterior. À deriva, sem um tostão, e sozinho, ele viaja para Vintas, onde rapidamente se vê envolvido na política da sociedade cortesã. 
Ao tentar agradar com um poderoso nobre, Kvothe descobre uma tentativa de assassinato, entra em conflito com um rival arcanista, e lidera um grupo de mercenários, na tentativa de resolver o mistério de quem (ou o que) está viajando nas estradas do rei. Ao mesmo tempo, Kvothe busca por respostas, tentando descobrir a verdade sobre o Chandriano, e a morte de seus pais. 
Ao longo do caminho, Kvothe é levado a julgamento pelos mercenários lendário de Adem, obrigado a recuperar a honra do Edena Ruth, viaja para o reino Fae. Lá ele encontra Felurian, a mulher das fadas que ninguém pode resistir, e que nenhum homem jamais sobreviveu. Sob sua tutela, Kvothe aprende muito sobre a verdadeira magia e as formas das mulheres.
 Em “The Wise Mean’s Fear“ (O Temor do Sábio), Kvothe dá seus primeiros passos a caminho do heroismo e descobre como é difícil a vida quando um homem torna-se uma lenda em seu próprio tempo''  (Tradução
www.sobrelivros.com.br).
A obra lançada em março nos Estados Unidos tem aproximadamente 1.000 páginas!! Cara! O que isso?! Que calhamaço!
Ah! Vamos lá; a data de lançamento no Brasil. Dizem que agora já está definido; a sequência de “O Nome do Vento – A Crônica do Matador do Rei” será lançada em nosso País entre novembro e dezembro de 2011. Será mesmo?? Vamos aguardar.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...