quarta-feira, 16 de março de 2011

Água para Elefantes

Há livros que tem o poder de emocionar; arrancar lágrimas não dos olhos, mas do nosso coração. Livros que são pura emoção e que ao terminarmos a sua leitura, ficamos com a sensação de termos realizado uma viagem que jamais esqueceremos. Pronto! Acho que já define, em poucas palavras, o conteúdo da obra prima de Sara Gruen,  “Água para Elefantes”.
Há muito tempo eu estava com vontade de ler um livro que abordasse a magia do mundo do circo. Este desejo surgiu e foi aumentando logo depois que assisti o filme “O Maior Espetáculo da Terra”, de Cecil B. Demille,  com Charlton Heston, James Stewart, Cornel Wilde e mais uma constelação de astros e estrelas. Queria  ler uma história que se aproximasse do conteúdo e da qualidade do filme, mas não estava encontrando nenhuma. Então numa madrugada, quando estava revirando as livrarias on line, descobri a jóia rara “Água para Elefantes”. Como as críticas eram muito positivas, tomei a decisão de comprar o livro, e não me arrependi.
A obra é narrada em flashback por Jacob Jankowski que aos 93 anos e viúvo se encontra numa casa de repouso para idosos, onde raramente é visitado pelos seus filhos e netos. Quando um circo chega na cidade e começa a armar as lonas ao lado da casa de repouso, Jacob inicia a sua viagem no tempo, recordando o período de sua juventude quando trabalhou para uma modesta empresa circense.
A partir daí, é como se Jacob pegasse o leitor pelas mãos e o conduzisse para dentro da história, de sua história. O felizardo que lê a obra tem a oportunidade de conhecer à fundo toda a engrenagem que mantinha em funcionamento os saudosos circos ambulantes das décadas de 20 e 30 dos Estados Unidos, cuja trupe viajava de trens de cidade em cidade para se apresentar. Jacob não esconde absolutamente nada.  Ele revela os códigos de honra e conduta dos artistas daquela época, as leis rigorosas que muitas vezes chegavam a ser desumanas. Enfim, como a própria autora define na “orelha” do livro: “Um mundo de encanto, repleto de maravilhas e paixões, mas que também abriga muita dor e ódio”.
Os personagens de Água para Elefantes são cativantes e envolventes e por isso não deixam a história perder o ritmo. Tio Al é o empresário impiedoso e mau caráter do Circo Irmãos Benzini, que além de sugar e explorar os artistas, tratadores de animais e peões que ajudam na montagem das lonas, ainda ordena aos seus capangas que jogue para fora do trem (em movimento e de preferência quando estiver passando por um viaduto bem alto) os trabalhadores e artistas doentes ou velhos que se tornaram improdutivos para o seu espetáculo. August, é o chefe dos tratadores de animais, casado com Marlena. A personalidade ambígua de August, ora encantadora, ora intratável, onde às vezes deixa vir a tona uma raiva e ódio incontroláveis, acaba dividindo a preferência dos leitores, que em alguns momentos sentem uma certa empatia pelo personagem e em outros, torcem pelo seu fim. Marlena, é a bela estrela da principal atração dos Irmãos Benzini: um número de cavalos.
Não posso, também, deixar de citar mais três personagens cativantes: o anão Kinko, no início ranzinza e egoísta, mas após Jacob conquistar a sua confiança; leal e sincero; a elefanta Rosie, que tem um papel decisivo na história e a cadela Queenie, inseparável companheira e mascote de Kinko.
O ponto forte do romance é o triangulo amoroso vivido por Jacob, Marlena e August, gerando conflitos, disputas e vingança, tendo como pano de fundo este misterioso e mágico mundo do circo. E é para lá que Jacob nos leva...
Uma obra insuperável e que sempre terá um lugar de destaque em minha biblioteca.
Que Sara Gruen mantenha sua inspiração por muito tempo para escrever novas obras tão boas quanto Água para Elefantes.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...